Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

“SUSTENTABILIDADE”

 

Em feroz luta contra o seu (ex?) colega Mira Amaral, o outrora célebre Pimentinha – grande especialista em pôr ovos em ninhos alheios – veio à liça defender com unhas e dentes a sua indústria: os moinhos de vento. Isto na qualidade de director do CEEETA – Centro de Estudos, blabla, etc., não na de industrial de moinhos - coisa que, nestas manifestações “técnicas”, é melhor esconder para não prejudicar a “independência” opinativa – vem pôr em causa os esclarecidos artigos de Mira Amaral sobre a monumental trafulhice da energia eólica. Não o cita, et pour cause…, mas inclui-o, evidentemente, no “reduzido número de personalidades (que têm uma) fixação cega e irracional contra a energia eólica”.

O (ex?) colega Mira Amaral passou a cego e a irracional! A montanha de escritos de tanta gente, ao alcance do Pimenta mas que ele não lê, é produzida por cegos e irracionais. Se estes tipos impuserem as suas razões, lá se vai o negócio dos cata-ventos. É de tremer de medo, não é, ó Pimenta?

O pior, ou o melhor, é que o gato ficou com o rabo de fora no meio da extraordinária argumentação que o nosso homem escrevinhou no jornal. Diz ele que os três eixos da política energética são sustentabilidade ambiental, competitividade e segurança no abastecimento. O que quer dizer, por exemplo, que o que pagamos pela energia é um pormenor secundário. Importante é, diz ele, que, segundo ele a “comunidade científica”, inexistente criatura da imaginação “onusiana”, não há dúvidas sobre a excelência dos produtos que tão subsidiada e lucrativamente produz: as odiosas ventoinhas. O ilustre engenheiro defende a “sustentabilidade ambiental” das ditas: quer dizer, as horrendas florestas de rodopiantes maquinetas que nos destroem a paisagem são um “bem” ambiental! Defende a sua “competitividade”, sabido que é que, de todas as formas de energia é mais intensiva em matéria de custos de investimento e de manutenção! Defende a “segurança no abastecimento” de uma energia que depende de haver ou não haver vento!

Muito esperto, como sempre, o nosso homem passa à defesa da economia das renováveis, escondendo que, nelas, está a meter a hídrica, para lhe acertar as contas.

Não valerá a pena elaborar muito mais sobre a argumentação pimentosa. Outros o farão com mais propriedade que o IRRITADO.

Vale, em todo o caso, a pena denunciar como se defende causas

próprias, mascarando a coisa de abalisada opinião “técnica”.

 

14.2.11

 

António Borges de Carvalho

Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D