Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

DA VERDADEIRA OPOSIÇÃO

 

Ele há várias oposições ao governo: as que contam e as que não contam, isto é, aquelas com que o governo se deve preocupar e aquelas com as quais não vale a pena perder tempo.

Nestas, como é evidente, agigantam-se o PC e o BE. Senhores de fácil paleio, apresentam, com ligeiros cambiantes, a mesma receita, coisa que até o mais estúpido percebe que só pode levar às maiores calamidades económicas e políticas. Talvez, em eleições, subissem um pouco, à custa de repetir críticas imediatas e primárias, na esperança que haja mais quem coma disso. Não há. Têm um discurso dito democrático, mas, quem quiser saber o que lhes vai na alma, leia as arengas do Jerónimo no novo programa: loas a Staline, vivas à URSS, e bolores do estilo. A ditadura está-lhe na massa do sangue. Disfarçada para papalvo ver, não deixa de lá estar por isso. Vir à tona será mais difícil, é preciso esperar pelas “condições objectivas”. O BE não anda longe disto. Vai disfarçando, mas o “substracto” é o mesmo, em versão disfarçada mas afim.

 A seguir, temos as mesnadas sindicais da mesma origem. Desta vez, conseguiram pendurar-se no protesto legítimo, espontâneo e inorgânico que surgiu semanas atrás, para apregoar a requentada cartilha do marxismo-leninismo e tentar capitalizar às costas de terceiros.

Finalmente, temos o PS, a nave dos loucos. Uns, muitos, defendem receitas socrélfias, qua não há quem não condene. O actual chefe é, unanimemente, considerado oco. Coitado, está entalado entre um passado vergonhoso, que tem medo de criticar, e o memorando da troica, de que não gosta mas a que não pode fugir.

Nenhum destes sectores, e senhores, é susceptível de meter ao governo medo que se veja. Deixá-los espernear. Não marcam golos.

Vejamos agora o que são as oposições propriamente ditas, as que destroem, as que ferem, as que são um problema sério para o governo. As primeiras estão no próprio governo. É a falta de explicações, é o pudor de dizer qual a verdadeira situação que veio encontrar, é a teimosia do Relvas em ficar a todo o custo, sem cuidar da descredibilização que causa. É, sobretudo, a pouco séria e catastrófica atitude do senhor Portas e seus próximos. Incapaz de perceber que, se entrou no barco, tem obrigação de não soprar velas ao contrário, Portas tem, ou devia ter a obrigação de tratar das questões intramuros e não na praça pública. Não deve, ou não devia andar para aí a fazer cara de pau. Acima de tudo, tem, ou teria, a mais elementar e patriótica obrigação de não pôr os interesses do partido acima dos do governo.

Depois, temos a mais feroz ainda porque mais demolidora, oposição interna do PSD, coisa endémica que só Sá Carneiro, por autoridade pessoal, e Cavaco, por taxos, conseguiram dominar. Desta vez, corporizam-na fulanos como Pacheco Pereira, que ainda não ultrapassou a dor de corno que a queda da sua “patroa” Manuela lhe causou. Integra-a a própria Manuela, diz-se que por ordem de Cavaco, o que é não é certo. Dor de cotovelo é mais provável. Depois vêm autores menores, mas não menos perigosos: Capucho, por exemplo, senhor das mais tremendas frustrações, às quais reage com destrutiva brutalidade até que lhe deem uma câmara qualquer. Isto sem contar com o Marcelo, viciado nestas coisas e incapaz de ver para além dos seus interesses mediáticos e económicos. À horda, talvez com alguma surpresa, veio juntar-se há dias o Marques Mendes, quiçá ao cheiro de poder pessoal, dadas as suas boas relações com o PR.

Há mais, mas fiquemos por aqui. São estes os que, “patrioticamente”, demolirão o governo, se Passos não os defenestrar de algum modo. Lembrem-se de Santana Lopes (nome a nome, o melhor governo que tivemos na última década), que foi demolido pelos mesmos.

Em suma, o que falta à nossa política, hoje em dia, é bom senso, lealdade e honra.

 

7.10.12

 

António Borges de Carvalho      

9 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D