Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

FRASES

 

Em brilhante sessão, várias altas figuras do nacional-jornalismo e da nacional-politiquice encontraram-se para, dizem, discutir o “jornalismo”. Tudo em solene comemoração dos 40 anos do “Expresso”.

A coisa veio prolixamente referida em várias páginas referido semanário. Coisa que não haverá muito quem tenha a pachorra de ler, IRRITADO incluído.


Mas os leads são esclarecedores.


Diz o invejoso Pacheco que “os jornalistas interiorizaram o discurso e a linguagem do poder, sem uma reflexão e distanciamentro críticos”. Notável. Qual poder? O actual não, com certeza. Conta-se pelos dedos tal “interiorização”. Se os jornalistas interiorizaram algum discurso foi o da oposição, como é mais que evidente.


O “candidato avant la lettre” Rui Rio diz-nos que “o jornalismo é um dos responsáveis pela degradação do regime democrático”. Carradas de razão.


O ex-chefe de ERC (coisa execrável!) Azeredo Lopes informa-nos: “em Portugal não há uma prática de sanção dos jornalistas”. Se acha que devia haver, porque não fez nada quando andava a ganhar o dele na tal ERC?


O storyteller Tavares afirma que “O discurso de Pacheco Pereira é exactamente o contrário do que dizia há vinte anos”. Certo, mas não novo. Toda a gente sabe que a maior inspiração intelectual do Pacheco é a dor de cotovelo, o que o leva, e levará, a dizer o que for preciso para a aliviar.


O inteligente Henrique Monteiro opina: “Abomino o jornalismo como quarto poder. O jornalismo deve ser um contrapoder”. É evidente que ninguém elegeu os jornalistas para que tenham poder. Mas, como os juízes, têm-no. O problema é como o usam. Deve ser por isso que Monteiro esclarece logo a seguir: devem ser um contrapoder. O que, a contrario sensu, quer dizer o mesmo. Para além da asneira conceptual, não se sabe onde ficamos.

 

Ernfim, não é mau dar uma olhada ao que diz tão distinto escol.

 

9.12.13

 

António Borges de Carvalho

4 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D