Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

BONS SERVIÇOS

 

Uma pessoa que eu conheço, reformada (contributiva!) com trezentos e tal euros por mês, 70 anos, arranjou um trinta e um com um dente: inchou-lhe a cara tipo bola de raguebi, dores horríveis, etc. Desesparada (não tenho dinheiro para dentistas!) viu a coisa agravar-se.  Meti uma cunha a um dentista que conheço. O homem pôs as mãos na cabeça, fez-lhe um buraco não sei onde, extraiu porcaria em quantidades industriais, receitou um antibiótico violento, e fez um pedido de exame para uma radiografia à boca no SNS. Cumpri a minha parte no que ao antibiótico dizia respeito, coisa aliás barata.

Dois dias depois, a pessoa contou-me que esteve dois dias inteirinhos no hospital Amadora/Sintra e... radiografia nem vê-la. De lá veio com o rabo entre as pernas. Contou-me mais, sobre a multidão (no segundo dia estavam lá os mesmos da véspera...), a falta de médicos, isto e aquilo, toda a gente sabe.

Não estou a gabar-me da ajuda, coisa que qualquer um faria. O que me traz é pedir a quem lê que faça um pequeno exercício de imaginação.

Imaginem o que aconteceria, em 2015, perante uma situação deste tipo: as televisões estariam em peso no local, a fim de entrevistar a bola de raguebi e receber, com a devida honra, figuras e figurões dos sindicatos, a dona Catarina, um gajo do PC, uma manifestação da CGTP, mais desgraçados entrevistados, a barulheira duraria pelo menos três dias. À noite haveria debates, todos concordantes em que o que se passava era a destruição do SNS por razões ideológicas, era o governo a ir além da troica, era o diabo a quatro.

Imaginem agora que o hospital tinha gestão privada. A bernarda seria ainda maior, e muito mais fácil, porque havia um bode expiatório mais à mão: na ganância do lucro, os privados, a mando do governo,  privavam a Nação do SNS e metiam ao bolso o dinheiro das radiografias sem fazer radiografias. A dona Catarina entrava em delirium, esperneava, vejam as consequências da falta de socialismo revolucionário, o PS e o PC alinhavam, ribombavam as mais violentas aleivosias, etc.. Deve, aliás, ter sido por isso que o tal hospital deixou de ter gestão privada, com os brilhantes resultados que estão à vista de todos mas de que não se fala porque, no firme e triunfante caminho para a ditadura de esquerda, a falta de protesto e, sobretudo, de informação, são um elemento fundamental para ir habituando as pessoas a não ver, não ouvir, não falar.

É a “paz social”, no parecer do Presidente, do chamado governo e dos respectivos acólitos- bengala, ou acólitos-oficiantes.

*

Uma “autoridade” qualquer deixou escapar uma classificação (rânquingue, em novilíngua) dos hospitais do SNS, na qual, dos três primeiros, dois são de gestão privada, não sendo possível, nos restantes, chegar à conclusão que os hospitais de gestão pública prestam melhores serviços, e mais baratos, que os de gestão privada.

Além disso – um sinal importante – o Hospital de Cascais, além de bons serviços, custou ao Estado menos 47 milhões do que estava previsto no contrato. Bom serviço, e mais barato. Conclusão do chamado governo: acaba-se com o contrato, lança-se um concurso internacional para nova gestão, sendo de prever que jamais se fará nova adjudicação. Aqui temos o que é estatismo puro e duro. Ou, se quiserem, a doutrina da reversão, seja à custa do que seja. O contrato podia ser objecto de revisão ou renegociação se, aqui e ali, se pudesse obter melhorias hospitalares ou económicas. Não! O objectivo é a afirmação do poder do Estado, mesmo que contra os interesses dos cidadão, como é o caso.

Bons serviços, só os do Estado. Mesmo que sejam piores, e mais caros, que os dos outros, são melhores por definição.

 

Comentários para quê?

 

5.1.17

4 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D