Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

CARTA ABERTA

 

Aos Camaradas do politburo do Comité Central

 

Com as nossas saudações revolucionárias, vimos alertar o CC para alguns problemas que  a nossa gloriosa marcha para o socialismo real enfrenta.

Desde o emergir da nossa colaboração com a burguesia, apesar do aturado trabalho dos nossos infiltrados, tem o Partido, e nós com ele, adoptado uma linha de tolerância que não está nem na nossa tradição nem nos princípios revolucionários que são a base da nossa acção e garantia das nossa vitórias (o BE faz o mesmo, mas não importa, está longe de ser vanguarda, a vanguarda somos nós!).

Tememos que os camaradas que, sob a nossa direcção, se encarregavam das acções revolucionárias que, com tanta glória, vínhamos desenvolvendo, nas ruas, nas empresas, nas consciências, comecem a ficar desmoralizados por falta de ocupação, ou mesmo com temor do desemprego.

Temos tido sempre, como o CC bem sabe, as hostes bem preparadas e enquadradas para, em qualquer momento e a qualquer propósito, actuar de forma a perturbar os governos da burguesia, o que fizeram com assiduidade e denodo durante o tenebroso governo de Passos Coelho.  Porém, as massas estão em repouso há quase 17 meses, o que é altamente contraproducente. Fizemos há dias um pequeno ensaio com os professeres – devidamente dirigidos pelos nossos camaradas – mas tal não deu uma sequer pálida imagem do que costumávamos fazer. Lançamos pois um apelo aos camaradas do CC para que tenham em conta a possibilidade de desmobilização das massas, o que será altamente inconveniente.

Reconheço que o governo que apoiamos tem tido algumas actuações convenientes. É o caso deste último PEC, em que qualquer tendência minimamente reformista foi abandonada, a não ser no caso, por exemplo, do arrendamento, “reforma” que, aliás, nos é conveniente. Quanto a outras, o nosso triunfo é total: tais reformas (trabalho, segurança social, energias, transportes, etc.) teriam como resultado o progresso económico e a reafirmação dos mais inconvenientes princípios burgueses, com a consequência de atirar para mais longe a criação das condições objectivas para a tomada do poder pelas massas, sob a nossa gloriosa vanguarda. Reformas não! Felizmente, o PS obedece. As reversões que, em boa hora, exigimos e aplaudimos, são avanços no sentido da revolução. As reformas são reaccionárias por natureza! A sua ausência, bem evidente no PEC que inspirámos, implica, a prazo que esperamos não muito distante, a ruína total do Estado burguês, o que merece ser saudado por todos nós e por todos os nossos camaradas. Sobre tal ruína ergueremos bem alto o socialismo real e o centralismo democrático!

Mas, e perdoem-nos a insistência, é indispensável reacender o clima das acções de rua, sob pena de se atrasar o caminho para o fim do euro, a retoma da Revolução a passos cada vez mais rápidos, o abandono desta Europa capitalista e burguesa, o restauro da soberania do proletariado (interrompida em 1975 e só timidamente recuperada, em 2015, através da aliança com os burgueses do PS e do BE) e o realinhamento da Pátria, dos Tabalhadores e do Povo com os nossos camaradas de Cuba, da Venezuela, da Coreia do Norte e de todos os que se batem pelos gloriosos amanhãs que nos compete instaurar.

Unidos venceremos!

 

Com as nossas mais profundas saudações marxistas-leninistas vos abraçamos, ó Camaradas!

 

Armínio Karl

Ana Avoiarx

Mário Noguécio

7 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D