Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

CONTO NEGRO

Em Fortes Macucos de Cima há uma igreja com 500 metros quadrados, uma casa onde vive o padre Felismino, trasmontano de gema, com um anexo para o sacristão. 100 metros ao todo. O resort é complementado por um barracão destinado à sopa do Sidónio, e outro onde impera uma mesa de ping-pong. Ao todo, mais uns 150 metros. Do ponto de vista paisagístico, o complexo é complementado por um logradouro murado com uns 1.000 metros, a que se dá o nome de adro. Nele vicejam alguns pinheiros, três ciprestes e uma horta de nabos. A norte, estende-se a lonjura dos montes limitada pelo céu azul, a lembrar o destino das almas puras. A Sul, o cemitério, pejado de brancas campas. A oeste, uma fábrica de chouriços e uma pocilga mal cheirosa. A Leste, lá onde nasce o Sol, vê-se um bairro de casas abandonadas, vítimas da desertificação, do declínio populacional e das ratazanas.

 

Um dia, um desconhecido bem-posto, jovem licenciado em rendas de bilros, aborda o padre Felismino.

- Bom dia, meu filho. Em que posso ajudar-te?

- Sou inspector tributário - responde o homem, exibindo a identificação da República.

- Sê bem-vindo. Queres confessar-te? Marcar um matrimónio? Pedir a extrema-unção para alguma alma de partida?

- Nada disso. Venho a mando do governo marxisto-jacobino, a fim de pôr as coisas no são.

- ???

- Por ordem superior, o complexo que o senhor gere foi avaliado em três milhões oitocentos e vinte sete mil euros e quarenta e quatro cêntimos, sem contar com a majoração da paisagem, das condições edafo-climáticas da zona, da existência de espécies autóctones e de vários endemismos, assim como, naturalmente, das mais-valias que são características dos empreendimentos de natureza turística ou afins. Foram consideradas algumas menos valias, incluídas pela lei na fórmula de cálculo. Assim, a sua propriedade tem, feitas as contas, um valor fiscal final de quatro milhões trezentos e vinte sete mil euros e dois cêntimos.

- Mas…

- Não há mas nem meio mas. O cidadão responsável, que é vossemecê, uma vez que goza de benefícios camarários aprovados na Assembleia Municipal de 10 de Julho, tem desconto. Ora veja aqui no aipede. Em baixo, a negro: são dezoito mil oitocentos e quarenta e quatro euros por ano, que poderá pagar em três suaves prestações de cerca de seis mil euros…

- Eu não sei nada disso, nem tenho dinheiro para pagar, nem os cento e oitenta a quatro habitantes da paróquia me podem ajudar.

- Isso não interessa. Não paga, nacionaliza-se esta coisa toda, e pronto. Mas tem os seus direitos assegurados. Por exemplo, tem o direito de reclamar, desde que, como é evidente, pague primeiro, como acontece a qualquer cidadão. Dentro de mais ou menos um ano, a sua reclamação será, como é de lei, indeferida. Também pode dar a coisa à penhora, como garantia, o que contribuirá para agravar a despesa. Em alternativa, que não aconselho, poderá impugnar a colecta, o que, com os preços a que estão os advogados, sai caro e pode arrastar-se por vários anos nos tribunais, com variadíssimas despesas acrescidas.

- Mas…

- Já lhe disse. Não há mas nem meio mas. As coisas são como são. É o que manda o Estado de direito, no cumprimento dos mandamentos da moral republicana, socialista, laica e marxisto-jacobina.

- Ouvi dizer que a Igreja tem um acordo com o Estado…

- Tinha, meu caro, tinha. Agora quem manda é a geringonça, que não tem nada a ver com acordos assinados pelo Mário Soares, indivíduo que está completamente patareco e já não manda nada, está a perceber? Agora quem manda é a Catarina e o Jerónimo, sendo executor ao seu serviço um tal Costa, proveniente da ala jacobina, está a perceber?

- Não, mas…

- Mas o que acontece consigo acontece com todos os cidadãos. Julga que é mais que os outros, ou quê? Se todos pagam e não bufam… está a perceber? É a igualdade!

- Bom, vou falar com o Bispo.

- Fale com quem quiser. Desde que pague não há problema nenhum. Boa tarde.

 

20.8.16

6 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D