Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

DA GLÓRIA DA ESQUERDA

 

Um número crescente de filósofos, psicólogos, politólogos e de outros rebrilhantes intelectuais disponíveis começou a pronunciar-se “agradavelmente” sobre uma coisa que vem ocupando páginas e páginas na chamada “comunicação” social, “mídia” para ignorantes e subservientes, media, ou meios, para quem não faz parte de tal equipa.

Qual coisa? A mentira e seus parentes.

Há quem escreva, com justificatória alegria, que a mentira é “normal” na política e “característica” própria de políticos que se prezam. Pode ter várias graduações: a pura mentira, a meia verdade, a narrativa, a verdade alternativa e outras rebuscados conceitos usados para gozo e satisfação dos opinadores. As mais intelectuais justificações para tais práticas são avançadas em “análises” profundas, cheias de considerandos, citações, estudos, investigações, estatísticas, e do mais que ocorrer à moderna elite mediática.

Em segundo plano surgem alguns conceitos aceitáveis, que não se enquadram nos analisados, como os da confidencialidade, da reserva, da discrição e das matérias que as merecem. O mais difícil será estabelecer os limites de tais formas de proceder, a fim de as não confundir com mentiras e quejandas práticas. Mas isto pouco interessa à tal elite.

Um exemplo do que, não sendo mentira, nem meia verdade, nem verdade alternativa, sequer narrativa, é tão ou mais violento que a mentira pura e simples. Refiro-me às bandeiras em arco desfraldadas pela geringonça a propósito do défice.

Foi ele de 2,1%, ou coisa do género, correspondentes a 3.807 milhões de euros. Demos de barato o facto de tais milhões não terem sido objecto de informação pública por parte do chamado governo. O pior é o que segue: em 2016, a dívida agravou-se no módico montante de 9.590 milhões; destes, foram às contas os tais 3.807, ficando de fora 5.783 milhõezinhos; não se sabe onde foram parar, se às contas da mercearia, se abaixo do tapete, se enviadas ao cosmos nalgum foguetão, se metidas na “operação marquês”. De resto, a história não é nova: era um dos mais inteligentes e habituais procedimentos da “gestão” socialista de antes da troica, coisa que teve os maravilhosos resultados que toda a gente sabe e com que toda a gente sofreu.

Aqui temos uma mentira, inverdade, narrativa, ou outra coisa qualquer. À portuguesa, chamar-lhe-ei aldrabice, trafulhice, engano, sonegação de informação essencial para a formação da opinião póblica: o país a atolar-se em ainda mais dívidas, assim “revertendo” o caminho que vinha tomando em 2015. Ao mesmo tempo que o país se atola, o costismo, herdeiro agravado do socratismo, declara que estamos a caminho da glória. Só se for a glória das bancas dos casinos.

E a procissão vai no adro.

 

2.4.17

3 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D