Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

DA PRESTAÇÃO DO CENTENO

 

Tenho estado a ouvir alguns dos 3.899,74 comentários que, no espaço de umas três horas, já foram feitos sobre a parlapatice parlamentar hoje produzida a propósito do chamado Programa de Governo das três minorias (não conto com a do o PEV, porque acho o PEV não existe nem jamais existiu).

O exército dos comentadores, entrevistadores, pivôs, etc., anda à procura das “novidades” do debate, esfarrapando-se em diligências mentais para as descobrir. Para mim, que sou um ignaro espectador destas exibições, não houve novidade nenhuma ou, melhor dito, ninguém deu pela única novidade realmente importante: a prestação do Centeno.

Esta ave de arribação, laureada com altas “qualificações” e não menos grandíssima esperança de muita gente, foi um flop dos antigos. Espalhou-se ao comprido, sem apelo possível. É esta a grande novidade. Poder-se-ia dizer que isto é um elogio, na medida em que é natural que um principiante não tenha traquejo para se aguentar no Parlamento, sem prejuízo da solidez do seu pensamento. Mas não se trata de um problemna de traquejo, que seria o menos. É uma questão de “substrato”, de substância, de coerência, de firmeza de ideias, de lógica mental. De um mínimo de sabedoria, se quiserem. Defendendo-se com um sorriso alvar, quase diria mongolóide, não respondeu a uma só das questões que lhe foram postas. Zero! As evidentes contradições entre o seu “pensamento” e o programa do governo não lhe mereceram o mais pequeno esclarecimento, fugiu aos encartes como o profeta do toucinho.

Aqui temos um exemplo, aliás presente noutras novidades deste governócrates, do que é um “académico” que é só académico, isto é, que jamais esteve em contacto com a vida, que não conhece o mínimo da alma humana e que, por isso, acha que as reacções pessoais e sociais às “políticas” estão plasmadas em programas informáticos academicamente certíssimos.

Diz-se que deve a sua formação à universidade de Harvard, entidade rigorosamente privada, sem endowements do Estado, coisa que, na cabeça do homem, não deve fazer sentido, ou que nem sequer percebeu. Usando a sua lógica “positiva”, acha que, pois então, se o consumo aumentar, a economia progride, ou seja, o progresso económico e o emprego são fruto do consumo, não o consumo e o emprego consequência do crescimento económico. Acha que, mantendo ou aumentando as taxas aos agentes económicos, estes “compreendem” a douta intenção e se põem a investir à maluca.

É claro que as pessoas, as sociedades, as empresas, quem se quiser “defender”, borrifa nestas teorias. Se se sentem ameaçadas pelo imposto sucessório que o homem inventou, tratam de doar o património, de o dividir, de o expatriar. Se vêem as coisas a dar para o torto no IRC e têm poder para tal, mudam-se para o Luxemburgo ou para a Irlanda - desde o início da crise, a Irlanda já deu as boas vindas, fiscais e não só, a inúmeras organizações, representando muitos, mas muitos milhares de milhões de dólares, enquanto por cá ainda se discute as minhoquices dos vistos gold.

Enfim, o senhor Centeno, armado em ministro das finanças, navega no mundo onírico das receitas informáticas, à espera que a vida lhes obedeça. Um tipo desta qualidade jamais devia passar dos gabinetes de estudo. Um tipo desta qualidade jamais devia fazer parte de um governo. Mas parece que a vil “glória de mandar” é tão forte que nem dá por que quem manda é o Costa, e que o Costa se está nas tintas para as suas teorias: Centeno ou as vai adaptando à narrativa e à demagogia governamentais, ou é despejado. Mas ele, como não quer ser despejado, comerá o que for preciso, aplicará ou “desaplicará” os seus achados com o critério do poleiro.

Não é de admirar que a sua prestação parlamenar tenha sido tão pobre e tão “fugidia”.

 

2.12.15

5 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D