Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

DO EQUILÍBRIO INTERIOR DE FREITAS DO AMARAL

 

Como democrata, também não gostei nada do estilo neoautoritário do primeiro-ministro, que aos poucos conseguiu controlar quase todos os órgãos de comunicação social.

Freitas do Amaral, “Visão”, 10.9.15

 

É sempre difícil julgar as pessoas, fazer apreciações quanto ao carácter de cada um, avaliar da coerência ou da dignidade seja de quem for. A subjectividade impera nestas coisas mais do que seria de desejar.

No entanto, quando as pessoas se expõem, quando as avaliações são feitas a partir das atitudes que tomam e que são propagandeadas pelos próprios, no exercício do direito que, com todo o direito, se atribuem de influenciar a cabeça dos outros, torna-se legítimo fazê-lo com critérios a que assista objectividade q.b..

Vem esta arenga a propósito das muitas afirmações e atitudes que, ao longo duma já longa vida, vêm constituindo a “montra” de uma personalidade como a de Diogo Freitas do Amaral, de que é triste exemplo a declaração acima, totalmente eivada de mentira, raiva, cegueira e primitivismo.

Lembro-me de um almoço de rapazolas em que, bebidos uns copos, dedilhadas umas guitarras, cantados uns fadunchos, a coisa descambou em mais copos e nas ordinarices da praxe. A malta ria, e ia exagerando, como é natural nestas quase infantis manifestações. Diogo não ria. Quando a coisa estava no seu melhor, decidiu ir-se embora. Porquê?, perguntei. Respondeu: “isto prejudica o meu equilíbrio interior”. Confesso que aquela do “equilíbrio interior” me embasbacou.

O futuro, no entanto, viria a demonstrar a fragilidade do tal equilíbrio.

Filho da ala mais conservadora da II República, afilhado intelectual e académico de Marcelo Caetano, Diogo, diz-se, estava interessado em integrar o governo da respectiva “primavera”. Dizem que não terá levado a bem ter ficado de fora, nem sequer sendo convidado para integrar o célebre Secretariado Técnico da Presidência do Conselho, onde pontificavam jovens cérebros da época, tais Xavier Pintado, João Cravinho, João Salgueiro e outros mais que viriam a ser gente na III República.

Não se sabe se foi por isso, mas pode intuir-se já que, muitos anos mais tarde, Marcelo Caetano foi objecto de uma vergonhosa peça teatral da autoria do seu ex-discípulo. Começava aqui a revelar-se a verdadeira face de Freitas do Amaral, ou da sua falta de “equilíbrio interior”.

No auge do período comunista, Freitas do Amaral fundou o CDS, partido da direita democrática nacional que havia de concitar os votos dos descontentes com o fim da II República, e de muitos mais. Intitulado do centro, rotulado de democrata cristão, o CDS, honra lhe seja, era o único partido que dava resposta às ânsias de muita e boa gente e que não se declarava socialista ou social-democrata. Lembro-me de, à época, o considerar à minha direita, sem prejuízo de o achar indispensável ao equilíbrio político do sistema e de funcionar como um tampão ao reacender da extrema-direita.

Sob a sua chefia, o CDS viria a integrar a AD, formação de centro, que havia de triunfar e que viria a acabar depois de decapitada por um atentado, seguido das zangas que fomentou com Balsemão. Mais tarde, Freitas do Amaral seria, como candidato a PR, a referência do centro e da direita. Foi perseguido e insultado por Mário Soares, que acabou por vencê-lo por uma unha negra. Depois da derrota, criou a Fundação século XXI, destinada a continuar a luta, dele e de muitos mais, contra o socialismo. Parecia ter aprendido a lição, não só a da sua luta eleitoral como a da experiência falhada num governo em que se tinha associado ao PS.

Passou o tempo. Um dia, anunciaram os jornais que Mário Soares tinha assistido, na primeira fila, ao casamento de uma filha de Diogo. Os que o tinham apoiado sentiram-se traídos. Então Freitas do Amaral tinha-se tornado amigo pessoal e íntimo de quem o tinha insultado perante o país inteiro? Terá sido mais um sinal público dos seus problemas de “equilíbrio interior”.

Step by step, tais problemas acentuaram-se. Ao ponto de, anos depois, aparecer ao lado de Pinto de Sousa, como seu ministro dos negócios estrangeiros.

O promotor do partido mais à direita do país, o vice de Sá Carneiro, o representante da direita em dramáticas eleições presidenciais, acaba como servo fiel do soarismo e do socretinismo, como lançador de “bocas” do mais ordinário contra o seu partido e o partido a ele aliado. Desculpando-se com a máscara de democrata cristão, acusa, como acima está escrito, o único PM que jamais tocou na fímbria das vestes dos media, de os “controlar” e de ser, valha-nos Deus, “autoritário”. Tanta mentira em meia dúzia de palavras.

 

Talvez, depois daquele almoço numa tasca da Calçada do Sacramento, nunca mais tenha recuperado o tal “equilíbrio interior”. Boa desculpa minha para não lhe definir o carácter.

 

13.9.15

7 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D