Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

ESTÁ BEM? DESTRUA-SE!

 

A senda é conhecida e praticada, quase religiosamente.

Passado um século sobre a destruição e a desertificação humana das cidades, lá se legislou sobre o tristemente célebre bloqueamento das rendas, sobre a liberdade contratual das pessoas, o (relativo) respeito pelo constitucional direito à propriedade privada. Em meia dúzia de anos, as cidades ganharam nova face, milhares de prédios em estado de ruina regressaram a ceitáveis níveis de qualidade, tudo a provar que, em benefício de todos (Estado, particulares, senhorios e inquilinos) havia energias sociais garrotadas que regressavam à vida depois de anos e anos de abandono.

Veio a geringonça. Anuncia-se o fim do sistema, a “reforma” do RAU, do NRAU, etc., de forma a consolar ideólogos e ideologias, cujos resultados, cá e pelo mundo fora, sempre resultaram em miséria, das pessoas e dos Estados.

O turismo ressuscitou em resultado do aumento da procura e de alguma liberdade cívica. Com ele os arrendamentos turísticos, a procura externa, a entrada de milhões. Porém... com a geringonça, há que acabar com o movimento. Os tuktuk são uma desgraça. É preciso dar cabo do alojamento local, criar regras e regrinhas, sacar mais dinheirinho ao mercado, dificultar, anquilosar, perder o conquistado, dominar os arranques e as iniciativas da sociedade civil. Os turistas passaram a incómodos invasores, há que “limitar” os que aproveitam com ele, desincentivar o investimento externo, criar mais burocracia, cortar as pernas à coisa, como a tudo o que signifique liberdade, a tudo o que mexa.

(Um dos mais lídimos adeptos da geringonça, célebre por um dia ter pedido à CML que apressasse o “feixo” da CRIL - rapaz culto, maçon e socialista - quer proibir os tuktuks lá do bairro e mandar fechar o comércio mais cedo, a fim de que tudo fique mais silencioso, e mais pobre).    

Nos transportes públicos via-se uma luzinha ao fundo do túnel. Veio a geringonça. Destrua-se. Municipalize-se. Estatize-se. Se correr mal, como corre, é “azar”, como decreta um tipo que se diz ministro. Vai haver indemnizações aos prejudicados? Lança-se mais um imposto para pagar a bronca. O socialismo paga-se, pelo menos até acabar o dinheiro emprestado.

A água está cara? Está. O remédio, como vem sendo anunciado, é aumentar o preço. A geringonça não brinca em serviço.

A chamada “restauração” queixa-se do IVA a 23%. Abra-se uma excepção, passe a 13. Os preços da restauração sobem três vezes mais que a inflacção em geral, a demonstrar as consequências da genial medida. Não interessa, há quem pague.

Há petróleo na costa? No mar? Faça-se a respectiva “interrupção voluntária” da procura. As exportações de produtos petrolíferos são fulcrais na balança externa, ainda que trabalhem com matéria prima importada a cem por cento. Passar a ter matéria prima nacional? Que disparate! Cancele-se os contratos. Um porque a outra parte se esqueceu de incluir um papel, mesmo que já tenha passado o prazo para reclamar. Os outros não se sabe ainda porquê. Que importa? Pague-se as indemnizações que os tribunais arbitrais não deixaram de exigir. O socialismo é honesto, desde que as pessoas o paguem. A Noruega (país impecável em matéria ambiental), à custa do petróleo, tem as maiores reservas financeiras da Europa, e das maiores do mundo. Que interessa? Petróleo no Algarve é que não, mesmo que não tenha qualquer influência na qualidade de vida das pessoas. A Escócia queria ser independente para ficar com o petrólio do Reino Unido. Que estupidez! A gringonça é que é inteligente.

A ADSE estava a correr bem? Estava. Até dava lucro, os seus beneficiários, que bem a pagam, não tinham razão de queixa. Acabe-se com isso. Crie-se um “conselho geral”: 15 marmanjos de alto coturno se sentarão á volta da mesa para vigiar a direcção e ganhar, pelo menos, umas senhas. Os sindicatos rejubilam com novos tachinhos! Dar-se-á à coisa o sonante nome de “instituto público de gestão participada”. Lindo: o social-complicómetro no seu esplendor. Dou-lhe três anos até ir à falência. Não fará mal, lança-se uma taxa qualquer, e pronto.

Mas nem tudo é mau. Por exemplo, as criancinhas de 10 anos vão ser ensinadas pelo Estado a fazer abortos. Progresso é o progresso, raio!

 

15.12.16

8 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D