Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

EUCALIPTOFOBIA

A partir do fim dos anos sessenta e durante quase vinte anos foi a minha juventude fortemente doutrinada com as teses “técnico-políticas” que defendiam ser crime plantar eucaliptos e explorar a respectiva floresta. Tratava-se de uma árvore predadora da Natureza, que desertificava os solos, que destruía as potencialidades naturais da paisagem, que reduzia à miséria as populações, que só servia para encher os bolsos a uns miseráveis poluidores (as empresas de celulose), enfim, um rol imenso de razões que transformava tal árvore numa espécie de demónio a evitar a todo o custo. Além de tudo o mais, defendia-se a ideia de que, num agro onde tivesse havido eucaliptos, nada se podia plantar durante décadas.

Como não tinha conhecimentos nestas matérias, aceitei o que me diziam e militei nas condenatórias hostes.

Passaram tempos, fui conhecendo gente e ouvindo opiniões. A verdade é que, num país com tantos solos pobres e com orografia tão adversa, a floresta é um preciosíssimo recurso. No que ao eucaliptal diz respeito, inúmeros testemunhos credíveis me foram garantindo que os eucaliptos não desertificam coisa nenhuma, não arruínam os solos e que, em inúmeros teatros geográficos são a solução ideal para obtenção de bom e sustentável rendimento. Hoje, a indústria do papel é uma das principais fontes de alimento da nossa balança comercial, e não são os condenáveis descuidos que subsistem em relação a certos efluentes industriais que dão razão a quem, generalizando, condena o ramo. Não digo que todos os eucaliptais estejam situados nos teatros mais apropriados, mas não há dúvida de que ainda há muitos milhares de hectares expectantes, onde o eucaliptal poderia ser uma das melhores e mais rentáveis soluções.

Vem isto a propósito de mais uma “reversão” que ficamos a dever ao chamado governo: travar a expansão do eucalipto.

O principal investidor na área da pasta de papel já veio dizer que vai investir para outro lado, onde as teorias pseudo-ecológicas não tenham o direito de cidade que por cá abunda.

É sabido, e assumido pelo poder esquerdoido, que as exportações são coisa a merecer reduzida atenção e que a economia progredirá com o poder de compra (sustentado por dívida), ou seja, com as importações.

O pensamento é livre. A estupidez também .

 

8.2.16

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D