Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

FILOSOFIA TRIUNFANTE

Vivemos na terra dos documentos. Há documentos para tudo,estudos, estatísticas, gráficos, abaixo assinados, sei lá. Deve ser a batalha da produção de que tanto falava o saudoso Vasco Gonçalves.

No que respeita ao PS, a produção documental tem uma boa tradição, isto é, todos os documentos vão a galope para a lixeira. Ele foi o documento dos macro-economistas, onde tudo sem excepção estava errado mas que serviu para a propaganda. Lixo. Ele foi o seu filho, o programa do PS, esse nem para a propaganda serviu, só para perder as eleições. Lixo. Ele foi o programa de governo, coisa rigorosamente incumprida. Lixo.

Agora, é ainda mais engraçado. Sob a alta direcção do careca do BE e daquele tipo do PS que dizia que a dívida não era para pagar e que prometia pôr a Merkel de joelhos, reuniu uma comissão de sábios do PS e do BE a fim de dar à luz um novo documento. E deu mesmo, honrando gloriosas tradições.

No ridente dia da publicação do escrito, vieram as reacções, antes de mais das organizações envolvidas em tão importante realização. O bloco veio dizer que não se compromete com a coisa. O PS diz que não assina, o grupo parlamentar do PS afirma não sabe de nada nem tem nada com isso, o governo do PS não assume e promete esconder a coisa de instâncias externas. Três pêesses num só, qual mistério da Santíssima Trindade. Desta feita, antes de a coisa ir para o lixo, já os seus autores previnem o futuro. Compreensível cautela. Vê-se que já comprenderam alguma coisa.

É claro que o papel é um conjunto de inanidades destinado a vir a justificar tudo e o seu contrário. Só falta tirar conclusões, tais como: o Schäuble afinal é um gajo porreiro, a austeridade é progressista, a dívida não se pode pagar mas esperemos pelas eleições alemãs a ver se nos safamos, e mais isto e mais aquilo. O BE a dar uma de moderado, a fim de preparar os uns lugarzinhos no futuro governo do PS. O PS a mostrar-se bom aluno da Europa, no fundo a confessar que quem tem razão é, sempre foi, o PSD.

Se lermos todas as linhas, quais as novidades? Só uma: o saque dos dinheiros que o Banco de Portugal ainda vai tendo, a fim de segurar o défice de 2017. O resto é conversa para pacóvio ouvir.

A nossa querida crise bancária teve várias origens: por um lado, fraude, má gestão e trafulhice; por outro – casos do BCP e da Caixa - o PS. Pinto de Sousa, engenheiro Sócrates para os amigos, tratou da saúde à Caixa e deu cabo do BCP, Costa tem feito o que pode para rebentar com aquela, este vai-se safando enquanto o Costa não se meter no assunto.

O tiro agora é no Banco de Portugal, instituição que, apesar de tudo, dada a sua independência se tem mantido à tona. O “grupo de trabalho” do PS e do BE tratou de abrir a porta. O PS não assinou mas já mandou o aparatchik Galamba explicar ao povo que o Banco de Portugal é independente mas pouco e que o Centeno tem todo o direito a ir lá sacar o que for preciso para poder deitar foguetes acerca do défice. A “operação” vai sendo preparada na opinião pública, fazendo o seu caminho, até que haja muito quem ache bem. Pobre Banco de Portugal!

As esquerdoidas constroem o seu futuro lá dentro. Cá por fora, continuarão na calma, a dizer as suas irresponsáveis bojardas. O PC reserva-se: diz que a migalha não é papo-seco: mas come-a.

A oposição, leia-se, o PSD, vai chamando as hostes à razão, insistindo em não denunciar que, no Portugal dos nossos dias, o poder é o poder, tendencialmente total, e que quem não estiver com o poder leva. Não é esta a filosofia triunfante?

 

29.4.17      

7 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D