Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

OS IMPAGÁVEIS

 

Lá dizia o Jeroen: se andares na boa vai ela, lixas-te.

Por cá, como se sabe, isto não é verdade. O Jeroen é uma besta, devia ser substituído pelo Centeno (t’arrenego, cruzes canhoto!). Não temos nada com isso, nunca gastámos dinheiro mal gasto, ainda menos nos tempos do Sócrates/Costa, temos as continhas em ordem, 2,1% de défice, o resto está debaixo do tapete como é de boa tradição, não há problema nenhum, temos estabilidade como proclama Sua Excelência, a banca está firme e em progresso acelerado, que quer esse animal saído lá dos polders quando resolve insultar a malta?

Pois é. Como exemplar exemplo desta magnífica situação dado de borla a toda a gente, é o partido do poder, o glorioso Partido Socialista, pilar número um da democracia, carregadinho de nobres tradições. Falido, mas vivinho e orgulhoso. O que é um mísero buraquito de vinte e um milhões de euros? Peanuts, amiguinhos, alcagoitas como se diz por cá a ver se os jeroenes não percebem. E as “directas”, hem, sim as directas, em que gastámos o triplo do que dizíamos que íamos gastar para fabricar uma eleição marada cuja eficácia, vejam se percebem, não está em causa: o vencedor que, ao contrário do vencido, perdeu as eleições mas é primeiro-ministro à pala dos comunistas. Vêem como funcionou, vêem? Que interessam essas centenazitas de milhar de que o Tribunal de Contas anda para aí a esgrimir, se o resultado final foi o espectacular triunfo de que a Pátria tanto beneficia?

Deixemo-nos de fantasias. Afinal, a esmagadora maioria das receitas vem do Estado, o Estado somos nós, como lá nas franças era o rei Luís, quem tem a ver com isso? Vinte e um milhões de buraco que não são pagáveis mas não interessa. Umas centenas de milhar em contas estrambólicas, que importa? O que tem o Jeroen a ver com isto? Ou o Tribunal de Contas? Nada. Os portugueses podem estar descansados, nós tomamos conta do assunto! Havemos de dar umas lições a esses abutres dos credores que são capazes de, a propósito de umas dívidazinhas, fazer para aí uma barulheira dos diabos.

Confiança, amigos, confiança! O futuro é de ouro, pelo menos para nós, o que já não é nada mau.

 

7.4.17

2 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D