Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

PRESIDENCIAL RESCALDO

O PINCHAVELHO

Marcelo lá foi eleito. Do mal o menos. Por cá, o PR é sempre um mal, um cargo universalmente eleito que anda à procura de poder e que, como tem pouco, abusa desse pouco. Exemplos não faltam. O “irrepreensível” Eanes andou para aí a formar governos e, quando perdeu tal poder, aproveitou Belém para criar um partido. O politicão Soares dedicou-se a atacar, desmerecer, perseguir o executivo. O ultra jacobino Sampaio usou o lugar para pôr, via golpe de Estado, os seus (o Sócrates!) no poder, isto quando lhe deu na realíssima gana, sem razão de peso outra que não fosse a oportunidade. Em suma, os Presidentes “de todos os portugueses” estiveram sempre ao serviço de si mesmos ou da sua facção. À excepção de Cavaco que, por institucionalismo a mais, aturou, durante anos e anos, mais do que a força humana deveria permitir, as trafulhices, as màcriações e as deslealdades do Pinto de Sousa - mas não levou a institucional honra até ao fim, isto é, não renunciou ao cargo quando se viu coagido a premiar a desonestidade do Costa.

A Presidência da República, no nosso triste sistema, não passa de um incómodo pinchavelho. Gostava que houvesse um candidato que, jurando cumprir a Constituição que existe, tivesse a coragem, o amor à Pátria, a ombridade, a delicadeza de se propor explicar às pessoas que é preciso mudá-la, ou patrir para outra.

Tal não existe. Para o fundamental não se pode contar com Marcelo.

Eu sei que, entre gente mais ou menos primitiva como é a nossa, a imagem de um “chefe dos chefes” pode ser querida. Então, que se desse poderes políticos, e responsabilidades outras ao Presidente. Como não é carne nem peixe, fica reduzido, ou promovido, à condição de pinchavelho.

 

O GROSSO

Nos concertos pop/rock é hábito deixar para o fim a banda mais famosa, ou mais importante. Na política, até em países menos civilizados, também é assim. Por óbvias questões hierárquicas, por meras questões de respeito, por evidências várias que não vale a pena explicar.

Apesar de tudo, assim se comportaram, ontem à noite, os candidatos mais importantes como os mais cómicos, os chefes partidários da esquerda e da direita. Todos? Não. O execrável chefe do chamado governo esperou que o novo Presidente se pronunciasse para vir dizer a última palavra.

Mais uma grosseria do pior de todos os grossos. Haverá por aí algum jornalista, algum comentador, algum político que dê por isso? Ou já têm todos a ditadura na alma?

 

PASSIONÁRIA, QUASIMODO e TIRIRICA LUSITANOS

 

- Estrabicamente, a menina Mortágua, falha de palavreado, recorreu ao preâmbulo da Constituição. Falhos que são todos os caminhos para ainda mais socialismo, do duro, do real, do já experimentado em tantas e tão desgraçadas partes, a criatura recorreu ao "caminho para uma sociedade socialista" que tal preâmbulo, mercê da incompetência política de gerações, ainda postula. Vade retro!

- O tenebroso Pureza resolveu a equação eleitoral. A primeira coisa que disse, mesmo antes dos resultados, foi que a culpa, supõe-se que de tudo e mais alguma coisa, é de... Cavaco!

- O nosso simpático palerma disse umas graças, fez troça disto, divertiu-se, e sacou uma data de votos. Bem haja.

 

LÉXICO

Dizem as regras da gramática que, ao referir o colectivo, se usa só um género. Pai e Mãe designam-se por “pais”, no masculino. Avô e Avó por “avós”, no feminino. Uma récua é sempre de porcos, mesmo que lá haja muitas porcas. No caso do gado ovelhum, o rebanho é de ovelhas, apesar dos carneiros, o mesmo se passando com as cabras. E não passa pela cabeça de ninguém chamar a um bando de pássaros bando de pássaras.

São regras, talvez mais consuetudinárias que gramaticais. Mas são regras. Ou eram. Ontem à noite não sei quantas dezenas de vezes ouvi dizer, à boa maneira balsemónica, “portugueses e portuguesas”, “todas e todos”, como se ao dizer portugueses se não estivesse a falar deles e delas, ou, ao dizer todos, se não referisse também a todas. No fundo, é a importação da “cultura” da dona Dilma, da Dona Pilar e de outras estrangeiras que andam para aí a intitular-se “presidentas”. Por outras palavras, é a grosseria a institucionalizar-se, ou a ignorância político-gramatical a impor-se.

 

UMA BOA NOTÍCIA

Disse o senhor da Nóvoa, perante delirantes aplausos, que “esta experiência chegou ao fim”. A acreditar, literalmente, em tal declaração, é a melhor das notícias do dia. A não ser que alguma “vaga de fundo” venha a exigir ao dito esquerdoido que regresse, para nos dividir ainda mais, cortando todas as “pontes” entre a loucura e o bom senso.

 

25.1.16

4 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D