Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

QUALIDADE DE VIDA

 

Aqui há dias, estava um belo solinho, comprei o jornal e sentei-me numa esplanada da Avenida da República a beber uma bica. Por lá fiquei hora e meia, li os títulos, fiz as palavras cruzadas, e olhei à volta, ou melhor, à frente. A paisagem é dominada por duas formidáveis realizações da CM do senhor Me.dina, a via única para carros e a tão celebrada ciclovia, a tal que nos vai pôr à frente das “cidades sustentáveis” e dar “vida sã” aos lisboetas.

A via única (nos dois sentidos) é uma maravilha. Ali ao pé de mim, parou um táxi. Lá dentro, um senhor de idade, que deve ter tido um AVC ou coisa que o valha, abriu a porta, mas não foi capaz de a utilizar, isto é, não conseguiu sair. Solícito, saiu o motorista, deu a volta, veio ajudar o passageiro. Tirou a bengala cá para fora, puxou uma das pernas do senhor com todo o cuidado, depois a outra, pôs-lhe os pés no chão, puxou-o pelos braços e, uma vez cá fora devolveu-lhe a bengala e mandou-o em paz. Entretanto, lembrou-se que o velhinho ainda não tinha pago a corrida. Foi atrás dele. O senhor pediu desculpa e pagou com uma nota da cinquenta. Não tendo troco, o motorista foi ao café da minha esplanada com a nota. Após algumas reticências do patrão, lá lha trocaram. Deu o troco ao cliente, meteu-se no carro e... o problema é que, entretanto, havia mais uns trinta carros entupidos atrás dele, soavam buzinas, o cruzamento anterior estava engarrafado, os semáforos eram já inúteis, etc. O motorista do táxi resolveu responder a um tipo que o insultava, foi uma fita para os separar, obra de vários passantes. Tinha passado um quarto de hora, ou mais. Diverti-me imenso com a cena. Uma vez serenadas as coisas, o trânsito voltou a relativa normalidade. Até que... há um tipo que resolve estacionar. Não teria muito jeito para aquilo, nem a manobra é fácil, já a faixa parece ter sido concebida para a dificultar. Trânsito outra vez entupido, mais buzinas, mais nervos, seu azelha, vai tirar a carta, etc., isto em versão delicada. Passada mais esta cena, voltei a olhar pacificamente a avenida. Resolvi ocupar-me com a observação da ciclovia. Assim fiquei mais uma boa hora, desta vez a beber uma imperial para que os funcionários da esplanada não me chateassem. Contei então o número de ciclistas que passaram: um. Para não ficar à espera de outro mais uma hora, fui à minha vida.

No jornal que lia, tive a dita de me debruçar sobre o segundo deslizamento de terras dos últimos dias. Não sei quantos desalojados, casas em perigo, uma chatice, promessas da câmara, etc.

Dias depois, a ponte de Alcântara dava de si. Por acaso não caiu nenhum carro em cima do comboio, o que deve encher de orgulho o peito ilustre do senhor Me.dina. O mesmo no que respeita à cratera Avenida de Ceuta onde, também para dita do mesmo, ninguém se enfiou.

E pus-me a pensar. Quanto custou à CML estreitar a avenida de forma a dar cabo da vida às pessoas, e construir uma ciclovia do lá vai um, quem sabe se à imagem das auto-estradas do Sócrates e do Costa? Não sei quanto, mas foram uns milhões, ai foram foram. Se calhar, com umas centenas de milhar tinha-se fiscalizado e roforçado a ponte, tinha-se consolidado os taludes, tinha-se evitado a cratera, e ainda sobrava muito dinheiro para alguma coisa útil.

Se imaginarmos que, como apregoa a “informação”, o senhor Me.dina e seus rapazes poderão ficar no poleiro mais uns anos, bem podemos lamentar a nossa condição de alfacinhas.

 

24.3.17         

3 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D