Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

SERVIÇO PÚBLICO

 

Ontem, fim do ano, a RTP3, sob a alta direcção do melífluo Teixeira (salvo erro), irritante como a morte, presenteou-nos com um debate, que de debate nada teve, uma vez que se limitou a proporcionar gabarolices várias aos participantes. Eram eles; uma senhora, cançonetista, declarada patriota apesar de só cantar em inglês, que teceu considerações sobre a sua desinteressante vidinha; um humorista, que não tem piada nenhuma e manda mensagens a quem jamais lhe deu o endereço ou pediu informações; um cientista, muito conhecido na TV pelas suas científicas politiquices; um rapaz muito moderno, que produz brinquedos científicos, os quais, ou não funcionam ou criança alguma consegue montar.

Muito bem. Lá disseram de sua justiça, sem esquecer, como é evidente, os elogios a Santo António Guterres, ao Ronaldo, ao Marcelo e ao Costa, como figuras do ano. Muito bem.

Quase no fim, o insuportável Teixeira, depois de declarar que aquele programa não tinha sido concebido para falar de política, deu trela à trela de cada um. Daí, ó espanto, desataram todos a tecer os mais largos encómios à “situação”. A rapariga das cantigas declarou o seu acendrado amor ao Bloco de Esquerda e às respectivas esquerdoidas; o cientista corroborou, acrescentando o indispensável panegírico dos Costas, Marcelos e companhia, coisa que também entusiasmou o humorista sem piada nenhuma; o rapaz da nova economia, mais modesto, alinhou, suponho que para não se arriscar a perder algum subsídio.

 

Aqui temos, claro como a água, o objectivo do inenarrável Teixeira e da RTP: arranjar uma máscara “independente”, profissional e “não política”, para um comício da situação. Para tal foi seleccionado um coro, a quatro vozes, com a garantia prévia de que diriam todas a mesma coisa.

 

A isto se chama, em Portugal, serviço público, independente e pluralista. Faz lembrar o pluralismo da RDA, onde, oficialmente, até havia vários partidos e liberdade de opinião e pensamento. Fantástico.

 

1.1.17

6 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D