Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

UMA CELEBRIDADE

Como é sabido, o saudoso João Soares foi posto a bom recato, por desbocadas razões. Nada se perdeu, dirá quem lê. Se calhar, direi eu, perdeu-se o único membro do chamado governo que nos podia divertir. Os outros, sem excepção, metem medo. Paciência.

Facto é que a sua partida deu lugar ao surgimento de nova criatura, criatura no sentido de que se trata de coisa que não existia antes. Foi criada ad-hoc. Passo a explicar, isto a partir da minha postura de indivíduo antiquado, cheio de vazio no que à alta cultura portuguesa dos nossos dias diz respeito. Castro Mendes era um nome que fazia lembrar um antigo doutor, assitente da universidade, boa e chata pessoa. Não sei se era o pai da nova criatura, mas é a única ligação que tenho a nome de repente tão badalado. De um dia para o outro, um ignorado diplomata que, por razões  mais ou menos esotéricas, passou os sessenta sem ser promovido a full rank, que estava colocado, ou escondido, numa coisa de decadente importância (o Conselho da Europa), que ninguém sabia quem era, transformou-se num dos nossos mais célebres diplomatas, com extraordinária obra a crédito, num eminente intelectual, grande homem de letras, romancista, poeta de extraordinária qualidade, figura cimeira da cultura nacional, etc. Alguns dos seus escritos, pressurosamente reproduzidos na imprensa, dão-nos uma ideia das altas qualidades de de tão distinta personalidade. Será preciso, ou ser um exegeta quântico, ou um membro da intelectualidade mais merecedora de obscuridade, para conseguir encontrar razões para encómios ao ler poemas sem som, sem métrica, sem rima, sem nada que os distinga de prosa menor e social-politiqueira.

Até sou capaz de dar à nova criatura o meu alto benefício da dúvida. Até sou capaz de fazer um esforço para aceitar que, na qualidade de ministro do chamado governo, será melhor que o seu antecessor. Até sou capaz de acreditar que se trata de um gajo porreiro.

Mas, por favor, não venham atirar à cara de cada um com uma celebridade que, como tal, nunca existiu!   

 

19.4.16

4 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D