Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

UMA SUJEIRA

 

Quem tiver olhos para ver repara nas alterações profundas que se têm vindo a operar na chamada “comunicação social”. Ao ponto de, quantas vezes, ser preciso ter tempo e paciência para procurar notícias, ou no estrangeiro, ou em entrelinhas escondidas em recantos malditos dos jornais.

Lembram-se do clamor mediático que se erguia, até há um ano e pouco, sobre a emigração dos portugueses, a braços com a austeridade e com um governo que empurrava as pessoas para fora do país? Qualquer enfermeiro, pedreiro, doutor, que embarcasse na Portela com rumo estrangeiro era entrevistado, ocupava tempos infinitos nas televisões e nos jornais, com lacrimosas despedidas e brutais críticas políticas. Parecia que o país se despovoava, que, a breve prazo, só cá ficavam os velhos e os inúteis. Se os números do desemprego baixavam, era mentira: devia-se à emigração. Lembram-se?

Pois bem, veio a geringonça, e nunca mais houve emigração! Uma maravilha! De repente, pletóricos de confiança, de esperança, cheios de dinheiro, os portugueses ficavam, seguros, contentes e felizes, na Pátria amada. Pelo menos é o que se pode concluir do silêncio sepulcral que os meios da comunicação social dedicam ao assunto. A emigração parou, deixou de existir, já não é precisa.  É  o que nos querem meter na cabeça, via comunicação social, toda ela de rastos perante o poder do chamado governo.

A somar a algumas dicas de jornais ingleses, li outro dia, bem escondido num recanto de um dos nossos, que a emigração de portugueses para Angola, em 2016, foi 32% mais numerosa que em 2015. Isto com Angola em crise, em atrasos de pagamento, a construção a colapsar, etc. Nem uma palavra, nem um “estudo”, nem uma “análise “, nem uma opinião sobre o assunto. Imagine-se, se é assim para Angola o que será para a Europa. Não quero imaginar, nem há dados públicos sobre o assunto. Ou, se os há, estão escondidos nas gavetas dos media.

Não pagarei na mesma moeda dizendo que a baixa do desemprego se deve à emigração, ou à “limpeza” dos ficheiros, ou a outra coisa qualquer. Mas, se querem um aviso, convido-os a desconfiar da maior parte do que é dito e escrito neste país. Uma sujeira.

 

1.2.17

2 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D