Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

TV

O IRRITADO não é feminista nem machista. É o que é: um tipo que não atura nem uma coisa nem outra.

Deixo aqui um apontamento para a reflexão dos leitores. É que testemunha que as meninas das TVs – não sei qual delas ou todas – são (ou serão?) ou machistas ou anti-feministas. Vejamos, por exemplo os programas sobre guerras. De um lado, o “senhor general”, do outro, “a Raquel”, de um lado, o “senhor embaixador”, do outro, “a Diana”.

Estão a ver? Será que as meninas das TVs conhecem a Raquel e a Diana da costura? Será que a Raquel e a Diana não são professoras, doutoras, ou coisa que o valha, ou nem a senhoras, ou senhoras donas, ou só donas, têm direito? Em alternativa o IRRITADO propõe que o senhor general passe a Manel e o senhor embaixador passe a Joaquim. Ou então a camaradas, em comemoração do 25.

Em suma, as fulanas das TVs, forradas de toilettes e de cabeleiras várias, não têm educação, nem própria nem dada pelo do patrão.

 

4.5.24     

EVIDENTEMENTE

Não sei o que é pior, se as declarações de Marcelo, se as duma brasileira com a assento no respectivo governo.

Um pouco de História. Quem ouve as bojardas esquerdistas (e, agora, marcelistas) sobre a escravatura, é levado a pensar que os portugueses, manu militari, invadiam territórios nas colónias, matavam gente, cercavam povoações, etc., para angariar mão de obra escrava.

Sem negar a escravatura, nem a justificar o injustificável, devia haver alguém, mais responsável, ou credível que o IRRITADO, a pôr pontos nos is. Não há memória histórica de tais razias. Os escravos eram mobilizados por negociações dos negreiros com as autoridades locais, sobas, reis do povo, “mais velhos”, e outros com poder sobre as populações. Tão responsáveis como os negreiros são os que com eles faziam negócios em boa paz e harmonia “económica”.

Quem deve a quem? Evidentemente, ninguém. Quem é, hoje, responsável? Evidentemente, ninguém. Quem deve receber “reparações”? Evidentemente, ninguém.

O nosso Presidente está maluco? Evidentemente, pelo menos às vezes.

A ministra brasileira? Essa, deve ser doida de nascença. Então o Brasil, atafulhado de património português, criado pelos portugueses, tornado independente por um Rei português há dois séculos, quer mais? A mulher é doida, ignorante, burra, ou só desonesta e oportunista? É tudo isso e muito mais.

Evidentemente.

 

26.4.24

POLEIROS

O IRRITADO tem estado em silêncio. As circunstâncias da vida, a falta de inspiração, a multidão  de comentadeiros, a abundância de gente a clamar nos jornais e nas chamadas redes sociais (um mar de lixo), tudo leva a que se torne redundante qualquer opinião. O preto, o branco e o nem uma coisa nem outra, tudo se diz e escreve, a atropelar o raciocínio de cada um.

Porquê voltar? Porque esta históris da dona Temido ser cabeça de lista do PS ultrapassou o imaginável. Quais as razões para que esta senhora, conhecida por cantar a internacional no chuveiro, por ter desgaraçado o SNS, por ter acabado com a melhor gestão de hospitais do país, por ter tido que chamar a tropa para as vacinas, por não ter dito, feito, defendido nada de importante, por positivo, se transformou numa star do PS, deputada, candidata à Câmara de Lisboa e, agora, cabeça de lista do partido às europeias? Porquê? Por nada, a não ser por causa da prestigiosa “inteligênca” do P(N)S.

O IRRITADO, da sua humilde tribuna deseja à ilustre cidadã e ao PS o destino que merecem.

Já agora, sublinhe-se a indignação do fantástico Moreira. Então ele, imperador do Porto, indiscutível condotieri de todos os invejosos, ficar atrás de um “puto”, um “mouro”, um irritante palrador? Número dois? Não queriam mais nada?

Hi hi. Apesar dos tempos, ainda há coisas que nos fazem rir.

 

23.4.24

AS VACAS

Já todos fomos avisados sobre o ingente problema  dos descuidos anais das vacas, responsáveis por 0,0002% dos 0,3% do CO2 existente na atmosfera por culpa da humanidade (leia-se do capitalismo). Parece que o BE, o PC, o PS e a turma dos activistas climatéricos concluiram que as vacas estão feitas com o sistema e devem ser abolidas com urgência, não vá o planeta acabar de um dia para o outro.

Consta até que a paspalhona Mortágua vai propor o fecho imediato dos talhos, a proibição da venda de bifes, sobretudo com molho, tornando indispensáveis várias alterações ao Código Penal, de forma a criminalizar com penas graves qualquer infracção. Os matadouros, por seu lado, receberão prémios chorudos por cada vaca que abaterem. Parece que a papuda do PAN também está a tratar deste assunto, mas com alterações, v.g. a abolição dos touros, espécie capitalista que também se descuida e cuja manutenção seria um inequívoco acto de machismo.  

Apesar das nobres intenções da crescente nacional-paspalhice, parece que o povo, de um modo geral, não está de acordo. A esquerda tem já dois think tanks a trabalhar na abolição de tal povo, a fim de acabar com opiniões politicamente incorrectas, isto para não dizer fascistas, homofóbicas, de extrema direita, falocráticas e demais adjectivos da ordem. Há quem diga que o assunto não deixará de ser devidamente apreciado no Largo do Rato.

Isto de haver quem não goste do socialismo deve ser motivo para aplicar medidas como as das vacas. Olaré.

 

23.2.24

COITADINHA DA AVÓ

A avó da paspalhona Mortágua foi metida a martelo na campanha eleitoral. Dada como exemplo da injustiça das rendas, a senhora, calcule-se, é obtigada a pagar e fabulosa soma de 400 euros por mês por um T3 na Avenida de Roma, um bairro degradado, sem infraestruturas, um pardieiro, como devem calcular. Pobre senhora. Verdade se diga: a extremosa neta, preocupada com a situação, denuncia essa exploradora do povo, uma tipa do CDS, que fez uma lei iníqua, destinanda a explorar velhinhas.

Brada aos céus! Desta vez, o IRRITADO, sedento de justiça, não pode deixar de aplaudir. Então não querem lá ver que a legisladora, uma tal Cristas, impôs que a frágil criatura pagasse ao senhorio (ainda por cima uma IPSS) tal fortuna? E mais, que os outros senhorios lá do bairro degradado, cobrassem 1.500 a 2.000 por uma casa igual. Onde pode chegar a injustiça!

São Trotsky nos valha!

23.2.24

JÁ CHEGA!

Estamos a assistir, desde há longo tempo, ao verdadeiro resultado da governação socialista dos últimos anos. Não é só o facto de ser socialista (veja-se essa louca que foi ministra da saúde, que deu cabo dela por motivos ideológicos e continua em alta no partido, veja-se esse parlapatão tipo BE que tomou conta dele, veja-se os herdeiros de sócrates na mó de cima...), é por ter abandonado os portugueses à sua (má) sorte, em banhos de irresponsabilidade e incompetência nunca antes vistos, é por ter dado cabo de quase todos os serviços públicos, da defesa à saúde, da educação à administração pública, é por ter abandonado o investimento - a não ser o “investimento” de €3,2M na TAP  - e a economia.

Parece não haver ninguém, polícias, militares, agricultores, professores, médicos, funcionários judiciais... que não tenha acumulado toneladas de razões de queixa, de abandono, de desprezo. E aí está meio mundo na rua aos gritos de protesto e desilusão. Os tonitruantes do Chega (leia-se no singular, o tonitruante do Chega) banham-se nas águas chilras do mar de irresponsabilidade e incompetência do PS, nas trapalhices do PS (e dos seus líderes – o passado e o actual), nas aldrabicaes do PS, na ineficácia do PS, no desrespeiro do PS por tudo o que não for o poder.

Está-nos a cair em cima o resultado de oito anos disto. Alguém beneficiou com isto? Ninguém. beneficiaram as contas públicas, proclamadas ad nauseam pelo PS. Socialmente, zero. Educacionalmente, zero. Segurança, zero. Saúde, abaixo de zero. Etc.

E é perante isto que ainda há quem vá votar PS! E quem queira dar por garantido que não haverá alternativa, votando Chega!

Que diabo, já chega o que chega, e até sobra!

 

5.2.24    

ESTAMOS FRITOS

- O PAN tem mais poder na Madeira que os outros partidos todos juntos.

- O novo chefe do PS faz promessas tão realistas como as do Chega. Nunca um parlapatão do seu calibre chegou tão alto.

- O PSD não passa da cepa torta. Propõe, mas não faz eco.

-  Os órgãos de “informação”, por cada referência ao PSD/AD publicam cinquenta do PNSantos e quarenta do Chega, que se somam às do seu aliado PS.

- A IL anda a braços com o saco de gatos em que se transformou.

- O PC vai indo para o cano, não há ETAR que lhe valha.

- O BE mantem o discurso de ódio a tudo o que mexe.

- O chamado Livre esbraceja escanchado entre o esquerdismo e a “Europa”.

 - A Justiça mete-se nas eleições, escolhendo o momento ideal para atacar com trezentos fulanos, aviões da tropa (quem paga? quem autoriza?) e circo mediático devidamente treinado e obediente .

É isto o que vemos. E vamos continuar a ver. As luzinhas ao fundo do túnel estão fundidas.   

 

 29.1.24

O IRRITADO VOLTA À BAILA

Dizia-se isto em tempos que já lá vão. Não sei se ainda se usa, se já foi substituído no léxico da novilíngua, já que “baila” devia dizer-se “baila, bailo e baile” a fim de evitar sexismos, coisa do passado. Hoje não há sexos, há “géneros”.  O IRRITADO (que se julgava do sexo masculino) tem dado tratos à mioleira, a fim de saber de que género é. Para além do que o nome diz, é do género chato, gerontocrático, antipático e benfiquista. Dos géneros em voga, o IRRITADO não percebe nada nem tem interesse em perceber.

O que poderá interessar aos que fazem o favor de o ler é dizer que isto é uma tentativa de recomeçar os trabalhos, sem compromisso nem garantia de continuidade.

Para além dos sexos, há muitas outras coisas a caminho da extinção. Portugal é a primeira delas. A Constituição não é “Portuguesa”, é “da República”. Depois de um “preâmbulo” em que nos informa que isso de democracia, direitos, primado da lei, etc, é muito bonito desde que se mantenha o objectivo principal, isto é, que se construa uma “sociedade socialista”.  E assim por diante: logo na primeira linha do artigo 1º, a Constituição informa o povo de que “Portugal é uma República”, como tal o definindo. Definir é marcar os limites. Logo, quer dizer que, quando não era república, Portugal não existia. Seria outra coisa qualquer, Portugal é que não. Oito séculos para o caixote do lixo. Respeitados alguns detalhes, estatuído fica que a tal república, ou é socialista ou sai das “normas”, não presta. Talvez não só por causa disto, mas no glorioso espírito disto, Portugal vem definhando às mãos de um socialismo dito democrático mas meramente determinado em guardar o poder, haja o que houver e doa a quem doer. E dói, antes de mais à inteligência de cada um. A médio ou longo prazo, Portugal, enquanto país, está condenado à  inexistência. Com ele, outras instituições e maneiras de pensar sofrem parecido destino. A família, por exemplo. A honra, o primado da verdade, o sentido de responsabilidade, os valores que se diria perenes, a Informação, mais a Defesa, a Educação, a agricultura, a marinha (militar e civil), a Liberdade económica... Tudo substituído por um burocracia infrene e por um poder que, por avassalador, provoca o desinteresse, a desilusão, o abandono nos braços do que “está”.

A única esperança das novas gerações mora no estrangeiro. É semelhante à dos miseráveis da África negra e do Industão. As características são diversas mas no fundo o fenómeno é o mesmo.

E esta já vai longa. Espero que o IRRITADO não esmoreça sem dizer umas coisas sobre a actualidade.

 

24.1.24  

CONTINUIDADE

Orçamento para 2024

1 – IRS: a partir de 2000 euros mensais, os portugueses são ricos, não merecem consideração;

2 – IRS: os jovens ganham alguma coisinha: os velhos, deficientes, etc. que se lixem, é pagar e não bufar;

3 – As empresas não merecem qualquer sombra de incentivo;

4 – O IVA vai subir brutalidades;

5 – Os impostos indirectos sobem todos, não pouco;

6 – A cobrança fiscal aumenta;

7 – Não há uma única medida destinada a incentivar a economia.

São só algumas dicas sobre o que nos espera. Como diria o Marcelo Caetano, evolução na continuidade. Mais pobreza, mais “autoridade”, menos produtividade, menos exportações, mais cativações (acreditam na promessa?), menos investimento público, menos investimento privado, menos casas, perseguição a quem traz dinheiro, perseguição à propriedade... E ainda há quem diga que o diabo não chegou! Pior: instalou-se e daqui não sai.

 

12.10.23

QUEM GANHOU NA MADEIRA? (uma “análise”)

Os minhocas ganharam um deputadinho cada um. O Ventura também, quatro deputadecos. “Analisando”, perderam todos. Parece que há um que terá dois, mas não me lembro qual.

O que ganhou, perdeu, garantem os minhocas em afinado coro.

Perder, perder, só o PS perdeu, e não foi por pouco. Reconheceu, vá lá. Sem culpas próprias, como de costume: desta vez atirou-as para as costas do candidato, coitado do candidato. O capitão parece que esperava por isto e fez como de costume, assobiou para o ar e foi o primeiro a abandonar o barco. Ou por outra, nem sequer foi a bordo, podia molhar-se.  

A chusma de minhocas, mais o Chega (menos minhoca que os outros), garante as maiores dificuldades para o futuro, seja ele qual for.

O ganhador (que perdeu!) vai ver-se com um ou dois minhocas nos braços. Diz-se que faltou à palavra, que teve mais olhos que barriga, que deu o dito por não dito. Como deu com os pés ao Chega, safou-se de lhe chamarem fascista, nazi, homofóbico, extremista e outros suaves adjectivos da nova moral. O chefe dele aproveitou para meter o Chega nos varais, o que talvez dê certo no futuro, ainda que não cale a berraria dos minhocas cá no rectângulo. Tenha cão ou não tenha.

Entretanto, o PS continuará a dar, ou prometer umas esmolas. Chegou ao ponto (a “bem” dos dinheiros públicos) de se deixar ultrapassar pelos patrões em matéria de salários! Console-se o povo ignaro, para o ano há eleições, mais umas esmolas virão entreter o pagode (os patrões não vão a votos). As contas vão ser uma maravilha, devidamente medinadas. A malta, contente com as esmolinhas, não faltará à chamada.

No fim da história, tudo ficará pior, and counting.

Nota: este post é um chorrilho de disparates, dirão os comentadores, se os houver. O que nos safa de chorar é rir, mesmo que o riso seja amarelo.

 

25.9.23

ESTATUÁRIA

Não faltam mamarrachos por este país fora. Muitos deles, espalhados pelo país, estarão sujeitos ao nojo de uns e à admiração de outros.

Há uma data de anos, era o IRRITADO deputado independente (lista do PSD) na assembleia municipal de Lisboa, fez uma intervenção sobre o cutileiral falo que sobre nós mija no alto do Parque Eduardo VII. A oposição, em bloco, chamou-lhe os piores nomes. Aquilo era um símbolo da liberdade(?), da democracia(?), do bom gosto(!), o orador não passava de um protofascista encapotado, inimigo da cultura e digno de outros mimos ainda hoje desgraçadamente em voga. Os que não eram da oposição fizeram um sorriso amarelo... coitado, este gajo é parvo. Rabo entre as pernas, o IRRITADO não falou mais no assunto.

Com a vinda do Papa houve uma polémica dos diabos por causa do hediondo mamarracho. Tira-se, põe-se, não sei no que acabou, mas parece que vamos continuar com aquela coisa a ofender o local mais nobre da cidade.

Eis senão quando, mais de vinte anos depois do discurso do IRRITADO, dona Clara Ferreira Alves, numa das suas diatribes semanais, se mostrou, ó espanto, ofendida com a coisa, tecendo-lhe considerações quiçá mais violentas e certamente mais talentosas que as dele.

Aqui fica uma saudação à coragem da senhora, na esperança que não venha a ser objecto dos adjectivos a que este escrevinhador a seu tempo foi sujeito.

Bem não ficaria se não aproveitasse para elogiar o antipático presidente do Porto pela sua justa revolta contra a porcaria com a qual a cidade “homenageia” Camilo. Fascista, pelo menos, será o que a esquerda lhe vai chamar, ou já chamou.

18.9.23

O PRESIDENTE ESTÁ BOM DA CABEÇA?

No Quebec, o nosso bem-amado Presidente teve duas saídas dignas de nota.

Perante o decote generoso de uma orgulhosa Maria, comentou que tal generosidade lhe podia provocar uma gripe. Quer dizer apreciou, prazenteiro ou desejoso, as protuberâncias mamárias da senhora e não resistiu a uma piada que, em tempos modernos, se pode facilmente classificar como assédio sexual e que, noutros tempos, se chamaria falta de educação ou piada de mau gosto, classificação que, uma vez aplicada a um dito do Presidente, só pode ser atribuída a cretinice ou falta de juízo.

Não contente com o evidente sucesso desta abstrusa manifestação, Sua Excelência repetiu os sintomas. Noutro sítio, a posar para uma fotografia com populares, perguntou se uma cadeira aguentaria com uma apoiante de notável peso, senhora que antes se diria gorda, e hoje obesa, que é mais bonito e está a dar. A cadeira era de plástico, mas aguentou. As pessoas, dado tratar-se do Presidente, dito de todos os portugueses mas só da República, também aguentaram, que remédio.  

Em conclusão, legítimo será pensar que aos serviços da presidência devia ser acrescentado um psiquiatra.

 

18.9.23

MOEDA PÉSSIMA

O IRRITADO, por razões que pede escusa de referir, tem andado numa pausa, não diria moribunda, mas certamente preguiçosa, ou paspalhona. Desculpas são devidas aos poucos que o têm seguido pelos anos fora.

Então, meu palerma, mergulhados que estamos, e cada vez mais, na polcilga da nossa política, não há nada que te irrite? A resposta é: há, talvez mais do nunca. Mas é tanto, que, visto o que se vê, por onde começar? Por que ponta pegar?

O livro do Cavaco excitou o IRRITADO até mais do que os comentários ao silêncio do Costa no Conselho de Estado, coisa que fez correr rios de tinta, mas que tem a mais simples das explições: o fulano deu largas à sua natureza de labrego, e pronto. Não é novidade. Tinha escrito umas coisas sobre o assunto, mas achei que o blog não merecia entrar em tal esterco.

Já a cavacal literatura merece umas bocas. Não pelo que lá está mas pelo que motivou.

Porque será que as hostes das ratazanas do Rato e os seus muchachos opinativos entraram em histeria colectiva? Porque é que um político, por sinal o maior triunfador eleitoral da história da III República, anos e anos depois de retirado provoca tamanha e tão tremebunda onda de declarações, qual delas mais estúpida? Será que a estupidez é a mais importante característica do poder em vigor? Talvez. Olhem, por exemplo, o “pacote da habitação”: haverá maior prova?

A tremebunda excitação tem sido oceânica. Não há bicho-careta que não se erga, ou baixe, em condenações. Porquê? direi que por compração. Olham-se ao espelho, veem o que aconteceu, e não aguentam. Gente que não foi capaz de uma só reforma, de uma decisão com pés e cabeça, de um resultado positivo com alguma profundidade, de cumprir uma promessa, de dizer uma verdade consequente, gente que vive isolada em si própria com o único objectivo de conservar o poder, por podre que se revele, que engana sem escrúpulos, não aguenta que Cavaco lhes esfregue nas fuças os seus anos de governo.

Permitam-me duas franquezas. Nunca fui simpatizante da pessoa de Cavaco, nunca lhe achei graça, e até testemunhei não poucas atitudes suas pouco dignas da elogio. Mas testemunhei também que os dez anos de governo do homem foram os melhores, em termos de avanço social, da democracia portuguesa. É sabido que a democracia liberal não é garantia de riqueza ou de progresso social e económico. Mas também é verdade que o ideal será juntar as duas coisas. Cavaco fê-lo, e teve tempo para tal. O país de 1985, dez anos depois, tinha mudado de cara, tinha progredido, era outra coisa, bem melhor, e sustentável, como ora se diz. Não é preciso grandes estudos, nem números, nem opinões “abalizadas” para o provar. Via-se. Viu-se. Para o caso, é o que interessa.

A cáfila de hoje, carregada de dinheiro que mete num chinelo o que Cavaco foi buscar, o que fez foi empobrecer o país, dar cabo dos serviços sociais (sem excepção!), do funcionamento da administração pública, da esperança colectiva, tornou os portugueses apáticos, à espera de mais uma esmolinha. À semelhança do governo, diga-se.

Quando Cavaco, com todos os seus defeitos, apesar da sua antipatia socio-cultural, diz o que pensa, com todo o direito a fazê-lo, as hostes poderosas entram num frenesim cretino, condenam o que deviam elogiar, dedicam-se a anatemizam um passado que as envergonha, no fundo pondo a nu a sua própria e tão contraproducente inutilidade.

Os fiéis herdeiros de Sócrates, em vez de vergonha do seu passado recente, e indecente, dedicam-se a condenar outro passado, mais logínquo, mas decente. Juntam à estupidez a arrogância. Se a “má moeda” (é pena) era do Cavaco, esta, péssima, é do Costa.

 

17.9.23  

PARA REFLECTIR

PARA REFLECTIR

Não sei se já contei esta. Mas aí vai. Há muitos anos (uns quarenta), era a Irlanda (ainda) quase tão pobre como nós, um amigo meu lá do sítio, quando lhe perguntei quantos partidos políticos por lá havia, respondeu: “há para aí uma dúzia, todos à direita do centro, mas nenhum extremista ”.

Para quem procura motivos para o ciclópico avanço da Irlanda em relação a nós (e a muitos outros), e para o nosso monumental atraso, aqui deixo, para uma reflexão independente, a frase do meu amigo.

 

17.8.23

MILAGRE?

Durante o consulado da geringonça, o chefe Costa declarou que jamais entraria em conversas ou negociações, muito menos acordos, com o PSD. Esta atitude rasca, foi mantida com os necessários requintes de malvadez. A esquerda era tudo, o diálogo social e político era coisa “interna”, couto dos três da vida airada.

Esta miserável atitude foi mantida com a maioria absoluta, com excepção dessa inacreditável asneira do PSD que foi o acordo para a fundação da ridícula, ineficaz e contraproducente comissão para o “estudo do novo aeroporto”, coisa que viria a transformar-se, para além de ridícula, no inacreditável saco de gatos que o PSD tarda em denunciar.

Quanto ao resto, zero. Auxiliado por uma autêntica alcateia de media servis e de “pensadores” engagés, o governo ignorou tudo, mas tudo o que o PSD foi dizendo ou propondo.

Eis senão quando, o PS acordou, os seus parceiros de eleição (PC+BE) acordaram também. Com eles, a alcateia dos media et alia. Ao contrário do que aconteceu às ideias avançadas pelo PSD sobre a saúde, a educação e outras matérias, desta feita a algazarra substituiu o silêncio, e é gigantesca. É que Montenegro decidiu meter-se na área sagrada dos impostos, alicerce primeiro do poder do PS. Que ousadia! Que topete! As hostes do socialismo maioritário estremeceram. Qualquer redução de impostos (mesmo pequeníssima, parcelar e incompleta como a formulada no Pontal) veio tirar ao totalitarismo fiscal do PS & Cª a iniciativa de uma mexida na fortaleza do monstro.

Coitados, eles que já estavam a montar o palco, com foguetes e charamelas, para uma reduçãozinha de impostos a meter no orçamento, viram-se ultrapassados pelo PSD. Foi demais!

Milagre? Não. Uma invasão do santuário fiscal da esquerda.   

 

17.8.23

O CAMINHO DO PSD

Há muitos anos, Mário Soares classificou os partidos em democráticos (o PS, o PSD, o CDS e o PPM), daí se retirando a conclusão que os demais democráticos não eram.

Segundo a nacional-esquerdalhada que manda em nós, o PC, antigo dependente do PCUS e hoje apoiante do Putin e feroz inimigo da UE e da Nato, o BE, formado pelos trotskistas do PSR, pelos albaneses/maoistas da UDP, pelos neo-comunistas do falecido Portas, e agrupando toda a tralha do pretérito ultra-esquerdismo à excepção de umas franjas sem significado, são, no discurso do PS/Costa, partidos que entraram no processo democrático, merecedores de toda a confiança e acérrimos democratas. Para tal não tiveram que mudar de ideias, só de ficar à espera de acabar com a democracia liberal (servindo-se dela) e de montar um esquema do tipo cubano, venezuelano ou norte coreano. O BE, grande admirador do Tripas/Falhoufakis e de outras inflorescências da miséria radical de esquerda, bem como os seus parceiros do PC, chegaram ao ponto de se associar ao novo e ultra-poderoso socialismo, ainda dito democrático. Zangaram-se, mas espreitam nova oportunidade de associação, rodeados que estão de indefectíveis adeptos dentro do PS, que pontificam às ordens do Pedro N. Santos, do Galamba e da nova estrela Alexandra Leitão, entre outros. Há ainda no PS, reconheço, alguns adeptos do pretérito soarismo, mas dizem umas bocas, às vezes acertadas, mas não são ouvidos nem tidos nem achados na organização a que pertencem. Os antigos não democratas estão, como se diz na gíria da esquerda e dos seus fiéis media, “integrados na democracia”. Fica de fora o Chega, tenebrosa organização ultra fascista que não se “integra” nem pode integrar-se. Quanto ao IRRITADO, é verdade que não se integra, mas também é verdade que, se o socialismo em vigor fosse democrático, tanto podia integrar-se o Chega como os outros.

Daqui, o drama do PSD. Já se sabe que, se propõe alguma coisa que se veja, tal coisa é calada pelos media, ignorada pelo poder e condenada à morte na praia sem, sequer, direito ao funeral da “comunicação”. O PSD está condenado a ser parceiro do Chega, diga o que disser, faça o que fizer. Tal “verdade” está adquirida e faz fé.

Nesta floresta de enganos, que deve o PSD fazer? É simples: ir buscar votos onde eles estão, ou seja, à área da abstenção e à daqueles que votam ora PS ora PSD. Ao Chega é que não. E atirar-se às canelas do PS (motivos não lhe faltam) e provar que, no que interessa às pessoas, não é, comprovadamente, nem pelos caminhos do PS & Associados, nem pelas bocas do Ventura, que se chega. Nem precisa de o dizer, só de o fazer sentir.

Não sei que raio de consultores de imagem aconselham o Montenegro. Mas sei, como acima digo, que é ao centro, não à direita, que estão os votos que o PSD pode conquistar para acabar de vez com a trampa em vigor.   

 

5.8.23

MAIS MEDINICES

O ano 2023 arrancou com 1242,1 milhões de euros de despesas cativadas, o montante mais elevado desde 2019. E até maio quase 80% permaneciam bloqueados, o que compara com perto de 90% na mesma altura de 2022

Julgo que tirei isto do “Expresso”. Se foi doutro, as minhas desulpas. É uma boa citação para ajuizar das intenções do Medina. É que, a manter-se esta tendência, chegaremos ao fim deste ano com a maior montanha de cativações de que há memória.

Nem os burros acreditam no que o Medina diz.

 

5.8.23

CRAVINHICES

Não chegam os dedos das duas mãos para contar as trapalhadas em que o Cravinho está metido. De assinalar, com júbilo socialista, é que o homem não sabe, não sabia, não faz nem fazia ideia de nada, tudo lhe passou po baixo, ou por cima, ou pelo lado, não é culpado seja do que for ou participante seja no que for de menos recomendável. Qualquer crítica ou opinião deve apontar para outros que não (jamais!) para Cravinho. Ele é alheio a coisas chatas.

É assim há anos, com Cravinho e com os outros, a começar pelo chefe. Tudo o que está errado ou corre mal é mais provável que o culpado seja o Dom Fuas ou a Maria da Fonte do que do impecável governo que temos.  Cravinho mais não faz que seguir as NEPs do partido.

E temos pela fente mais dois anos disto!

 

30.7.23

OS MILHÕES DA JMJ

Anda para aí um clamor dos diabos contra os 30 milhões de dinheiro público aplicados na jornada católica.

Uma pequena conta:

Partindo da previsão de um milhão de participantes na coisa, supunhamos que cada participante fica por cá 4 dias e que gastará, em média, 25 euros por dia, ou seja, deixa 100 euros no total, o que é um mínimo aceitável. Assim, teremos a entrada de uns 100 milhões na economia, dos quais pelo menos 23 irão para o cofre do Medina. Além disso, recupera-se uma zona degradada em Lisboa e Loures, com evidentes consequências positivas para o país em termos de futuro.

Ao contrário do que acontece com eventos “musicais” onde a histeria colectiva se repoltreia, a JMJ é exportadora e não importadora, o que contribui positivamente para a balança.

Digam-me com razão que só a recuperação do Parque Eduardo VII vai custar um balúrdio, assim como a limpeza da cidade em geral. Não me digam é que o dinheiro nos sai do bolso. Quaisquer contas levarão à conclusão contrária.

 

30.7.23

MEDINICES

Com a indispensável pompa e larga presença nos media, o mui ilustre Medina veio anunciar à grei que “no orçamento de 2024 não haverá cativações”. De um modo geral, a opinião publicada foi ou de aplauso ou de esfusiante alegria.

Duas pequenas observações:

Que o IRRITADO saiba, as cativações não constam do orçamento. São truques para disfarçar os falhanços do dito. Em tempos mais honestos, aprovava-se orçamentos rectificativos. Tal coisa faleceu às mãos do Centeno e do Medina. Cativar era mais fácil, não dava chatices parlamentares, demoras escusadas, as despezas continuavam nos orçamentos mas eram fogo de vista. Se fosse preciso, cativavam-se. O que, quando muito, poderia ser excepção, transformou-se em prática corrente e generalizada.

Talvez que o que o Medina quis dizer (demos-lhe o imerecido benefício da dúvida) foi que, durante a execução do OE de 2024, se absteria de fazer cativações. Assim, cativou os ignaros e fez a sua propaganda. Tudo bem. Em 2024 logo se vê.

Cá estaremos para ver se a propaganda corresponde a alguma verdade, o que há muitos anos não acontece.

 

30.7.23

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2006
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub