Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

DA BAGUNÇA E SEUS AUTORES

No meio da tempestade de comentários, opiniões, condenações, desculpas, etc. motivados pela festa do Sporting, avulta, desde logo, a mui original análise do senhor de Belém. Teve ele a amabilidade de comunicar que a culpa é dos cidadãos. Uma originalidade presidencial? Nem por isso.

Na óptica das nossas atenciosas autoridades, a culpa é sempre dos cidadãos. Não há culpas para mais ninguém: o MAI é um herói, o primeiro-ministro também, as claques são uma maravilha, a bagunça uma coisa normal. Inquéritos para quê, contra quem? Nem pensar, com uma uma excepção: os polícias que levaram pancada e a retribuiram.

Os que impedem os adeptos de ir aos estádios não merecem inquérito nenhum.

O governo, esse, está acima de tais coisas, só merece elogios. Os epidemiologistas, quejandos e afins, merecem crédito, estão sempre certos, quer digam que é preto ou que é branco. Os telejornais também. Tudo malta fixe, impoluta, cujas ordens e notícias são indiscutíveis.    

Por toda a parte há normas de “afastamento”, imposição de máscaras, frasquinhos de desinfectantes, invasões armadas, as mais rebuscadas e, quantas vezes idiotas imposições, atropelos aos direitos de cada um. A Constituição – no que tem de bom – está em farrapos, instituída que foi a carneirada obrigatória que, no parecer de não poucos, é ensaio geral para o estabelecimento de uma “nova autoridade”, de um novo conceito de democracia e de direito, a dar razão aos profetas do Big Brother.      

Ainda não li, embora admita que haja quem fale disso, alguma coisa sobre o fundamentalismo que impõe estádios vazios. Cumprindo as regras da ditadura sanitária, há quem encha “estádios” – a Igreja e o PC, por exemplo. No futebol, zero, não porque os clubes se não proponham respeitar as regras (fila sim fila não, lugar sim lugar não, ou coisa que o valha), mas porque aquilo a que soe chamar-se “autoridade” não deixa. Na certeza de que, quando há “azar”, a culpa é nossa.

Não, os lagartos não podiam ir ao estádio, ainda menos podiam ocupar a rotunda do Marquês. Metessem-se onde quisessem, para cumprir as ordens das “autoridades”. Meteram-se, nas ruas, nos becos, nas árvores, nas estátuas, nas escadas, à volta do estádio, entraram em fúria, arrombaram as redes que os “protegiam” do covide. Para tal protecção, dezenas de milhares de pessoas foram enlatadas umas contra as outras sem qualquer sombra de “segurança sanitária”. A culpa é delas? Com todo o respeito pela presidencial opinião, a culpa é do governo que, mergulhado num oceano de estupidez, não sabe o que faz, limita-se a alardear “autoridade”. E do Presidente, que lhe dá apoio e crédito.

 

13.5.21

1 comentário

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub