Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

O FUTURO DA EUROPA

 

 
Vale a pena reflectir um bocadinho sobre a triste história do referendo irlandês.
Quando a CEE se tranformou em UE, era de esperar que tal correspondesse a um movimento que viesse a consubstanciar-se em instituições políticas. Por outras palavras, esperar-se-ia que os estados europeus compeendessem que, num mundo multipolar, como se diz agora, ou a Europa se constitui em polo, ou verá fatalmente reduzida ou aniquilada a sua influência global e comprometido o seu futuro.
No plano da defesa, por exemplo, desde Kennedy que a Europa é chamada a constituir o “pilar europeu” da NATO. A resposta dos poderes europeus a este desafio saldou-se numa diminuição drástica do investimento na defesa, num atrazo tecnológico brutal em relação ao seu parceiro americano e numa dramática dependência externa, como tão bem ficou demonstrado na antiga Jugoslávia.
Mais grave, a Europa entreteve-se na criação de semi-instituições políticas, como o parlamento europeu, um parlamento que se divide por nações e que não corresponde a um universo eleitoral europeu que ninguém se preocupou, nem preocupa, em criar condições para que venha a existir.
É certo que se criou um mercado único, a moeda única, que se abriu as portas à circulação de pessoas e de capitais, etc. Mas, politicamente, a Europa não mexeu um milímetro. Continua prisioneira das soberanias nacionais, os novos países quiseram entrar para benficiar dos orçamentos e dos mercados dos demais, para se ver defendidos em relação à Rússia, sem a mínima sombra de ideal europeu.
 
O Tratado de Lisboa significava um primeiro passo para dar à Europa a capacidade de decisão que não tem. A instituição das decisões por maioria, ainda que qualificada, e a criação de uma direcção política estável são, a meu ver, dois passos gigantescos para um futuro menos negro.
Mas o Tratado ficou prisioneiro das regras que a UE  aceitou para a sua aprovação. Os irlandeses, vítimas da infrene demagogia de um milionário qualquer e da estupidez do primeiro-ministro, votaram Não ao tratado. O resutado é que 26 governos legítimos, representado cerca de 98% dos cidadãos da UE, vêm gorado o caminho do futuro por meia dúzia (menos de 1% dos eleitores europeus) de enganados.
Dir-se-á, com alguma razão, que seria difícil fazer com o Tratado de Lisboa o mesmo que se fez com a adesão ao euro, isto é, adere quem pode e quer, suportando as consequências da não adesão, ou seja, criando-se um estatuto especial para quem ficasse de fora, desde que, como é evidente, uma maioria importante, aderisse. Como foi o caso.
 
A Europa vai continuar prisioneira da Irlanda por muitos anos e maus. A neutralidade irlandesa, em si uma violentíssima negação da solidareiedade europeia, as absurdas histórias do aborto e outras parvoíces do género, continuarão a ser alimentadas pela mesma gente, financeiramente mais importante que o Estado em matéria eleitoral, as complicações políticas de um governo incompetente continuarão a fazer-se sentir e, lá para o fim de 2009, tudo continuará na mesma.
 
A ideia que fica é a de que, à excepção dos esforços de Sarkozy, não há líderes europeus à altura de pôr em acto os ideais que criaram a UE.
As consequências de tudo isto vão ser devastadoras. Mais do que a crise financeira e económica, será a inexorável perda de influência global da Europa e dos restos de respeito que os demais ainda terão por ela, o que virá a acabar com o sonho, ou com a ilusão, de uma Europa forte, rica e democrática.
 
14.12.08
 
António Borges de Carvalho
 
PS. Agarrado à barriga, doido de alegria, o senhor Rosas, rebento esquerdista do salazarismo, representante de um partido comunista, congratulava-se há dias, na televisão, com o resultado do referendo irlandês. Onde pode chegar a cegueira e a fúria destrutiva de certa gente, é coisa que não vale outros comentários.

Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D