Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES


Diálogo entre um ministro da educação e o bigodes:


ME – Vamos avaliar os professores.

B – Sim senhor, os professores têm que ser avaliados. O problema é que sempre foram.

ME – Pois, mas as avaliações eram uma fantasia.

B – Então diga lá.

ME – Vamos avaliar através da performance dos alunos.

B – Nem pensar! Vamos para a greve!

ME – Então vamos usar o critério da assiduidade.

B – Isso era o que você queria! Vamos manifestar-nos!

ME – Então vamos por... amostragem.

B -  Isso é descriminação. Grande manifestação nacional, já!

ME – Bem, vamos lá a ver...

B – Não há nada a ver. Este diálogo não serve para nada. Demissão do ministro, já!

ME – Avaliaremos de outra maneira qualquer.

B – Demissão do governo! Greve geral!

ME – Você não quer é nenhuma avaliação!

B – Pelo contrário, estou a avaliá-lo! Greve geral, já disse!

ME – Então, e os contratados que querem voltar ao trabalho? Não se avalia?

B –Nem pensar! Trata-se de gente altamente qualificada!

ME – Ai sim? Como é que sabe?

B – Eu cá sei tudo. Você é que não sabe. Experimente e vai ver a malta na rua, indignada e feroz!

ME – Isso é pura política, não tem nada a ver com o ensino.

B – Nem pensar. Os professores são quem mais se preocupa com a qualidade do ensino. E você quer dar cabo do ensino público, quer dar cabo dos alunos e não pagar aos professores.

ME – Populismo do PC?

B – PC, eu? É só às quartas e sábados! Você é mas é um fascista! Vou reunir com a Direcção e decretar mais umas manifestações, que é o que você anda a pedir!

ME – Olhe, e se a valiação for só para professores com menos de cinco anos de prática?

B – Quem come disso é a UGT, fascistas como você! Abaixo o ministro, abaixo o governo, abaixo tudo o que mexe, o povo vencerá, vocês vão ser arrastados na valeta, ha, ha.

ME – Bem, então façamos uma tentativa de compromisso...

B – Compromisso? Tá doido? Compromisso? Eu não faço compromissos, os meus compromissos, aqui of the record (como vê até ando a prender inglês), são com o Comité Central, ha, ha.

ME – Então, não há nada a fazer, não é?

B – Of the record, você, que raio, ainda não percebeu? Greves, manifestações, barulheira, a maralha às minhas ordens, seu palerma, seu nabo.

ME – Mas você, lá fora, diz que quer dialogar, negociar...

B – Então o que é que você queria? Que dissesse a verdade? Dizem que você é um matemático de alta competição, mas é muito mais ignorante que eu, que nunca tirei nenhum curso e só fui, há muitos, muitos anos, professor de trabalhos manuais num escola básica.

ME – Mas eu pensava...

B – Quero lá saber do que você pensava, seu nabo! Esse género de coisas é muito mau para o Relvas e para o Sócrates, a mim não afecta porque tenho o alto patrocínio do Comité Central!

ME – Bem, então até qualquer dia.

B – Está a mandar-me embora?

ME – Se quiser dormir no sofá aqui do gabinete, sirva-se. Mas acho que já chateou o que tinha a chatear.

B – Aí é que você se engana. Tenho ali à porta a RTP, a SIC, a TVI, O DN, o JN, o CM e os outros todos que não perdem uma palavrinha do que eu lhes digo e me dão a cavalaria que muito bem entendo. Olhe, greves no dia 20, 21, 22, só para falar na semana que vem. Oito manifestações em diversas capitais de distrito, 22 invasões da gabinetes, 84 sessões de apupos programadas, e ainda vai haver mais, muito mais.

ME – Pronto, homem, vá lá à sua vida. Já percebi.

B – Porra! Custou!

 

1.12.13

 

IRRITADO

VIANA DO CASTELO


Há coisas que fazem uma confusão dos diabos. Nesta história maluca dos estaleitros de Viana do Castelo, coisa que vem ocupando as meninges de toda a gente, onde estará alguém que se debruce sobre esta tão simples questão: porquê?

Porque estão os estaleiros falidos, porque não têm trabalho?

Ainda não ouvi ninguém falar na bronca do navio dos Açores, a não ser para dizer qual foi o prejuízo e quanto custa a manutenção do elefante. Parece que os culpados da situação fizeram muito bem em não comprar o navio! É preciso lembrar que o sinistro senhor César, condotireri socialista da altura, mandou cancelar a encomenda com base no facto, talvez real, de a velocidade de ponta do navio ser inferior em dois nós em relação ao contratado. Nada de negociar, nada de exigir um desconto. Cancelamento, e pronto! Como por encanto, os Açores já tinham, tudo indica, contratado navios gregos, por importâncias astronómicas, para fazer os transportes que o “Atlantico”, apesar de diferença de dois nós, faria mais depressa. Legítimo será pensar que a tramóia estava montada. Porquê? Para quê? Não se sabe. Perguntem àquele tipo que anda para aí a descobrir corrupções por tudo quanto é sítio. Talvez ele saiba alguma coisa...

Ainda não ouvi ninguém perorar sobre as “esperanças”, ou os negócios “firmes” celebrados pelo governo socialista com o falecido camarada Chávez. Então ele não comprava o navio? Então ele não encomendava asfalteiros aos molhos? Então não bastava um gesto do tirano para resolver tudo?

Ainda não ouvi ninguém apontar espingardas aos cancelamentos das encomendas de lanchas de vigilância para a Marinha. Então já não são precisas? Não há dinheiro para elas? Ninguém sabe ao certo os porquês.

Não será possível obrigar, ou condenar os Açores, coisa caríssima mas mais discreta que a Madeira, a receber o navio? Não será possível apontar os dedos aos culpados? Com o parlamento permanentemente afogado em inquéritos, porque não há um só partido, mesmo dos mais gritantes, que proponha um inquérito ao caso “Atlântico” e aos alugueres de navios aos gregos?

Não será possível indagar o que havia de real nas promessas do Chávez, salvificamente anunciadas ao país com as parangonas próprias do engenheiro relativo? Era tudo mentira? Havia alguma coisa escrita que comprometesse o tarado a cumprir? Ou era tudo “bocas” propagandísticas?

 

E agora? Agora, o governo, que não é vendedor de navios nem percebe nada disso e ainda bem, resolveu entregar aquilo a um grupo privado. OK, dando de barato a prova da solidez de tal grupo, que há quem ponha em causa. Os tipos parece que querem a coisa “limpa” de pessoal, contratando em seguida 400 dos 620 trabalhadores. Num empresa tão antiga, não parece difícil reformar 220 pessoas. Também não parece demasiado difícil que o contrato dos outros 400 seja, obrigatoriamente, celebrado em simultâneo com o “despedimento”.

Parece que os tipos prometem contratar, a prazo, uns mil trabalhadores. Haverá que verificar as bases de tal promessa, bem como a garantia da ocupçãodos 400 que ficaram.


Deixemo-nos de fantasias. Os estaleiros naufragaram vítimas de clientes abusadores, como o governo dos Açores, de “clientes” aldrabões, como o Chávez, de um governo aldrabão e de um Estado teso. O resto é conversa.


Os senhores da Martifer são credíveis e têm clientela credível na manga, ou não têm? That’s the question.

 

4.12.13

 

António Borges de Carvalho


ET. Afinal, havia uma comissão parlamentar a tratar do assunto, e o IRRITADO não sabia! Mas, ouvidas as distintas personalidades de tal comissão, concui-se que ninguém está interessado em saber os porquês. 5.12.13

Pág. 2/2

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D