Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

COITADINHA!

 

A nossa amiga Ângela, a fazer ski (que descoco!), deu cabo do pélvis. Deve ter sido vencida pelo peso do trazeiro.

Boas e rápidas melhoras, deseja o IRRITADO à excelsa senhora. E se, como diz o povo, há males que vêm por bem, deseja igualmente que aproveite uns dias no hospital para pensar no que anda a fazer e ganhar juízo.

 

6.1.14

 

IRRITADO

MUITA PENA

 

Com toda a consideração e muita admiração pelo Eusébio, o IRRITADO, mesmo sendo benfiquista, acha isto tudo um exagero!

 

6.1.14

 

ABC

SEGURANÇA RODOVIÁRIA

 

Vivemos num mundo de faz de conta. Faz de conta que vem aí a gripe das aves, faz de conta que vêm aí as vacas loucas, faz de conta que é preciso comprar Tamiflu, faz de conta que a Terra está a aquecer, faz de conta que a culpa é nossa, “cientistas” das mais diversas áreas debruçam-se sobre problemas que não existem mas dão fama e dinheirinho, governos legislam, regulamentam, proibem, sancionam, perdem tempo... e tudo minha gente acha muito bem, amocha, que remédio – politicamente correcto oblige –, as mais diversas patacoadas, mentiras e oportunismos entram nos costumes como se fossem a última das verdades.

 

Por cá, por exemplo, inventou-se a absoluta necessidade de pôr o indígena a andar de bicicleta. E, para gáudio das mais puras almas, arranja-se maneira de fabricar mais umas multas, umas coimas e outras caras fantasias para “proteger” o ciclista.

Põe-se os ciclistas a andar lado a lado na estrada, e os carros a ter que guardar a prudente distância de metro e meio se quiserem ultrapassá-los. Faça-se uma pequena conta: o ciclista do lado de fora, prudentemente, anda a 50 centímetros da berma, o que, acrescentada a largura da máquina, dará mais ou menos um metro. Some-se a distância ao ciclista companheiro, mais 50 centímetros, e mais a largura deste, 50 centímetros, um metro e meio de distância para a ultrapassagem, e vamos em três metros e meio. Se somarmos a relativa instabilidade dos veículos a pedais, quatro metros não é estimativa irrealista. O resultado é que, em grande parte das estradas do país, para ultrapassar os dois ciclistas será preciso usar a valeta do lado esquerdo, o que não é lá muito prático. Em alternativa, poder-se-á viajar a 20 quilómetros à hora, ou a 5 nas subidas, durante o tempo que for preciso, ou até que o ciclista da esquerda tenha a amabilidade de se pôr atrás do parceiro, delicadeza pouco comum na classe. Há outra alternativa que me parece a mais provável: atropelar o ciclista da esquerda e dar às de vila diogo, o que não é curial mas apetecerá a muita gente.

Imagine-se agora os nossos dois ciclistas a subir, corajosamente, a Avenida da Liberdade. Como a faixa da direita é bus, terão que viajar, lado a lado, pois então, numa faixa mais interior, o que, como é evidente, muito deve contribuir para a sua própria segurança e para o descanso espiritual dos automobilistas, que têm mais que fazer que andar a pedais. Os eco-viajantes entram na Rotunda, a fim de se dirigir à Joaquim António de Aguiar. Segundo as regras ora em vigor, não poderão ir pela direita, terão que ir preparando a saída, para o que viajarão entre faixas, da esquerda para a direita. O que quer dizer que terão que atravessar o trânsito, entre automóveis, autocarros, etc.. Mais um contributo que os intelectuais da especialidade dão à segurança rodoviária em geral e à dos ciclistas em particular.

 

Daqui a uns tempos, as estatísticas dirão que morreram na estrada e na rua mais ciclistas que habitualmente, que há mais tipos presos por homicídio por negligência, que a receita em multas aumentou trezentos por cento, que o aumento do consumo de calmantes e de anti depressivos foi exponencial entre os condutores e que os casos de stress e de paranóia nervosa dos ditos conheceu o maior boom dos últimos cinquenta anos.

 

É evidente que o IRRITADO não é competente para imaginar soluções para problemas que, numa óptica de senso comum, as novas regras só podem agravar. Na rotunda da Étoile, em Paris, talvez a mais caótica da Europa, o senso comum descobriu a solução para os “toques” que todos os dias lá se dão: a responsabilidade é sempre fifty/fifty. Aqui está um exemplo de solução inspirada pelo senso comum. Ninguém se queixa, ninguém é chateado, as companhias de seguros dividem o estrago ao meio e acabou-se.

 

Entre nós legisla-se pelo simples gozo de legislar. O objectivo é “espiritual”, isto é, manda o politicamente correcto que as bicicletas são o futuro, por isso há que “protegê-las” nem que para tal se arranje maneira de prejudicar toda a gente, ciclistas incluídos. Mas legislou-se! Missão cumprida.

Dir-se-ia que vivemos em cidades do tipo daquelas em que a bicicleta é um meio lógico e prático de locomoção. Lisboa parecida com a Haia ou com Amsterdão, por exemplo. Esquece-se um pequeno pormenor: estas cidades não têm sete colinas, têm colina nenhuma. E, mesmo assim, têm vias para ciclistas!

 

Por cá, em vez de se tomar medidas para separar dois tipos de trânsito obviamente incompatíveis, legisla-se para os misturar. Santa estupidez!

 

4.1.14

 

António Borges de Carvalho  

COMPREENDER A REALIDADE

 

Vejam isto: três dias atrás, o jornal “I” publicou uma sondagem que tinha como resultado que os inquiridos acham que o melhor primeiro ministro seria Rui Rio (26,4%), seguido de Passos Coelho (22,5%), Seguro (12,1%) e Sócrates (9,1%).

 

Sondagens são sondagens, mais ou menos credíveis, mais ou menos sérias.

Esta diz que:

a) no imaginário dos inquiridos, Rui Rio é uma espécie de Dom Sebastião;

b) a pequena distância surge Passos Coelho;

c) muito longe, aparece Seguro, o Oco;

d) lá para os confins da lista, quase pegado ao Oco, temos o inacreditável Pinto de Sousa, dito Sócrates.

 

Tire cada um as conclusões que entender. O IRRITADO, como é de timbre, ficou contente. Chega.

 

Vejamos agora o que, noutro critério, a sondagem revela. Se se tratasse de trabalho da Católica, ou do Expresso, ou daquele intragável fulano do PS cujo nome me escapa, ou se tivesse outro tipo de resultado, aconteceria que os outros jornais, as televisões e as rádios, durante vários dias, não se calariam com o assunto, inúmeros comentadores fariam mesas redondas para “ajuizar” do significado da coisa, etc. Mas esta vem de uma tal “Pitagórica” que, pelos vistos, não goza da “confiança” dos media, e traz resultados que não merecem atenção. Nem uma palavra sobre ela, nenhum comentário, zero!

 

Fica o significado desta verificação ao cuidado dos leitores do IRRITADO, a fim de lhes melhorar a capacidade de apreciação da realidade.

 

2.1.14

 

António Borges de Carvalho

Pág. 2/2

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D