Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

CONTRADIÇÕES

 

Quer a nossa app?, disse-me a rapariga da caixa dos hamburgueres. Perguntei o que era aquilo. Dá descontos e promoções. Então diga. Nome, morada, código postal, NIF, email, data do nascimento... Antes que a fulana me pedisse o número das cuecas e o registo criminal, acabei com a coisa: pare lá com isso, diga-me quanto é e boa tarde.

Este tipo de cena repete-se à exaustão em tudo o que é loja, lojeca ou tasca. Depois, as lojas, lojecas e tascas passam a vida a mandar SMS rigorosamente estúpidos que, no meu caso, nunca são lidas, mas chateiam. Pior, as lojas, lojecas e tascas vendem os dados não sei como, e mais catadupas de mensagens são metidas na minha caixa por gente de quem nunca ouvi falar e a quem jamais dei endereço nenhum.

Há pior. Olhem os tipos das TV’s a vender pacotes, os da electricidade e do gás a engatar clientes. Onde foram buscar o meu telefone? “Comprámos”, confessou uma tipa de um call center, quem sabe se aquela meia-leca do BE que se queixa do emprego. Pois compraram, não sei a quem, mas parece que há umas empresas “de dados” que se dedicam a este tão honesto comércio.

E ainda há pior. As pessoas, de moto próprio, metem-se em redes sociais, a contar inanidades, parvoíces e “feitos” de vária ordem. Há-as “anónimas” a fazer comentários aos milhões. Mas, para os donos dos dados, não são nada anónimas, estão catalogadas, devidamente classificadas em algoritmos de toda a ordem e, valha-me São Crispim, gostam muito das “sugestões” que lhes mandam, todos os dias, vindas não se sabe de onde. Têm a sua quota de fama, de exposição, de gabarolice. É triste, mas é assim.

O sigilo de correspondência, ínsito em inúmeras constituições, é letra morta. Qualquer aprendiz de hacker penetra no computador, no tablet, no smartphone, onde lhe apetecer. Entra nos bancos, nos offshores, nos inshores, no Pentágono, no raio que o parta. E toda a gente acha muito bem. Os autores destas maroscas, quantas vezes, ganham o estatuto de heróis.

A coisa, como não podia deixar de ser, entra na política. Se as campanhas políticas usam panfletos, auto-colantes, outdoors, etc., porque não hão de usar as redes sociais?

Mas, na política, as reacções são de diversa ordem. Levantou-se um clamor ontra o uso das redes a favor do Trump. Muito bem, o Trump é um canalha. Por acaso, em relação ao Corbyn, o mesmo sistema não causa clamor nenhum, o Corbyn é um herói. Quem explica?

Vem isto a propósito da “queda” do rapaz Zukerberg, o do Facebook. O tipo tem sido crucificado por causa de uma fuga qualquer de dados. Não percebo. Então o que foi feito não é o mesmo que fazem os tipos do uiquiliques & Cª, o senhor Assange que está metido numa embaixada para não ser preso por violação, os jornalistas que, sem mandato, entram onde lhes dá na gana por processos teoricamente ilegítimos?

O princípios legais do sigilo e da privacidade são violados todos os dias por quem lhe apetece violá-los. Depois, à la carte, os autores das violações são heróis ou bandidos segundo a natureza da espionagem que praticam.

O Facebook foi violado? Claro que foi. Como violados podem ser todos os sistemas informáticos, dos mais simples aos mais sofisticados, com a melhor ou a pior das intenções. No caso, o culpado é o Zukerberg. Por que carga de água? Se as pessoas se metem no sistema, sabendo perfeitamente que aquilo, como todos os sistemas, é violável, como é que andam para aí aos gritos de “privacidade”, “sigilo”, "direitos humanos” e outras matérias que toda a gente estima, mas que toda a gente põe em causa?

Mistérios da vida moderna.

   

2.5.18

Pág. 2/2

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D