Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

O FIM DO GAULISMO?

 

Quando, em 1966, De Gaulle resolveu abandonar a estrutura militar aliada, com a consequente transferência da sede da Aliança para Bruxelas, atingia-se um ponto crítico da estratégia “independentista” do general, que tinha começado pela exigência do lugar da frente na parada da libertação, como se fosse ele, ou o seu país, os principais autores dos esforços que levaram a que tal comemoração pudesse ter lugar.
De Gaulle aceitava e agradecia à coligação aliada, mas, longe de reconhecer as culpas da ocupação que cabiam aos franceses e a relatividade do seu papel no desenrolar dos acontecimentos, não aceitou com a humildade que se justificaria a sua dívida aos aliados.
 
Fundadora da NATO, a França depressa viria, assim, a afastar-se dos seus centros de decisão e da sua estrutura militar, arrogando-se o direito a uma autonomia decisória que, em relação aos seus compromissos iniciais, nunca foi tida por inteiramente legítima, ainda que, politicamente, não pudesse deixar de ser aceite. Era um mal menor.
A proclamada independência em relação a Washington em matéria de defesa viria a revelar-se improcedente, ou contraproducente. A verdade é que a “independência” gaulista veio a redundar numa das mais importantes causas da presente situação de afastamento e atraso tecnológico da Europa em relação aos EUA, e de falta de interoperabilidade entre as forças armadas europeias e americanas, com consequências que a própria França viria a sentir, por exemplo quando procurou o guarda-chuva americano para a guerra da Jugoslávia, sem o qual tal guerra teria causado dezenas de milhares de mortos.
Dos países europeus, só o Reino Unido foi capaz de manter alguma “paridade” defensiva com os EUA. Caíram em saco roto os apelos de Kenedy para a criação do “pilar europeu da NATO”, devido, entre outras causas, à não integração da França, aliado indispensável à criação de tal pilar.
 
Sarkozy declarou solenemente o fim desta era. Ou porque percebeu a relativa fragilidade dos seus instrumentos de defesa em face de ameaças que os ultrapassam, precisando de mais cooperação externa, ou porque achou que o peso militar e estratégico do seu país não encontrava enquadramento digno na partilha do poder aliado.
 
Trata-se de uma atitude arrojada e de uma viragem muito significativa, não só na posição francesa no quadro da NATO, mas também nas potencialidades de concertação estratégica dos aliados, num quadro de incerteza e de preocupação.
 
A esquerda francesa, que tanto se opôs a De Gaulle, opõe-se também a esta mudança de filosofia, sabe-se lá porquê. Ninguém tem nada a perder se a França deixar de ser La Fraaaaance de De Gaulle para passar a ser um parceiro com inegável poder militar no xadrês europeu, partilhando em pleno e estando à altura das responsabilidades que nele lhe cabem.
 
12.3.09
 
António Borges de Carvalho

2 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D