Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

FERRO E CAVACO, A MESMA LUTA

 

O defunto Ferro Rodrigues veio, com afã e afinco, declarar que a falta de uma maioria absoluta nas próximas eleições seria uma monumental catástrofe para todos nós. Leia-se, como é óbvio, que a criatura se refere a uma maioria absoluta do PS - sem a qual ficaria em risco o agradável tacho de embaixador numa coisa qualquer, mas em Paris, pois então!
O Irritado, como sabem os seus leitores, acha exactamente o contrário: a nossa desgraça seria a tal maioria absoluta do PS, ainda por cima sob a chefia do absurdo senhor Pinto de Sousa. Por isso, talvez o Irritado seja suspeito no que vai dizer. Mas di-lo na mesma.
 
Por essa Europa fora, são mais os governos de coligação que os de maioria absoluta de um só partido. Uma maioria formada por partidos coligados é tão maioria como outra qualquer. Com a diferença de não haver nenhum partido coligado que aturasse as aldrabices, as fantasias, a irresponsabilidade, as trapalhices de um fulano do calibre do do líder do PS. Ou seja, se o PS governasse em coligação já nos tínhamos livrado do intolerável jogger, o que seria condição primeira para tentar sair da floresta de enganos em que estamos perdidos.
 
Não consta que o sistema democrático ou o desenvolvimento das nações que nos são próximas, tenham sido gravemente prejudicados pela falta de uma maiorias absolutas mono-partidárias.
No nosso caso, um evidente factor de instabilidade inquina a saúde da nossa vida política e prejudica qualquer estabilidade. Não, não me refiro à “má maneira de votar” dos portugueses, nem ao sistema proporcional, nem ao nosso violentíssimo e visceral atraso cultural e social. Tal factor mora em Belém, e é, historicamente, fonte de instabilidade e de quezília.
 
O semi-presidencialismo, importado de França via submissão dos nossos intelectuais e juristas a esse semi-deus do direito constitucional que se chamava Maurice Duverger,  interpretado à luz do “pensamento” local, redundou nesta coisa inacreditável que é haver duas legitimidades de origem universal com poderes que, em muitos casos, tendem a anular-se e que, em todos os casos, concorrem um com o outro, quer o digam quer não.
Esta é a verdadeira, a estrutural causa da nossa instabilidade política, aliás historicamente provada: com Eanes e a sua sede de intervenção, com Soares e a sua “autoridade moral”, com Sampaio (cuidado, que o homem quer voltar!) e o seu golpe de estado, com Cavaco e as suas convicções, o fluir “normal” da vida política tem sido sistemáticamente prejudicado.
 
Na Europa que nos é próxima, somos, com a França da V República, os únicos a ter um regime deste tipo. Com a diferença que, em França, o Presidente é o verdadeiro chefe político e, por cá, não passa de um chèfinho que pode espernear, fazer mossa, e pouco mais. Ou seja, desestabilizar. A vida política passa-se nesta ridícula luta entre um poder que ninguém sabe exactamente onde começa nem onde acaba, mas cujos titulares, sem excepção, tendem a interpretar extensivamente, e outro poder que faz exactamente o contrário.
As demais repúblicas do grupo têm a felicidade de poder escolher o seu presidente por via parlamentar, não duplicando legitimidades, não criando confusões e podendo ter oportunidade de escolher figuras que possam representar as nações com alguma independência e alguma altura. Os demais países, os que souberam diferenciar a res publica da república, são monarquias. Nestes, o problema nem sequer se põe: têm a mais inteligente, a mais abrangente e a mais independente forma de representação nacional que a modernidade e o bom senso geraram ou conservaram: o Rei. Podem escolher, sem incongruências nem duplicidades, quem querem que os governe. Têm o poder político limitado por vários meios (constituições claras, parlamentos fortes, deputados pessoalmente responsabilizados, poder judicial digno desse nome, etc.), sem precisar de recorrer a outro poder da mesma origem (o sufrágio universal), o qual, por isso, sempre tenderá a ser desestabilizador.
 
É evidente que, em muitos dos países de que falo, o regime pode ser considerado o que em ciência política se chama “presidencialismo de chanceler”. Com certeza. Desde que os limites funcionem, que mal vem daí ao mundo?
Estando, acima do sistema, assegurada a representação nacional, que mal vem daí ao mundo?
 
Os portugueses, por republicaníssimo atraso, têm a desgraça de andar ao contrário dos demais. Os intelectuais de serviço são quase unânimes em propor a “presidencialização” do regime. Os portugueses em geral tendem a aceitar esta tendência. Isto é, intelectuais e povo reagem ao contrário do que a experiência, própria e alheia, aconselharia.
Os portugueses, causticados por um governo de esquerda que há anos os mergulha em estupidez e propaganda, tendem a votar… ainda mais à esquerda!
 
De um país como este, de pernas para o ar, tudo se pode esperar. É por isso que o argumento da estabilidade associado à maioria absoluta do PS, tão desesperadamente pedida pelo defunto Ferro Rodrigues e tão carinhosamente propagandeada pelo Doutor Cavaco, não passa de (mais) um sinal do primitivismo cultural e político em que estamos, quiçá irremediavelmente, mergulhados.
 
Apontamento final:
Pode compreender-se que, por razões pessoais, partidárias e esquerdistas, o Ferro defenda a maioria absoluta do PS.   
Mas é uma desgraça absolutamente incompreensível e inaceitável que o Presidente da República, em vez de incentivar o povo a votar, e a votar em consciência, venha vender a teoria da estabilidade, sabendo de ciência certa o que a palavra, hoje, significa para o eleitorado: o mesmo que significa para o Ferro.
 
18.3.09
 
António Borges de Carvalho

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D