Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

PLURALISMO LUSO-SOCIALISTA

Não falta quem pergunte por alma de quem anda o PS a legislar, e a insistir depois de levar com os pés do PR, sobre aquilo a que chama “pluralismo” na comunicação social.

É que toda a gente sabe que não há, à excepção da RTP, onde o governo prepondera, e dos órgãos dos partidos, jornais que não sejam pluralistas.
Dando uma olhada à generalidade da imprensa escrita, vemos que, dados como mais à direita ou mais à esquerda, não há um só que não albergue opinadores de esquerda e de direita, onde os próprios editoriais não dêem abébias em vários sentidos, onde as pessoas não encontrem de tudo um pouco. Nenhum jornal português, à excepção, talvez, do “Diabo” (passei os olhos por uma dúzia de vezes), tem “cara”, isto é, todos se reclamam, e são, indefectivelmente “democráticos”, ou seja, têm da democracia a ideia de que um jornal, para o ser, tem que disparar para todos os lados, acoitar todas as tendências, mesmo quando a linha editorial tem, em si, alguma coerência.
Isto é bom? É mau? Para o caso não interessa. Interessa é sublinhar que pluralismo é coisa que não falta, antes pelo contrário.
 
Então porque é que o PS resolveu fazer uma “Lei do Pluralismo”?
 
Porque, para o PS, pluralismo tem a ver com propriedade, não com informação. Para o PS, importante é ter poder para “tirar” a propriedade de jornais aos seus detentores, desde que ache que os seus detentores detêm órgãos “em demasia”. Lidas as coisas como elas são, o que o PS quer não é proteger o pluralismo, mas confundi-lo com propriedade, o que, é por um lado, muito socialista e, por outro, dá ao Estado (leia-se, ao PS) a prerrogativa de intervir mais à vontade na informação.
Não lhe basta aplicar as leis existentes em relação aos monopólios. Não lhe basta as “entidades” da concorrência e outras estruturas que, tão ao seu gosto, “vigiam”, por conta do PS, os desmandos da sociedade civil. O PS quer ter uma intervenção directa mais facilitada do que tem hoje. E, como socialista que é, embora ainda haja quem diga que governa à direita, nada melhor do que atacar a propriedade!
 
Ora a propriedade de órgãos de informação não domina, nem pouco nem muito, a dita em Portugal.
Por exemplo, o “Expresso” fartou-se de atacar o patrão quando ele era Primeiro-Ministro, e vai continuando a sua tradicional política de recados e de opiniões à esquerda e à direita.  
Por exemplo, a TVI, propriedade de socialistas espanhóis, trata de, legitimamente, pregar rasteiras aos camaradas portugueses.
E por aí adiante.
Fica a ideia de que os proprietários do órgãos de comunicação (à excepção da RTP e dos partidos) estão mais interessados em vender os seus produtos do que em fazer política.
Se os jornais tivessem “cara”, aposto que haveria proprietários que o seriam, simultaneamente, de órgãos de esquerda e de direita. Como não a têm, vão-se agarrando ao que estiver “a dar”, ainda que, reconheça-se, as mais das vezes com algum critério e algum escrúpulo deontológico.
 
O PR faz muito bem em dar com os pés em mais esta (desesperada) manobra do socialismo para limitar o pluralismo, apregoando defendê-lo.
 
16.4.09
 
António Borges de Carvalho

2 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D