Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

O PRIMADO DE TANATOS

O congelamento das rendas, obra da Primeira República que a Segunda agravou e a Terceira gloriosamente continuou, assassinou, como é do conhecimento geral sem que ninguém se atreva a contestá-lo, o mercado de arrendamento. Com este, morreu grande parte do património construído e fenece, moribunda, outra vasta fatia dele.

Nos bons tempos da AD deu-se um primeiro passinho para tentar ressuscitar a coisa. Os tempos que aí vieram, a inflacção, a desvalorização do escudo e a modéstia das medidas tomadas acabaram, se não por agravar as coisas, pelo menos por mantê-las como estavam.
Mais tarde, já não sei que governo estabeleceu novas normas, mais ou menos decentes, para os contratos novos, deixando os antigos na mesma. O brilhante resultado desta medida “social” foi o de criar duas classes de portugueses: a dos privilegiados, que continuaram, paulatinamente, a não pagar renda, e a dos raríssimos novos inquilinos, que tiveram que se sujeitar a rendas muito naturalmente inflaccionadas, dada a paralisia das restantes. Entretanto, pressionadas pela “alta” das rendas novas, pela propaganda bancária e pelas asneiras dos governos, centenas e centenas de milhar de portugueses meteram-se a comprar casa, o que motivou encravanços de longo prazo, paralisia social, fabricação de dormitórios invivíveis e infelicidade a rodos.
Não se sabe em que “princípio” moral ou constitucional se baseia a insistência pública no sistema vigente, insistência tão brutalmente reiterada no absurdo legislativo e impraticável do NRAU, coisa que só pode explicar-se pela colossal estupidez socialista que nos (des)governa.
 
O Estado socialista (de esquerda e de direita) extorquiu ao mercado de arrendamento e à possibilidade de conservação dos edifícios muitos triliões de contos. Não exagero, façam as contas. O Estado socialista é, por conseguinte, o único e exclusivo culpado da situação a que o património construído foi levado, inclusivamente o património próprio, de que, pública e notoriamente, não cuida nem deixa cuidar. O Estado socialista sacrifica as pessoas com uma brutalidade fiscal injusta e sem precedentes, ao mesmo tempo que continua não querer obter receitas a partir de rendimentos legítimos, que proíbe.
 
O acima descrito não é novidade para ninguém.
Novidade é o conjunto de “medidas” que o senhor Pinto de Sousa e seus camaradas vêm anunciando ao povo.
Tens um prédio a cair? Porreiro, pá. Ora vamos lá a resolver o problema: fazes obras, pões tudo num brinquinho, e pronto. Vês como é fácil? Se não quiseres, também não há problema: vendes o prédio, e pronto. Recebes o dinheirinho que a malta (o Estado socialista) achar bem, e pronto. Não queres vender nem tens dinheiro para as obras, ou não queres endividar-te por causa delas, ou não queres ir buscar ao suor do teu rosto os meios necessários? Também não há problema: o Estado socialista descobriu a fórmula mágica, ou seja, obriga-te a vender, e pronto. Não há clientes? Paciência, o Estado socialista estabelece para aquilo que achas que é teu um preço tão baixo, tão baixo, que os clientes acabam por aparecer.
 
Em alternativa, a dona Helena, patroa dos “participativos” e dos oportunistas, oferece-se para arranjar um sistema segundo o qual os inquilinos pagarão as obras, debitar-tas-ão, continuarão a não pagar renda, e pronto: o problema resolve-se com inteira justiça.    
 
Se as inteligentíssimas medidas do socialismo do Estado ou do socialismo da dona Helena não derem resultado, porreiro, pá.
O problema será resovido por intervenção de Tanatos. O Estado socialista, qual Servilusa, espera calmamente que passe mais uma geração. Depois de enterrados todos os inquilinos antigos, a coisa resolve-se.
Restará o problema dos arrendamentos comerciais, e da dificuldade que Tanatos tem em acabar com as firmas que vivem de não pagar as instalações em que funcionam. Também não há problema: arranja-se-lhes um esquema fiscal de tal ordem que o fim da sua presente vida vegetativa, ligada à máquina das rendas ridículas, será cientificamente acelerado. Porreiro, pá.
 
Não há um Tribunal Europeu, ou da ONU, que meta esta malta na cadeia e a mande pagar ao mercado o que ao mercado roubou?
O que andam a fazer os propagandistas dos “direitos humanos”? A dormir a sesta enquanto Tanatos toma conta disto?
 
19.4.09
 
António Borges de Carvalho

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D