Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

Francesices

No que interessa à nossa área geo-estratégica, as eleições presidenciais da V República francesa têm o péssimo hábito de mudar coisa nenhuma.
Desde de Gaule, seu fundador, a Chirac, seu (quase) coveiro, nada de substancial mudou no que à política europeia e global diz respeito. A França mantem intacta a política de sempre: proclamada solidariedade europeia e atlântica quando parece convir, um solipsismo arrogante quando assim não é. Alianças naturais “amortecidas “ por compromissos históricos ou por conveniências de momento, e iniciativas próprias, tudo para mostrar ao mundo, ou lhe atirar à cara, la grandeur de la France.
Internamente, no essencial dos hábitos republicanos, à esquerda e à direita a mesma receita: a governação, aprentemente pulverizada por mairies, départements e préfectures, é ferozmente centralizada por aristocracias ferozes e envolventes, senhoras de privilégios imensos, de origens comuns (enarques e politechniciens) e de interesses semelhantes.
 
A França actua, em face do exterior, como um bloco, esquerda e direita servindo mais do mesmo, mudando o que for preciso para que tudo fique na mesma.
Desde o dia em que de Gaule se pôs à cabeça da manada para receber os louros do fim da guerra, o que, em boa justiça, só em pequeníssima parte lhe caberia, que a França se assumiu como a potência que já não era.
Daí para cá, está na OTAN mas não participa na estrutura militar, está na UE desde que esta lhe sustente a gigantesca quão inviável economia agrícola, funda o eixo Paris-Moscovo sem dar satisfações a ninguém, provoca a guerra que lhe interessa (Jugoslávia) servindo-se dos aliados mas sem dar cavaco à ONU, condena de forma completamente desproporcionada os aliados por se meterem noutra guerra (Iraque), acusando-os de não disporem das “autorizações” que, no seu caso, nem sequer procurou, quer impor-se como dirigente máximo das forças internacionais no Líbano sem que o seu esforço militar corresponda à pretensão, e por aí fora.
 
Será preciso ser quase patologicamente optimista para pensar que as presidenciais de 2007 podem acender alguma luzinha no fundo do túnel.
Isto, se se confirmar, à esquerda, a candidatura da senhora Royal e, à direita, a do senhor Sarkozy.
O último debate confirmou que, na confrontação socialista, os candidatos do aparelho não passam de dinossauros gastos e em crise de credibilidade e carisma. A senhora Royal parece perfilar-se como a única com capacidade para trazer alguma coisa de novo. Só que o novo não é necessariamente bom. Veja-se, por exemplo, a proposta de um referendo em relação à adesão da Turquia. A senhora propõe, nada mais nada menos, que sejam os franceses a decidir sobre tal matéria. Na boa linha de todos os presidentes da V República, não há solidariedades nem interesses comuns que não dependam do aval francês. “Os franceses terão a última palavra”, afirma a ilustre senhora. Ou seja, os franceses mandarão na Europa inteira. Mais do mesmo.
À direita, o senhor Sarkozy, irrequieto mas carismático, se for o escolhido, talvez possa trazer uma lufada de ar fresco. Não porque se lhe conheçam posições de base dissonantes com a a prática da V República, mas porque, por mor do confronto de personalidades, pode vir a ser obrigado a inventá-las. E, para invenções, consta que tem jeito.
 
Um ou outro, terá uma tarefa dura de roer: manter a senhora Merkel nos “eixos”. Os tempos de Miterrand e Kohl já lá vão, a estratégia “oriental” do senhor Schroeder e do seu parceiro Chirac está a caminho do caixote do lixo, e a França, sem a Alemanha ao lado, ou a reboque, terá que fazer alguns realinhamentos, sob pena de se deixar isolar.
Esgotados os trunfos que, há anos, podia usar, o que se pode esperar – no sentido de ter esperança - é que a velha Gália perceba, finalmente, que o seu lugar é europeu e atlântico, não mais o de líder de coisas várias, prenhes de obsoleta petulância e pouco inteligente egoísmo estratégico.
 
Quem me dera ser optimista.
 
 
António Borges de Carvalho
 
 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub