Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

UMA ENORME TRISTEZA

 

Ontem ouvi o senhor Soares (João) proclamar, na excelsa esteira do senhor seu pai, o fim do neo-liberalismo, a irreparável doença do capitalismo e a imperiosa necessidade de dar asas a uma política socialista, seja ela qual for. Mais socialista que a que já temos, entenda-se.
Uma profunda tristeza me invadiu a alma. Tristeza por ser português, tristeza por fazer parte de uma gente que parece querer insistir em andar ao arrepio da corrente, da história e da cultura, em escolher mal, gente que, trinta e tal anos depois, ainda é mentalmente prisioneira dos paradigmas esquerdistas que em má hora lhe impingiram.
As primeiras eleições depois da crise foram, felizmente, as europeias. Felizmente porque permitiram ver a reacção maioritária dos povos da Europa à crise que a todos vem lesando. Tal reacção, esmagadoramente maioritária, foi a recusa do socialismo.
Os povos europeus, em vez de, como o Dr. Mário Soares e o seu rebento, dar gritos histéricos contra o neo-liberalismo e o capitalismo, gritaram que era preciso salvar uma coisa e outra. Os povos europeus disseram “a economia capitalista adoeceu, salve-se, cure-se a economia capitalista!”. Os povos europeus perceberam que a Europa, muito mais que os EUA, está sitiada e que muito há a fazer, ou para quebrar o cerco – financeiro, económico, científico, tecnológico, militar, demográfico… - ou para repensar os modelos que lhe têm permitido o bem-estar das últimas cinco ou seis décadas. Com uma condição: não cair nas mãos do socialismo. Salvar o capitalismo, proporcionando mais uma vez aos europeus os meios que sistema algum jamais lhes pôs à disposição.
Portugal não faz parte desta Europa. Vítima da demagogia socialista, crente de que é possível distribuir o que não se produz, convencido que tirando aos ricos se enriquecerá os pobres, ufano por considerar o trabalho como intocável direito e fonte de lazer, espartilhado por ideias que a inteligência já condenou e que a prática largamente revelou como as piores, Portugal, em vez de fazer desaparecer os partidos comunistas como sucedeu por toda a Europa, deu-lhes mais de vinte por cento dos votos, mais ainda, deu ao partido para quem o socialismo é o que estiver a dar, vai do Chávez ao Blair…, reservando a quem não alinha, nem no esquerdismo nem na demagogia barata, os votos que, restantes, se exprimiram.
Portugal não está na cauda da Europa só porque, de 74 até hoje é governado pelo socialismo. Com um intervalo de dez anos (85/95) cujos feitos o socialismo logo a seguir destruiu, e outro de dois anos (93/95) que o socialismo brutalmente interrompeu. Portugal está na cauda da Europa porque, formado por gerações filhas do estatismo, do bolchevismo e do socialismo dito democrático, não foi capaz, em mais de trinta anos de Liberdade, de criar a massa crítica e a opinião informadas que levaram os países europeus a, perante a crise do capitalismo, dar vivas ao capitalismo.
Uma enorme tristeza.
18.8.09
António Borges de Carvalho

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D