Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

ASSIM VÃO ENTREVISTAS E DEBATES

 

Vi, com a atenção que o homem merece, a entrevista que o senhor Pinto de Sousa deu à dona Judite.
A dona Judite, toda dengosa, no fim das alegações do homem, teve a simpática coragem de lhe perguntar o que achava de alguém o ter classificado como sexy e bem-posto. O homem rebolou-se na cadeira e, babado, sorriu com ar modesto. Disse que não liga a essas coisas, mas não negou a sua performance de Petrónio da BeiraiAlta. Vistas as coisas com olhos de ver, a conclusão é: estávamos perante uma das mais pirosas parelhas da História da humanidade. O tipo exibia uma gravatinha de “seda à noite”, ou seja, de nailarucho barato e de um vermelho que nem os no name boys se atreveriam a usar. A camisinha do homem era tipo “Rosa de Ouro”, ou equivalente, branca tipo lixívia, um alvo desastre. O fatinho, a condizer, com ombros de alfaiate e pregas no cachaço. Dada a posição em que estava, não se lhe viam os sapatos mas pode assumir-se que eram tipo cabo artilheiro do midwest. Dona Judite não lhe ficava atrás, cheia de lantejoulas do chinês, com um vestido tipo cortinado de coté. Os sapatos, esses bem à vista, nem no Fontória, senhores!
Seja-me perdoada esta incursão na área do social, tão fora do estilo do IRRITADO. Não resisti, e pronto. Estou no meu direito, pelo menos enquanto o senhor Pinto de Sousa deixar, ou não der por isso.
O que foi, afinal, a entrevista? Nada. Nada, sim. O homem nada disse de novo, desfiou as estatísticas da “obra feita”, e foi tudo. Disse que o Freeport vai acabar bem (não acrescentou “Deus queira que depois das eleições” mas ou me engano muito ou não lhe faltava a vontadinha). Declarou, notável pensamento, que isso da guerra com os professores não passa de aldrabice. Nunca houve. Só uns desaguisados menores.
Uma coisa há que admirar no homem: nada disse que não julgasse que lhe convinha. Como as perguntas da dona Judite, em súbita alteração do habitual estilo peixeirático, eram mansas e doces, a tarefa do homem foi fácil.
Aquela do sexy e do bem-posto foram a cereja no topo do bolo encomendado pelo governo.
Anteontem outro galo cantou. Armado das mesmas armas que serviram para a dona Judite, o homem soçobrou que nem um prego. Apanhou com o Portas Paulo pela frente (podia ter aproveitado para ver o que é um tipo bem vestido) e lá se foram as declarações bombásticas e o triunfo do sexy. Ficou bem claro que aldrabou o orçamento, que brutalizou a Nação com impostos nunca vistos, que o desemprego começou a subir muito antes da crise internacional, enfim, que as “virtudes” do socialismo e do senhor Pinto de Sousa só lá em casa se dá por elas.
Acossado, o homem refugiou-se nos protestos e nas ordinarices. Que o combinado não estava a ser respeitado, que o Portas Paulo estava a falar demais, que aquele tema não estava na ordem da combinata… a ponto de ter de vir a dona Constança pedir alguma discussão substantiva. Depois, desvairado com a tunda que estava a levar, esperneou que o Portas Paulo tinha sido do governo que queria mandar soldados para o Iraque. Qual náufrago, quis agarrar-se ao que encontrou. Não encontrou nada melhor. Podia ter dito que o tal governo nada fez para evitar o furacão Katrina, o que teria a excepcional virtude de ser verdade. Podia ter dito que, à altura, os seus colaboradores mais próximos nada disseram – porque concordavam com o governo – e que os mais afastados mais não fizeram senão defender a tese peregrina e inconstitucional do senhor Sampaio.
Enfim, compreenda-se, quem não tem cão caça com gato. Quem não tem razão muda de assunto.
E ontem, meus amigos? Ontem assistimos à estreia universal da anedota intitulada “Tratado de Paz entre Estaline e Trotsky”. Tantas décadas passadas depois da fratricida guerra que travaram, os dois grandes do comunismo, brilhantemente representados pelo Louça e pelo Jerónimo, apresentaram-se ao povo com a mais doce harmonia, uvas do mesmo cacho, troncos da mesma raiz. Foi delicioso, ainda que muito chato, ouvi-los dizer que são iguais, que nada têm a criticar um ao outro, que é tão estúpido votar num como votar no noutro.
Uma autêntica sessão de esclarecimento para quem ainda acha que um é mais “democrata” que o outro.
3.9.09  
António Borges de Carvalho

4 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub