Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

DAS ASAS DO DINHEIRO, OU DAS GRILHETAS DO SOCIALISMO

 

Quando o 25 de Abril aconteceu, a população em geral regozijou-se: íamos, finalmente, ser iguais aos outros. Íamos ter Liberdade e liberdades, íamos poder escolher o nosso governo, ter um sistema de justiça sem critérios políticos, etc. Resultado de tudo isto, poderíamos sair da apagada e vil tristeza em que vivíamos, isolados, pobres, emigrantes forçados, etc.
Cedo porém, como é sabido, esta ilusão foi espezinhada. A Liberdade era a das “amplas liberdades” do Cunhal, a justiça era a dos saneamentos políticos, a escolha era limitada porque o socialismo se tinha tornado obrigatório…
É certo que a deriva comunista acabaria por ser estancada, que se estabeleceu um regime de democracia liberal, que, em grande parte, não se concretizaram as pavorosas ameaças do PREC, que se assistiu a um certo esforço de justiça social, que o país tomou algum caminho de melhoria económica, que a abertura proporcionada pelo 25 de Novembro de 1975 foi benéfica para a maioria da população.
Mas o comunismo deixou horrendas sequelas e o socialismo democrático que se lhe seguiu não teve coragem para as arredar da nossa vida colectiva.
Foram, por exemplo, precisos 14 anos para se acabar com a irreversibilidade das nacionalizações, embora, de um ponto de vista formal, tal tivesse sido possível 7 anos antes. Mas o PS - o “socialismo democrático” - teimosamente, não deixou.
 
Quando hoje se fala de confiança como elemento fundamental para o progresso económico, atribui-se a falta dela a coisas como o “falhanço do capitalismo”, “os malefícios do neo-liberalismo”, e outros chavões tão idiotas como estes.
Esquece-se que a confiança acabou com o PREC e nunca mais foi recuperada. Esquece-se que quem tinha “alguma coisinha de seu” a pôs a salvo, e nunca mais a fez regressar, o que é humano e lógico. Quem pensar de outra forma está a pensar numa espécie que não existe.
Nunca mais, em Portugal, houve dinheiro. Falo, como é óbvio, de dinheiro “a sério”, aquele que é capaz de grandes investimentos, de arriscar na grande inovação e de criar grandes clusters de emprego. Desconfio que o dinheiro “a sério” que terá sido excepção, voltou sob a forma de investimento estrangeiro, de forma a poder, com toda a legitimidade e sem “chatices”, ir embora outra vez.
Entretanto, o Estado centuplicou estupidamente as formas de controlo e as peias burocráticas da ditadura, obtendo, de través, uma coisa que só é comparável ao condicionamento de Estado Novo.
O resultado é que os portugueses, cada vez mais, hesitam em investir, o dinheiro recusa-se a regressar e a situação é tal que, cúmulo dos cúmulos, o investimento estrangeiro só se arrisca a vir até cá mediante uma diversificada gama de privilégios, em violenta entorse da concorrência que se proclama proteger. Dir-se-á, com razão, que também há portugueses a beneficiar dos privilégios do Estado. Seria interessante esmiuçar até que ponto, para além dos visíveis titulares ou testas de ferro, tais portugueses são portugueses, ou seja, até que ponto é português o dinheiro que, dizem, aplicarão em Portugal, se é que aplicam algum para além do que gastam em papéis e em favores.
A Lei é tão complicada que parece ter sido feita para não ser aplicada, ou para ser ultrapassada. Assim, quem souber “mexer-se”, passa ao lado, ou por cima dela. Assim se fomenta a corrupção, coisa tão virulentamente condenada e tão claramente incentivada pelos “condicionamentos” que o “socialismo democrático” criou.
Trata-se, no fundo, de características fulcrais do terceiro mundo: onde a Lei não serve, legisla-se por despacho. O despacho é o supra-sumo do discricionário, o contrário do "estado de direito".
* 
Vem isto a propósito de uma interessante notícia há dias publicitada na imprensa: na primeira metade de 2009, saíram de Portugal, em plena legalidade, nada menos de nove mil milhões de euros. O que quer dizer que, enquanto Portugal for “criando” algum dinheiro, ele continuará a ir-se embora. Por causa da “crise internacional”? Não brinquemos com coisas sérias, como faz o governo. Se a crise está por toda a parte, que interessa pôr o dinheiro noutro lado? O dinheiro não sai porque lá fora não há crise, sai porque os portugueses não têm confiança em Portugal. Sai, porque é mais fácil e mais barato investi-lo além fronteiras do que sujeitá-lo às tropelias do socialismo doméstico. Sai, porque ninguém gosta de pagar impostos sobre impostos sobre impostos. Sai, porque só quem não andou a bater a quarenta portas fechadas para fazer uma coisinha de chacha é que se arrisca a tentar abri-las. Sai, muitas vezes, porque as pessoas não estão para andar de carteira em punho à procura de quem “resolve” os assuntos. E sai, finalmente, porque os homens são homens, tendem a proteger o que é seu e têm toda a legitimidade moral e legal para o fazer.      
 
Como se sai disto? Não sei. Sei que, com esta gente, não vamos lá.
 
29.10.09
 
António Borges de Carvalho

2 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub