Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

PONHA-SE A PAU!

 

Desta vez, nada de política.
Falemos de informática, marosca de que percebo aproximadamente nada, mas que utilizo com gosto e sofro q.b.
 
Aqui há tempos, alguém me mandou uma mensagem dizendo “queres ser meu amigo?”. Tratando-se de pessoa que já era minha amiga, tratei de saber do que se tratava. Piquei na coisa. Passos passados, eis-me metido no “Facebook”. Bom, lá estava a minha amiga, com fotografia e tudo, bem como mais uma série de criaturas que não faço ideia quem são e que se dedicam a anunciar o seu “perfil” e o seu focinho, na esperança de encontrar imateriais “amigos”. Alinhei, sem perceber que me metia numa camisa-de-onze-varas. Comecei a receber as mais inacreditáveis propostas. Não vou referi-las, porque não interessam.
O que interessa é que, dois ou três dias depois, decidi que era preciso sair daquela floresta de estupidez.
 
Para ajuda de alguém que me leia e que tenha problema semelhante, aqui vai o que acabei por descobrir.
 
Faz-se assim:
- Abre-se a janela “parâmetros”, depois activa-se o comando “conta”;
- Pica-se então em “desactivar”;
- Vai daí, entra-se com os respectivos dados;
- Depois pica-se em “desactivar a minha conta”.
Tudo bem. Mas, atenção! Todos os dados, perfil, fotografia, ligações, lista de “amigos”, etc., ficam, quietinhos dizem eles, nos servidores do tal “Facebook”, o que, evidentemente, quer dizer prontos para ser utilizados, sabe-se lá como ou por quem.
 
Quem queira livrar-se mesmo deste campo de concentração electrónico terá que trabalhar mais um bocado:
- Pica em “acolhimento” (o léxico pode variar), depois selecciona, em baixo, à direita, “a propósito”, “publicidade”, etc.;
- Vai ter a uma coisa que se chama “confidencialidade”, na rubrica “modo de emprego”;
- Desce pelo texto até à secção “políticas de confidencialidade e segurança na internet”;
- Agora, pica em “desactivação, supressão e contas de defuntos”;
- Escolhe a segunda opção, “quero suprimir a minha conta de forma definitiva”;
- No primeiro parágrafo, a máquina reza o conselho de “desactivar a conta conforme previamente explicado”(!), isto é, ficando lá tudo na mesma;
- No fim da última frase do segundo parágrafo pica em “aqui”, para enviar um formulário requerendo (não ordenando, note-se) a supressão definitiva da conta;
- Surge então uma simpática e muito democrática mensagem, chamando a atenção do infeliz para que jamais poderá reactivar a conta ou recuperar o seu conteúdo;
- Para confirmar, pica em “enviar”;
- Agora, pedem a palavra passe;
- O “cidadão” bota a palavra passe;
- Não sendo suficiente, mandam-no digitar o “código de segurança”;
- O “cidadão” digita.
 
Julga que chegou ao fim. Nem pensar!
- Tem de ficar à espera de uma “mensagem electrónica que lhe será enviada para autenticar o pedido”;
- Responde, autenticando.
 
Acabou-se? Não queria mais nada?
- Tem quinze dias para pensar;
- Se, durante estes quinze dias o filhinho do “cidadão” resolver ligar a máquina àquela coisa, está frito;
- De novo no “Facebook”, se quiser sair… volta ao princípio.
 
Voilá.     
  
Não sei se os manuéis alegres e as anas gomes da nossa praça (lá vem a política…), sempre tão preocupados com aquilo a que chamam “direitos humanos”, se preocupam com as miríades de ditaduras desta natureza que andam por aí a condicionar a vida de cada um e a transformar aquilo que poderia ser um instrumento de liberdade num antro de ditadores apostados em tornar a pessoa humana num escravo dos big brothers que fabricam.
Também não sei se alguma “entidade”, da multidão de “entidades”, “autoridades”, “agências” que o socialismo criou e nós pagamos para fiscalizar a nossa vida, alguma vez se debruçou sobre este tipo de coisas, nem se as “comissões” que por aí andam à nossa custa, como a de “protecção de dados” são “competentes” para fazer seja o que for a este respeito.
 
Estamos entregues aos bichos, às bichas, às “entidades”, às “autoridades”, às “comissões”, às “agências”. E ao Pinto de Sousa.
Gaita.
 
24.1.10
 
António Borges de Carvalho

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D