Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

31 DE JANEIRO

 

Em 31 de Janeiro de 1892, a republicanite aguda que, por mimetismo francófilo, se espalhava em certos meios intelectuais e tinha adeptos na pequena burguesia urbana e nas Forças Armadas, decidiu que a culpa da cedência ao ultimato inglês nada tinha a ver com a política europeia em relação às colónias, nem com as exigências da potência marítima universal que era o Reino Unido. Tratava-se de "crime de lesa Pátria", atribuível, em exclusivo, a uma pessoa, o Senhor Dom Carlos, e a um regime, a Monarquia Constitucional.
Excitados por sentimentos nacionalistas e coloniais que fariam Salazar roer-se de inveja, houve uns tipos, uns heróis, dirão os alegres, os soares e o GOL, que fizeram uma arruaça no Porto com o fim de implantar a República.
O Senhor Dom Carlos, a quem qualquer historiador isento atribui qualidades diplomáticas de excepção, era o bode expiatório do republicanismo nascente. De tal forma que acabaria por ser barbaramente assassinado. Assassínio que, na historiografia alegrista, soarista e GOLista, é um acto nobre, fundador dessa coisa a que chamam república. Pois é. Um acto de moral republicana.
 
A República (a do 5 de Outubro) foi um regime miserável, confuso, disfuncional, persecutório, intolerante, colonial, baseado em ódios mesquinhos, caldeado em perseguições, repressão, assassínios, prisões, deportações, garrote do sindicalismo e pasto de bandos armados e de máfias secretas, alimentado pelo terrorismo bombista e pela intimidação sectária, tudo isto com base “democrática”, entendida a democracia como o triunfo do caciquismo, das chapeladas, das fraudes e da mais infrene sanha pela conquista do poder.
 
A República (a do 28 de Maio), a que os alegres, os soares e o GOL recusam o nome apesar de jamais ter sido outra coisa, mais não foi que a consequência directa, inevitável, fatal, a filha natural da do 5 de Outubro. O país reorganizou-se, tendo como base a autoridade autoritária e policial de um regime que adoptou como filosofia a “apagada e vil tristeza” do poeta, a modéstia dos conventos, o isolamento dos ilhéus, que conseguiu a “paz” civil através da polícia, no fundo o mesmo processo da do 5 de Outubro, mas sem roupagem democrática e com maior sucesso. A República do 28 de Maio seguiu, com empenho e eficácia, as teses coloniais da do 5 de Outubro, que acabariam por ter o triste fim que tiveram.
Neste aspecto, em mais uma das nobres atitudes que os caracterizam, os seguidores do 5 de Outubro viraram o bico ao prego e passaram a ser ferozmente anti-coloniais, o que quer dizer que, quando se trata de abater o inimigo e conquistar o poder, qualquer coisa serve, nem que seja trair o pai.
 
A República do 25 de Abril ou, mais propriamente, do 25 de Novembro, é o que está à vista. Um regime que teria condições para, finalmente, funcionar a contento e em liberdade, não fora o pecado original do socialismo constitucional, não fora ter adoptado uma articulação de poderes que não é carne nem peixe, não fora ter deseducado as pessoas no que às suas obrigações cívicas diz respeito.       
 
Não pode haver maior vergonha para o país que esta história de comemorar a República.
Repare-se que, ao contrário do que sucede em países que têm alguma admiração patriótica pelas instituições, não houve em Portugal o mais leve bulir da sociedade civil a este respeito. Não houve cidadãos, nem empresas, nem instituições (à excepção do GOL), nem universidades, nem nada, que, espontaneamente, se interessasse pela coisa, não houve uma subscrição, um abaixo-assinado, nada que revelasse empenho da sociedade civil em tais comemorações.
Trata-se de iniciativa meramente oficial, como se o povo, apesar de “injectado” com as mais diversas e despudoradas aldrabices históricas, tivesse, no fundo da consciência, a certeza de que a República jamais o serviu.
Trata-se de coisa financiada com dez milhões de euros do dinheirinho dos nossos impostos, sem um chavo proveniente de voluntarismo social.
Trata-se de comemorações que nada têm a ver com o país, a não ser na medida em que o prejudicam.
Prejudicam mais do que financeiramente. Não vai ser só o prejuízo de sermos matraqueados durante um ano inteiro com sessões solenes, paradas, visitas dos alegres à campa do Buíça e demais vergonhosas patacoadas do género.
Imaginando o que vai ser, nas escolas, a propaganda do alegrismo/soarismo/golismo, pode perceber-se o monumental rombo moral e educacional que vamos ter na nossa já tão confusa e mal educada juventude.
 
31.1.10
 
António Borges de Carvalho

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D