Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

HISTÓRIA ZAROLHA

 

Há muitos anos, ouvi contar este horror:

Um amigo do meu avô materno, malaguenho de nome Gross, esteve refugiado na nossa casa durante não sei quanto tempo – antes de eu nascer - fugido das atrocidades da guerra de Espanha. Era de uma família franquista e tinha um irmão. O pai, um dia, foi preso pelos republicanos, ou comunistas, ou esquerdistas, ou o que lhes queiram chamar. Passou fome de rabo na prisão. Até que, um dia, com a barriga a dar horas, foi presenteado com um magnífico bife. Devorou-o. Depois, os carcereiros levaram-no a outra cela, onde o seu filho mais velho jazia morto, nu, com um naco a menos numa perna.

- Vês de onde saiu o bife que comeste? – perguntaram-lhe.

O homem caiu redondo, morto também.

Conto esta tão espanhola tragédia, não para acusar seja quem for de atrocidades tais, mas para sublinhar que a guerra de Espanha foi um nunca acabar de selvajarias, praticadas por um e outro lado do conflito. Não vale a pena citar as malfeitorias do franquismo, porque essas são propagandeadas todos os dias por toda a parte. Acredito.

 

No regresso da Monarquia, os espanhóis adoptaram uma postura de paz civil, ou porque a memória da guerra estava ainda presente em muitos dos que a tinham vivido, ou por simples bom senso e sentido de futuro.

Aos poucos, porém, o ódio voltou a comandar muitas cabeças. Criou-se então a querela da “memória histórica”, coisa que para mais não serve que para recriar acontecimentos que há já pouco quem tenha vivido. O que, objectiva ou propositadamente, recria sentimentos, emoções e malquerenças que, hoje, já a ninguém aproveitam.

Os historiadores que façam a história, da forma isenta, distante e rigorosa, própria do espírito científico e da lhaneza intelectual.

O que se passa nada tem a ver com isenção, distância e rigor. Trata-se de puro vasculhar na consciência de cada um, à procura de um ódio que devia pertencer, em exclusivo, à tal História.

 

Não sei se o juiz Baltazar Garçon tem competência para mandar exumar cadáveres de revolucionários abatidos pelo franquismo. Não sei se tem competência para julgar seja quem for, isto é, para andar à caça de torcionários que o foram do lado da História de que o senhor Garçon detesta. Não sei se o que se passa é simplesmente uma consequência da ânsia de protagonismo do célebre magistrado. Não sei se os crimes da guerra de Espanha devem, ou não, ser imprescritíveis.

O que sei é que o senhor Garçon foi competente para emitir um mandato de captura internacional para o torcionário Pinochet, mas não se considerou competente para fazer o mesmo a respeito do torcionário Fidel Castro, primeiro com a desculpa de se tratar de um chefe de Estado, depois sem desculpa de espécie nenhuma.

 

Ressuscitar a chamada “memória histórica” é, em si, um erro clamoroso.

Ressuscitá-la como olhos tão zarolhos como os do juiz Garçon e de tantos outros, sedentos de sangue e de póstuma vingança, é, pelo menos, um crime de lesa Pátria.

Tão espanhóis eram uns como outros. Tão selvagem foi o que uns fizeram como o que fizeram os outros. Fazer disso coisa actual é de uma desonestidade sem nome.

 

17.4.10

 

António Borges de Carvalho

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D