Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

UMA QUESTÃO CULTURAL

 

Em anúncios de imprensa, vem a Guarda Nacional Republicana informar a plebe sobre as iniciativas que promove, comemorativas dos seus 99 anos e, sobretudo, dos 100 anos de República.

 

Em 1834/35, o Senhor Dom Pedro IV transformou a Guarda Real de Polícia, fundada por Pina Manique no dealbar do século XIX, em Guarda Municipal, primeiro em Lisboa, depois no Porto.

 

Imposta a República, o governo provisório tratou de extinguir as Guardas Municipais e, sem mexer noutra coisa que não no nome, transformou-as em Guardas Republicanas. Em 1911, o regime imposto criou a Guarda Nacional Republicana, hoje ainda existente com o mesmo nome, como força militar de polícia e segurança interna.

 

Há, pela Europa fora, uma série de corpos militares com missões congéneres às da GNR, a Gendarmerie francesa, os Carabinireri italianos, etc. Nenhuma destas forças se chama “republicana”. Para encontrarmos tal designação teremos que ir até ao Irão ou a países de semelhante “calibre” cultural e político.

 

A substituição da Nação pela República, ou a confusão entre os dois conceitos, é privilégio dos exageros jacobinos da nossa infeliz República. Assim foi na primeira República, na segunda – Salazar foi o grande estabilizador do regime imposto – e na terceira, em que vivemos.

Não é por acaso que a Constituição de 1976 começa com a afirmação “Portugal é uma República”. Não é uma Nação, um país, um Estado.

A História é cultural e conceptualmente pervertida ao definir Portugal desta estúpida forma. Se definir é marcar os limites, pode concluir-se, a partir de tal e tão basilar afirmação, que a fundação de Portugal se deu em… 1910. Pois se Portugal é uma República, o que antes dela havia outra coisa era, que não Portugal.

 

A ultramontanice dos fundadores da República foi, e continua a ser, repetida com a mesma inferioridade conceptual que chamou à guarda nacional “republicana”, inculcando que lhe cabe defender a segurança da Nação se e quando esta for uma República, tal não lhe cabendo se o não for.

 

A propaganda da GNR vai, porém, mais fundo. As comemorações destinam-se a sublinhar o papel da GNR no 5 de Outubro (estranhamente porque, em 1910, a GNR não existia!) e no 25 de Abril. Parece que a GNR não existia no 28 de Maio, não teve um papel no 28 de Maio nem durante a segunda República nem foi o braço armado da ditadura republicana do doutor Salazar, que serviu cega e violentamente, sempre que para tal foi chamada pelo poder.

 

A História, no que à República, de agora e de antes, agrada, não é a História, é uma história que se inventa, ou sublinha, conforme as conveniências do momento.

 

Misteriosamente, a GNR apaga, ou esconde, pelo menos em termos de propaganda, quase metade do seu passado. Não é por isso que deixa de o ter tido. Culturalmente, esta atitude consubstancia uma inferioridade igual à que consiste em chamar-lhe “republicana”, ou a confundir Portugal com a República.

 

A importância deste tipo de “cultura” está em que, para o povo em geral e para as novas gerações em particular, se “vende”, sem pudor nem decência intelectual, uma visão oblíqua e retorcida da História, como o fizeram Lenine, Hitler e quejandos.

 

Quem não tem memória não tem futuro. Quem tem a memória torcida ainda menos.

 

25.4.10

 

António Borges de Carvalho

2 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D