Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

O SEXO DOS ANJOS

 

A crise tem tido inúmeros efeitos colaterais, quer dizer, fornece aos interessados as mais variadas desculpas.

É boa desculpa para os desmandos e a incompetência do governo, depois de 5 anos a gastar dinheiro, a prometer mundos e fundos sem nada cumprir, a meter-se nas mais inacreditáveis estrangeirinhas, com este gran finale das confusões com PEC’s e mais PEC’s, cada um mais estúpido que o precedente.

É má desculpa para o Presidente espezinhar, em nome dela, os seus próprios princípios.

A crise serve para tudo. Até para fazermos os possíveis para a disfarçar.

 

É assim que as classes supostamente pensantes, políticos, jornalistas, professores, intelectuais, etc., andam entretidíssimas com a peregrina história das eleições presidenciais. 

Que importância têm as eleições presidenciais? É uma boa pergunta, a que ninguém em boa consciência saberá responder.

 

Como é possível que as elites e, por influência delas, o povo em geral, se preocupem com a eleição de um senhor destinado a passar a vida a dizer coisas, e pouco mais do que isso?

Onde está a influência de tal senhor, para além de espicaçar o governo em discursos e em entrevistas de rua, qual treinador de futebol ou menina das telenovelas?

 

O que pode, verdadeiramente, tal senhor?

Não nos pode representar a todos, porque foi eleito por uma parte de nós e “deseleito” pela outra.

Representa a República? Sem dúvida. É o que diz a Constituição, por uma vez acertadamente. Em parte alguma está escrito que representa os portugueses, muito menos “todos os portugueses”, como reza a propaganda.

Quem representa República não pode, como todos os presidentes têm feito, andar a deslocar-se e a desbocar-se, em Portugal e lá fora, sobre coisas da política interna em que toma partido com frases sibilinas e críticas encobertas ou envergonhadas.

É por causa deste cargo que a Nação inteira anda a fazer contas? Parece que sim.

Vale a pena? Evidentemente que não.

 

A única vez que um Presidente exerceu o poder político que tem foi para cometer um indecente golpe de Estado, ilegitimamente destruindo uma maioria legítima, só porque tal maioria lhe não agradava. E para criar condições para pôr a sua gente no poder. 

O crime compensou, para o PS. Para o país, está à vista a obra do Presidente.

 

A falácia que o classifica o Presidente como representante “de todos nós”, começa, uma data de meses antes de ser eleito, a monopolizar as opiniões para um problema que não existe.

 

Trata-se de um impotente político com uma bomba de hidrogénio na gaveta. Para quê?

Passo a explicar.

Para dar ao governo desculpas de vária ordem. Para ser “força de bloqueio”.

Para se armar em “reserva”.

Para evitar que o governo caia, em nome de uma estabilidade que a ninguém devia interessar.

Para ajudar a empurrá-lo pela porta fora, como se isso fosse encargo seu.

Para desculpar a oposição de não cumprir as suas obrigações.

O Presidente da República, no nosso quadro constitucional, é um empecilho incómodo e desgastante.

 

Porque não eleger o Presidente no Parlamento, ou num colégio eleitoral restrito, em vez de gastar milhões de euros de impostos e de energias das pessoas, como se as governasse ou devesse governar?

 

Já que, por desgraça histórica, Portugal se viu privado de que representasse a Nação (coisa constitucionalmente inexistente), então que se arranje um homem bom, culto, bem educado, que fale três ou quatro línguas, que saiba estar em toda a parte, um senhor que não nos envergonhe e que nada tenha a ver, senão formalmente, com os negócios circunstanciais, em vez de um tipo com 51% dos votos, encarregue de andar metido em tudo e em coisa nenhuma.

 

Porque não se acaba de uma vez por todas com esta palhaçada do semi-presidencialismo à portuguesa?  

 

Não, não se acaba. A inteligentzia pátria não é capaz de perceber que as pessoas devem eleger os detentores do poder, não os berloques do regime republicano. 

Quem criou a coisa andava às ordens de duas escolas bem claras: o francesismo universitário, sem sequer o saber interpretar, e o jacobinismo histórico, que levou a abjurar de tudo o que pudesse cheirar a II República, sem ter em conta que, em Portugal,  quem inventou a eleição do Presidente por sufrágio universal foi o Estado Novo!

 

Portugal tem uma aversão brutal às coisas sérias. É por isso que se entretém, “guiado” pelas suas “elites”, com a veemente discussão das eleições presidenciais.

 

Os bárbaros (a miséria) à porta, e nós a discutir o sexo dos anjos.  

 

30.5.10

 

António Borges de Carvalho

2 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub