Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

BONS SENTIMENTOS

  

A organização comunista chamada Bloco de Esquerda espalhou por toda a parte uns cartazes avisando o Zé-povinho que há uns seis ou sete cavalheiros que “nunca apertam o cinto”.

Junto à fotografia de cada contemplado, o montante dos respectivos rendimentos de trabalho.

Partamos do princípio que os números são exactos.

 

Antes de mais, diga-se que qualquer dos senhores retratados paga, em impostos, goste ou não goste, uns 40% das verbas parangonadas pelo BE, percentagem a aumentar em breve. Assim, haverá o cidadão que dividir por cem a “informação” do Bloco, depois multiplicá-la por sessenta, e terá à sua frente um número mais honesto.

Mesmo assim, dir-se-á, os fulanos ganham um balúrdio. É verdade. Deverá, porém, acrescentar-se que os tais 40% que entregam ao Estado (a “todos nós”, como diria o Bloco) seriam galinha da perna para os accionistas das respectivas empresas, em dividendos, se ganhassem menos e pagassem menos. Não seriam para “todos nós”, em impostos.

 

Note-se agora que todos os alvejados são manda-chuvas de empresas privadas.

Não é privilégio nem direito dos partidos políticos ou do Estado pronunciar-se sobre os seus vencimentos. O que podem fazer, se quiserem, será reclamar que os castiguem com ainda mais impostos. Tal nada tem a ver com a soberana decisão dos respectivos patrões de lhes pagar o que muito bem entendem.

Acresce que, no mar de desemprego e de miséria em que o socialismo nos mergulhou, há para aí umas cem mil pessoas que trabalham, que têm tem ordenado e garantias sociais no conjunto das empresas tidas e/ou geridas por tais manda-chuvas e que, se os patrões lhes pagassem menos, se calhar eles estavam-se nas tintas e iriam pregar para outra freguesia, teoricamente pondo em causa os empregos daquela malta toda, que passariam a ser geridos de outra forma, quiçá menos competente.

 

Finalmente, os magníficos comunistas do Bloco esquecem, não por acaso, a chusma de gestores do Estado que perdem milhões (dos “nossos”) e que andam de empresa em empresa a fazer a sua “obra” e a receber (do “nosso”) como nababos. Na certeza que, se “houver azar”, têm sempre um “lugar de recuo”.

 

O Bloco, como o PC e a sua agência CGTP, dedica-se à destruição do privado e à manutenção ou alargamento do público, com as dramáticas consequências que, por todo o mundo, civilizado ou não, tais teorias “socais” não se cansam de espalhar.

O Bloco destina-se a convencer as pessoas da monumental falácia que é pensar que, se há pobres é porque há ricos e que, se se tirar aos ricos, os pobres ficarão, automaticamente, cheios de “bago” e de regalias. Para tal, há que espevitar os mais baixos sentimentos da população, alimento privilegiado das mentes “comunizadas” e “comunizáveis”. A invejosa publicidade bloquista não significa outra coisa.

Apontar aos portugueses o caminho para a miséria e a servidão, eis a missão desta gente, conscientemente concebida e aplicada.

 

Diga-se, aos que já estão a afiar a faca contra o IRRITADO, que ele não acha propriamente adequado que se ganhe demais num país como o nosso. Por outro lado, o IRRITADO não faz, nem nunca fez, parte dos que ganham ordenados principescos.

Mas tem a noção exacta do que podem ser as consequências da propaganda comunista. Não para si, que não tem muito a perder. Mas, sobretudo, para aqueles que quase nada têm a perder e que, se forem neste tipo de conversa, perderão tudo o que têm, mais duas coisas: a liberdade e a esperança.

 

16.6.10

 

António Borges de Carvalho

17 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub