Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

O BLÁBLÁ

 

O camarada Alegre habituou-nos, desde há longos anos, ao fogo-fátuo das suas tonitruantes declarações.

Bláblá para a esquerda, bláblá para a Pátria, bláblá para o povo, zero de conteúdo, bláblá e pronto, está tudo dito.

 

Ficava-lhe bem a alcunha de Bláblá. O IRRITADO desde já a propõe.

 

Agora que é, ou vai ser, candidato presidencial, o bláblá do Bláblá intensificou-se.

Como ser PR é uma coisa que, a começar pelos candidatos, ninguém sabe para que serve, nem que poderes tem, nem o que é suposto fazer ou dizer, sejamos justos, bem merece o bláblá do Bláblá.

 

Uma eleição que confunde as pessoas com “mensagens” miríficas, ribombantes declarações de princípios e de “promessas” que jamais poderão ser cumpridas, é uma estúpida forma de enganar as pessoas, de as fazer ir votar exclusivamente por simpatia pessoal, ou para evitar o pior - julgam elas - , ou por ter “sentimentos” de esquerda ou de centro ou de direita, ou a benefício de inventário, na certeza que, para além de escolher um estilo, tal voto para pouco serve. Ressalve-se o caso do Dr. Sampaio e do seu golpe de Estado.

 

Quando surgirá o menino a dizer que o imperador vai nu, isto é, que o PR jamais devia ser eleito por sufrágio universal e que devia representar (atenção, representar) a República (atenção, a República) a partir de uma eleição parlamentar, ou colegial? 

Ao menos não se gerava esta abominável confusão a que há quem chame coabitação quando o Presidente vem de um lado e o governo do outro, nem a horrível concentração de poder quando vêm os dois do mesmo.

Acabava-se com a dupla legitimidade popular, coisa que não é preciso ser muito inteligente para perceber que não pode funcionar e é de duvidosa legitimidade.

 

Bom, deixemo-nos de teorias, porque esta é sobre o camarada Bláblá.

Veio o nosso poeta à televisão dizer de sua justiça. Foi magnífico. Primeiro, entreteve-nos com especiosíssimos pensamentos sobre a profunda diferença entre “cooperação estratégica” e “cooperação institucional”. Como ninguém terá percebido, desatou a dizer que o presidente não pode meter-se com o governo, como faz o actual, mas tem a obrigação de se meter com o governo quando for caso disso, isto é, quando o Bláblá for presidente. Depois, lá vai ele de longada a atacar o Doutor Cavaco a torto e a direito, ou esquerdo, certamente porque lhe estava a faltar o bláblá.

Enfim, o nosso Bláblá blablou em conformidade com o que se espera dele.

 

Não é possível acabar estas singelas palavras sem um referência elogiosa ao que foi o clou da entrevista, o verdadeiro coroar do raciocínio político do nosso tão sonoro Bláblá.

Disse ele que há uns canalhas, uns tipos de inspiração neo-liberal, que desataram a emprestar dinheiro a quem lho pedia. Agora, calcule-se, os mesmos canalhas andam para aí a querer que lhes paguem o que devem! Notável. Então não querem lá ver que os fulanos, lá porque emprestaram a massa, a querem de volta? Era o que faltava! Gangsters!

Já o Amin Dádá já dizia o mesmo, porque não há-de o fazer o Bláblá?

 

25.6.10

 

António Borges de Carvalho

3 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub