Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

MARAVILHAS DA MORAL REPUBLICANA

 

Pacheco Pereira (o historiador, não o político) escreveu um artigo digno de nota, ou mais digno de nota que outros.

Para quem, como o IRRITADO, quando escreve sobre as comemorações da “república”, prefere citar autores republicanos, César de Oliveira, Vasco Pulido Valente, etc., sempre historiadores sérios que, como tal, não podem deixar de dizer a verdade, é um consolo ver Pacheco Pereira opinar sobre a I república, confirmando, como qualquer pessoa minimamente isenta, as opiniões do IRRITADO a respeito de tão brutal desgraça.

 

Diz ele, por palavras suas, que as actuais comemorações andam, pelo país inteiro, a injectar aldrabices pseudo-históricas na cabeça de criancinhas inocentes e de adultos crédulos e ignorantes. Não são comemorações da república em geral, mas da I república em particular. Coisa que, tem dito o IRRITADO, merece tudo menos ser comemorada.

Os filhos da viúva que ainda por aí vegetam, os jacobinos que ainda não deram pela obsolescência própria, os mários soares, os alegres & companhia, esperneiam que nem porcos no dia da matança, a gritar que a II república não foi uma república, que esta é a segunda, não a terceira, e outras concomitantes bacoradas “históricas”.

 

Vejamos algumas das constatações da realidade histórica, escritas por Pacheco Pereira, historiador.

O que se anda para aí a comemorar, diz ele, é a I república, “através da imagem laudatória e mítica que se fixou nos anos de oposição ao regime do Estado Novo”. E continua, na senda do que o IRRITADO não se tem cansado de dizer: “o regime de Salazar e de Caetano não só foi republicano na forma, como o foi muitas vezes mais do que na forma, na essência, sendo que a Salazar se deve o fim da querela república-monarquia que até aos anos 50 se mantinha viva. Só que era outro tipo de republicanismo, não o que estamos a comemorar.”

A I república, diz Pacheco Pereira como o IRRITADO tem dito, “era intolerante, pouco democrática, anti operária, anti sindicalista, tão corrupta como todos os regimes, tinha uma clientela venal e convivia bem com milícias violentas bem como com o embrião de uma polícia política, a partir da qual a própria PVDE, depois PIDE, depois DGS, evoluiu. Havia eleições, mas dificilmente se podem considerar mais que um simulacro… num sistema que funcionava na base do clientelismo e do patrocinato, a favor do Partido Democrático… Havia mais censura do que se imaginava e as perseguições políticas eram comuns, assim como o número de presos e de deportados… assassinatos políticos, em particular a célebre noite sangrenta…”.

O Estado Novo (a II república), segundo Pacheco, “instituiu todas as formas de violência”. O constitucionalismo monárquico, “que os republicanos ajudaram a denegrir era, esse sim, muito mais tolerante que a I República. Basta ler As Farpas… os Pontos nos is, o António Maria, a Paródia, para o perceber.

 

Só falta a Pacheco Pereira, como bom republicano, chegar à conclusão lógica do seu pensamento: a república, tanto na sua primeira como na sua segunda versão, não é coisa que se comemore, mas que se abomine.

 

… convém não nos iludirmos, diz Pacheco… (quanto a que) as comemorações deste ano conseguiram ultrapassar de forma significativa a visão do republicanismo maçónico e jacobino, preso à mitificação da I república, e sem perspectiva crítica”.

 

Pacheco fecha o escrito com um “Viva a República!”, o que só nos diz até que ponto um republicano sério pode sê-lo sem recorrer às aldrabices institucionalizadas em que um país inteiro se vê mergulhado durante o ano inteiro.    

 

19.7.10

 

António Borges de Carvalho

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D