Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

Sim ou Não

Publiquei, em 2001, um livrinho, de seu título “O Presidente de Nenhum Português”. Entre outras matérias, nele falava sobre o referendo. Não um referendo específico, mas o referendo em geral, enquanto instituto jurídico. Procurava demonstrar a sua natureza anti-democrática, mais precisamente defender a opinião de que se trata de intolerável entorse à democracia representativa, a única que Democracia considero.
O referendo é uma forma de desresponsabilizar os eleitos, atirando decisões que lhes são próprias para as costas dos eleitores. Com a agravante de cortar as pernas aos eleitos seguintes, no que diz respeito à sua legitimidade para alterar regras por referendo estabelecidas.
Uma explicação mais profunda desta opinião não cabe nem no espaço nem no espírito de um blogue. Mas talvez valha a pena dizer alguma coisa sobre o molho de nabiças em que os eleitores estão outra vez metidos a propósito do aborto.
 
É pública e notoriamente evidente que a esmagadora maioria dos portugueses, ou não sabe como há-de votar, ou se recusa a exprimir opinião sobre o assunto. O que quer dizer que intui que, se elegeu um parlamento, o fez na legítima presunção de estava a entregar a alguém a tarefa de decidir sobre o assunto, guardando-se o direito aceitar serenamente o legislado, de contra ele protestar e, sobretudo, de vir a eleger quem decisão contrária possa vir a tomar.
No primeiro referendo, ganhou o não. Esse não amarrou o legislador, sendo que só por novo referendo é, politicamente, possível alterar a lei de que a actual maioria parlamentar não gosta. Se ganhar o sim, será preciso esperar por outra maioria, com diferente opinião, que promova outro referendo, ou que algum movimento de opinião o motive, nos termos constitucionais. Se ganhar o não, o mesmo se passará. O que quer dizer que, nesta matéria, os representantes do povo ficam ad aeternum com a capitis deminutio que o referendo provoca, o que é uma entorse grave ao princípio da alternância.
 
É claro que isto não pode deixar estar na origem da monumental campanha de aldrabices a que vimos assistindo.
Do lado do sim, propagandeia-se a “despenalização”. Falso. A verdade é que o que pretendem é que tal despenalização se verifique até às dez semanas de gestação, continuando, nas semanas seguintes, a ser crime. Ninguém, em boa lógica, poderá achar que um aborto realizado no septugéssimo dia de gestação não é crime e, ao mesmo tempo, defender que, se a senhora perder o combóio e o fizer ao septuagéssimo primeiro vai para a cadeia. O que o sim, substancialmente, propõe, é a criminalização do aborto após as dez semanas. Com a agravante de que, ganhando o sim, deixa de haver qualquer sombra de justificação para a actual permissividade judicial em relação às mulheres que abortam. Ganhando o sim, os “estabelecimentos autorizados” a abortar nas primeiras dez semanas ficarão, implicitamente, proibidos de o fazer depois das dez semanas, pelo que o aborto clandestino (outra arma que o sim passa a vida a brandir) continuará a fazer o seu glorioso caminho sem que nada o possa estancar. O cinismo do sim é revoltante.
Do lado do não, revoltante é a incoerência. Uma vez que não é possível estabelecer a partir de que momento o ser que cresce na barriga da mãe é pessoa humana, ou sujeito de direitos, alternativa não resta que não seja a de considerar que o é a partir da fecundação. Se assim é, e parece sê-lo para os partidários do não, o aborto é sempre crime. Ora os partidários do não tecem as mais rebuscadas considerações sobre o que poderíamos chamar a perdoabilidade do aborto, sem cuidar, sequer, de estabelecer o limite temporal que os seus adversários pudicamente adiantam. Encabeçados por figuras da mais alta responsabilidade (por exemplo o Cardeal Policarpo) e da mais rebuscada irresponsabilidade (como o comentador Rebelo de Sousa), desdobram-se em teses de “compreensão” e de “humanismo”, na essência significando que o aborto é um crime que, ao contrário dos demais, a sociedade não tem o direito de punir. Há nuances, reconheço, nas posições do não. Mas a incoerência lá fica. Quem se ativer ao tipo de argumentos expendidos por este sector, será levado, se for coerente, a votar sim. Pela muito simples razão de que, se se é contra o aborto, mais valerá que ele seja punido quando praticado após as dez semanas do que deixá-lo num limbo de tolerância até aos nove meses.
 
Há dias, travei o diálogo que segue com um meu conhecido:
- Se votares, votas sim ou não?
- Voto sim.
- Porquê?
- Porque costumo votar à esquerda. Como, grosso modo, a esquerda é pelo sim
É um critério respeitável. Aplica-se, direitinho, aos eleitores de direita. Pois que votem não, se é desse lado que costumam votar.
Um critério utilíssimo para todos os que, à esquerda e à direita, não são capazes de se entender com o assunto, estão perdidos na floresta de enganos em que os meteram e se sentem irritados pelo logro.
 
Uma nota final. Ontem, num daqueles debates da RTP liderados por uma senhora inacreditavelmente mal vestida, lá estavam os representantes dos dois exércitos, batendo-se como animais ferozes. Muito bem, batam-se à vontade.
O problema é que a esmagadora maioria dos portugueses não estava representada: os que não vão votar e os que não sabem como fazê-lo. Alguém que fosse capaz de denunciar as falácias com que os guerreiros se atacaram.
 
António Borges de Carvalho
 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub