Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

HISTÓRIA REPUBLICANA

 Vejam bem como se faz história:

 

(Há) dezenas de exposições, umas já patentes ao público, outras a inaugurar em breve, que traçam a história dos homens que forçaram a queda da monarquia e abriram, no Portugal arcaico e periférico, caminho a uma sociedade nova.

 

Os  homens que repeliram o velho País… deixaram um legado plural… os rostos, os corpos, o viajar por prazer (???) ou a resistência à ditadura salazarista em nome de uma sociedade democrática, são objecto das exposições acima referidas.

 

Há mais: uma exposição itinerante, com uma viatura adaptada, duas tendas e uma equipa de mediação (???), que desde o início do mês e durante todo o ano, levam história a mais de cem concelhos do país…

Evocam-se nomes, rostos, gestos. É um Portugal a sacudir a herança medieval (???).

 

Estes magníficos pedaços de prosa estão, preto no branco na edição de ontem do jornal do “amigo Oliveira”.

 

O "Portugal arcaico" tinha conservado o 'núcleo duro' do Império - que a república tanto prezava - apesar dos ataques de que fora alvo.

O "Portugal arcaico" tinha um conjunto de escolas universitárias que faziam inveja a muita gente, mais rica e mais 'culta'.

O "Portugal arcaico" tinha um conjunto de linhas-férreas que metiam num chinelo muito boa gente, e que, nos cem anos de república, não foram desenvolvidas, antes (ainda hoje!) são desactivadas ou abandonadas.

O "Portugal arcaico" vivia há 80 anos num regime político que, mutatis os mutandis temporais, era tão democrático como o de hoje.

O "Portugal periférico" era visitado pelos chefes dos mais importantes países da Europa, numa 'corrida' diplomática coroada de enormes êxitos.

 

Pode dizer-se que, neste “Portugal arcaico e periférico”, o sistema político, apesar dos esforços do Rei, funcionava mal. A república, porém, repetiu e aumentou todos os defeitos do sistema que abateu.

Os homens que “repeliram o velho país” deixaram, é verdade, “um legado plural”: o legado da desordem, da bomba, do terrorismo, dos assassínio políticos, da repressão, da ausência de liberdade de imprensa, das perseguições religiosas, das deportações dos adversários e dos sindicalistas, da proibição de partidos políticos, das crises intermináveis, da bancarrota, da guerra. Mais pluralismo que isto é difícil.

Tenebroso legado, a fazer jus às suas origens, já que construíram o seu miserável regime sobre o cadáver de um Rei que assassinaram, um Rei que foi um patriota indomável, que sofreu pelo seu país, um diplomata emérito, um cientista de valor, um artista talentoso, um Homem admirado em toda a Europa. E expulsaram o seu Filho, valoroso e patriota como o Pai.

Deixaram o legado dos grupos terroristas armados, que mantinham ao serviço do novo regime e das suas mais obscuras facções.

Deixaram a inevitável criação de uma nova república, que os seus herdeiros negam apesar de a comemorar, uma nova república autoritária que o Povo aclamou por indispensável à altura, que consolidou a república que fundaram, que defendeu a sua herança imperial feita de abandono e de miséria, que teve como defeito maior o de ter querido eternizar-se e tê-lo conseguido.

 

Foi assim que o 5 de Outubro “sacudiu a herança medieval”.  

 

O país inteiro vive mergulhado numa crise de cuja enormidade só uma geração já desaparecida teria memória.

O país inteiro vive uma História esfrangalhada na monumental aldrabice que as “comemorações” do 5 de Outubro lhe impingem.

 

Se houve homens sérios na primeira república, e houve, foram traídos pelos seus próprios erros. Se vivessem hoje, faço-lhes a justiça de pensar que gostariam tanto como eu destas “comemorações”.

 

27.9.10

 

António Borges de Carvalho

 

 

AVISO - No dia 4 de Outubro, no Palácio da Independência, abre uma exposição sobre “A repressão da Imprensa na I República”. Deve valer a pena. Pelo menos, na esperança de que não se dê, em tal exposição, mais pontapés na História.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D