Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

UMA VERGONHA SEM NOME

 

Ontem, o representante dessa coisa absurda e ilegítima que dá pelo eufemístico nome de “Associação Sindical dos Juízes”, veio à liça em defesa da greve geral, ao ponto de dizer que a corporação está a estudar a participação dos dignos magistrados em tal coisa.

Isto, imagine-se, porque os ditos passam a ser taxados nos subsídios de renda de casa que o Estado lhes dá.

É sabida a rebaldaria que há na distribuição e utilização de tais dinheiros. Segundo os jornais têm referido, há juízes, não poucos, que receberão a massa tendo casa a dois passos, ou que a empanturram vivendo com a família ou equivalente. Por outras palavras, o taco que recebem transformou-se num reforço encapotado do vencimento, desta feita sem impostos, e não no pagamento de uma renda que, dentro de certos limites e condições, os juízes se vejam obrigados a pagar por residir longe da sua residência habitual.

Por outras palavras, trata-se de um privilégio abstruso e absurdo. Quando um profissional “normal” aceita ser colocado, durante uns anos, num determinado local, o que tem que fazer é mudar de casa, e pronto.

Com os juízes é pior. Sabem perfeitamente que a profissão que escolheram implica, durante a carreira, várias mudanças de local de trabalho com a consequente mudança de residência.

É possível que um largo número destes profissionais tenham embarcado na compra de uma casa, a que se consideram amarrados para a vida. Foi por isso - a segurança de emprego, ou seja, a paralisia pessoal que corta as pernas às pessoas e ao país - que escolheram ser empregados do Estado, ainda que veementemente recusem o “epíteto” de funcionários públicos. Que ideia! São órgãos de soberania!

Órgãos de soberania que têm sindicato e ameaçam fazer greve? O que é isto? É qualquer coisa que faz lembrar a república das bananas… podres.

Acresce que, das classes profissionais desta pobre terra, se as há privilegiadas em matéria de vencimentos, reformas, etc., a dos juízes é uma delas.

Se tivessem um mínimo de noção da dignidade dos lugares que ocupam, os juízes:

a) Não tinham sindicatos, já que, na sua opinião, não são funcionários;

b) Não faziam reivindicações do tipo das dos cidadãos comuns;

c) Seriam os primeiros a alinhar nos sacrifícios dos demais.

 

Para cúmulo da indignidade, os dirigentes da “Associação”, não encontram nada melhor, para defender a sua fuga a tais sacrifícios que exigir ao governo que lhes entregue a relação de todas as benesses, subsídios e gorjetas dos boys dos gabinetes.

Não se põe em dúvida que esta rapaziada goza de mordomias dificilmente aceitáveis, mas ir buscá-las, a título de ameaça ou vingança, é de uma baixeza sem nome.

 

A total ausência de dignidade e de brio por parte de uma classe para quem a dignidade devia ser coisa indispensável e motivo de orgulho e distinção, é talvez o sinal mais grave da degenerescência da democracia em Portugal.

Quem poderá meter esta gente na ordem? Não, não é o povo, que não a elege. Quem, então, se os órgãos a quem cabe vigiá-la se metem em copas e deixam andar o sindicato em roda livre?

Quando é que alguém explica aos juízes que a sua sagrada independência é a independência no acto de julgar, não é a de fazer o que lhes der na gana sem que ninguém lhes toque? Como é possível pedir responsabilidade aos portugueses se, aos mais altos níveis, se passa o que passa?

 

20.10.10

 

António Borges de Carvalho

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D