Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

WIKIMERDA

 

Um apátrida - pedófilo e violador segundo a Justiça sueca - inventou um novo negócio: bufar sobre segredos de estado, questões de defesa, correspondência reservada, documentação classificada, opiniões privadas, etc., isto é, tornar público o que público não é, nem deve ser.

Segundo o direito internacional e o Direito tout court, estas matérias costumam fazer parte do que só se “abre” vinte ou trinta anos depois do seu acontecimento.

Segundo parece, nenhum mandato de captura internacional foi emitido, o canalha escondeu-se em qualquer lado, transformou-se em herói da imprensa, fonte de manchetes tão ilegítimas como absurdas, quebra-cabeças para quem tenta correr com ele da net.

Se algum político, algum diplomata, voire algum cidadão comum, resolver opinar por escrito, ou por voz devidamente gravada, que o senhor Obama é um idiota e a senhora Ângela um coiro, que se devia queimar com napalm o ópio cultivado no Afeganistão e na Bolívia, eliminar o Amadinejá, ou coisas do género, sujeita-se ao opróbrio internacional e às críticas dos defensores da “transparência”.

A coisa serve à maravilha os instintos de alguns proclamados defensores dos direitos do homem que outra coisa não defendem que não seja a sua cor política e a sua luta por pessoal fama e proveito.

 

Entre muitos, dois exemplos domésticos:

 

1 - Ontem, no jornal privado chamado “Público”, o deputado comunista Rui Tavares, muito conhecido pelas viagens que faz à custa do Parlamento Europeu, dedica-se ao panegírico do canalha. Diz ele, cheio de radiosa alegria, que, graças à Wikimerda, se ficou a saber que:

- O Príncipe André, mancomunado com uns cazaques, vendeu a casa mais cara do que era suposto, o que é evidente sinal de corrupção;

- O Rei das Arábias disse que o Amadinejá era “a cabeça da serpente”;

- Os EUA não passam de um terrível Big Brother, que espia as contas bancárias de cada um, etc.

O deputado comunista, deliberadamente, esquece:

- Que o Príncipe André, como é evidente, não trata nem nunca tratou de vender casas, e que misturar o Cazaquistão com a história é capaz de não contribuir para nada de bom;

- Que “destapar” a opinião de Rei das Arábias sobre o Amadinejá é coisa que põe em risco a segurança mundial;

- Que, se os EUA não se põem a pau com as contas de certos artistas, apanham com mais uns aviões no focinho.         

 

2 - Nos últimos dias, saíram da obscuridade política onde habitualmente vegetam, duas figuras de proa da nacional bufaria:

- Um careca, aparatchik do PSD mais ou menos desde que nasceu (falha-me o nome do homem);

- Uma senhora conhecida pela sua total ausência de bom-senso - dona Ana Gomes, do PS.

Ambos, ciosos dos seus pergaminhos bufóides, apressaram-se em ressuscitar a história dos transportes de prisioneiros feitos pela CIA. Ambos puxaram pelos galões de “investigadores”. Bem fez o governo (alguma coisa bem feita há-de escapar nas entrelinhas da asneira) em não dar à casca e remeter as declarações dos bufos para o caixote. É evidente que lhes resta, falhado o objectivo nacional, continuar deitar achas para a fogueira internacional. Que diabo, são deputados europeus!

 

Conclui-se desta porcaria toda (desculpem os leitores o uso do vernáculo em epígrafe) que o que o apátrida e pedófilo canalha alimenta é a horda de profissionais do descrédito do mundo que os sustenta e lhes vai garantindo o bem-estar, a segurança, e toda a liberdade para asnear como muito bem entendem.

Acham que, contra os seus alvos de eleição - os do tal mundo - vale tudo, até vale alimentar a tese da legitimidade da Wikimerda.

 

2.12.10

 

António Borges de Carvalho

3 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D