Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

LOUÇAS & Cª

Almas puras e grandes defensores da “liberdade”, capitaneadas pelo Louça, por um senhor de nome Cintra Torres e por uma besta que é ministro do negócios estrangeiros na Austrália(!), andam por aí numa fona a demonstrar ao orbe a excelência moral da operação Wikileaks.

Trata-se, segundo os seus politicamente correctíssimos arautos, de um “novo paradigma”, de um enorme avanço na “liberdade” das pessoas, do nascimento de uma “nova era”, de bem-vindas “novas portas” que a idade da electrónica abre à humanidade.

Têm razão. É um novo paradigma, é a inevitável explosão do que de pior a internet criou: o anonimato, com o seu cortejo de irresponsabilidade, de ausência de escrúpulo, de fuga a qualquer norma moral ou cívica, de branqueamento da mais cobarde criminalidade.

Os chamados hakers, até há pouco criminosos de delito comum, passaram, de um dia para o outro, a heróis da liberdade. Os ladrões da internet passaram a jornalistas. Os traficantes passaram a honestos trabalhadores da informação. Um soldado traidor à pátria passou a paladino da “transparência".

 

O chefe, o patrão, o génio incompreendido que dá face à coisa, utiliza como chamariz publicitário a sua própria fronha amordaçada com a bandeira dos EUA. Uma imagem que define o inimigo, a intenção política que subjaz à “obra”. É esclarecedor. Diz-nos que o seu comércio não é o da informação, mas o de manobras políticas orientadas para o descrédito de uma nação cheia de defeitos mas, apesar de tudo, uma das maiores democracias do mundo, à qual devemos a liberdade propriamente dita, ou seja, a negação activa do totalitarismo e da mordaça.

Ao contrário dos passadores de droga e dos traficantes de carne humana, o patrão da trafulhice informática pode enriquecer à vontade à custa dos produtos que roubou e mandou roubar, pode vendê-los a quem quiser. Dá a cara, dirá quem me lê. Pois. Não é culpado de nada. Só publicita, só vende, só trata de material "que lhe mandam". Não roubou nada a ninguém, nem às pessoas nem ao Estado. É um santo.

 

Mais. O que o Wikileaks defende – o anonimato e a irresponsabilidade dos bandidos de cujas práticas é arauto – não pratica. Pelo contrário, exige a identificação de quem quiser dialogar com ele, assim criando valiosa base de dados, coisa vendável aos polícias da opinião com as indicações necessárias a perseguições de vária ordem.

Mas o génio é um herói. Se uma respeitável e democrática Justiça – a sueca – o acusa de coisas que nada têm a ver com o seu negócio, os Louças & Cª concluem que está inocente e proclamam tal inocência como dado adquirido e irrefutável. O homem, esse, aproveita para uma monumental campanha de publicidade, que está à vista de toda a gente.

 

O herói da Wikileaks está acima do Estado de direito, de nada pode ser, sequer, acusado. Nem pensar! O deus ex-máquina dos Louças & Cª é tão divino que a justiça dos homens nada deve poder contra ele. Tudo o que dele se disser é pura invenção.

 

Entretanto, não sei onde, uma gigantesca organização, valendo-se de omissões legislativas de diversa natureza, continua a trabalhar, atestando o florescimento do negócio, a estupidez pública e o aturado trabalho dos Louças  Cª para a instauração do reinado do Big Brother, desde que o Big Brother sejam eles.

 

13.12.10

 

António Borges de Carvalho

 

 

Com a devida vénia, a seguir transcrevo uma lúcida prosa de José Manuel Fernandes, ínsita no “Público” de Sábado.

 

O debate sobre o WikiLeaks tem, a meu ver, omitido um ponto central: o das motivações do seu fundador, Julian Assange. Parece ser dado por adquirido que o australiano tem como objectivo uma maior transparência no funcionamento das nossas democracias, quando isso não á verdade. Assange, na verdade, nem pensa que vivamos em democracia. Em 2006, escreveu vários textos onde defendeu que os Estados Unidos - e o Ocidente em geral - não eram mais do que uma “conspiração autoritária” e que os seus lideres eram todos “conspiradores”. A única forma de deter tais “conspiradores” seria dificultar a forma como comunicam “uns com os outros”, gerando fugas de informação que obrigassem “o Estado securitário” a diminuir a capacidade da sua rede computacional, tornando-o assim “mais lento” e “mais estúpido”. Olhando para o impacto das revelações da WikiLeaks e para o que se prevê que aconteça no apertar das regras nas comunicações internas nos Estados Unidos, Julian Assange está a conseguir atingir estes seus objectivos.

Devem, pois, desiludir-se os que pedem ã WikiLeaks que revele também segredos da Rússia, da China ou do irão:

isso não faz parte da sua agenda política. E também é bom que, na comunidade jornalística, se saiba separar o trigo do joio: uma coisa é noticiar o que, mal ou bem, foi colocado no domínio público, o que deve sempre ser feito de forma livre e responsável; outra coisa é fingir que Julian Assange é um campeão da liberdade quando, na verdade, é um anarquista que manipula sem grandes escrúpulos enormes quantidades de informação e promove violações de comunicações secretas não em nome da transparência mas para tentar destruir o tipo de sociedade em que vivemos.

E bom sabermos ao que andamos e de que lado estão os que defendem a liberdade, assim como os que a utilizam para melhor a destruirem. Isto não significa deixar de noticiar os segredos revelados sempre que estes forem de interesse público, antes conhecer o terreno (minado) que se pisa.

 

 

23 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub