Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

MALHAS QUE A POLÍTICA TECE

 

Fui por duas vezes ao Kosovo. Em 1999 e 2002, salvo erro.

Trata-se de uma sociedade onde a intolerância social, racial e religiosa subjaz àquilo a que, por eufemismo que fosse, se poderia chamar “comunidade”.

Os sérvios, antes senhores, passaram a perseguidos.

Uma criança sérvia, para ir à escola, precisava de escolta da NATO. O mesmo para uma mulher sérvia que fosse às compras. Os prédios habitados por sérvios eram guardados por tropas “residentes” e por patrulhas armadas até aos dentes.  O bispo ortodoxo sérvio imperava numa espécie de Sé, a uns vinte quilómetros da capital, rodeada por um convento e protegida por tropas por todos os lados. O sérvio que tratava dos registos, passaportes e outras papeladas - formalmente, a Sérvia ainda detinha o poder - como achava que tudo estava “sossegado”, saiu uma vez sozinho; à esquina da rua levou com uma bomba no focinho.

Lá para o Norte, havia uma aldeia, tida por exemplar pelas força militares e pelo poder efectivo da EU, onde os sérvios se tinham entendido com os albaneses e onde havia uma certa cooperação. Isto, como é óbvio, sob protecção da NATO. Não sei o que veio a acontecer a tal aldeia.

Um pouco por toda a parte, via-se os estragos que os bombardeamentos norte-americanos tinham causado, todos eles cirúrgicos, a destruir o poder sérvio e a mostrar a impotência da Europa para resolver o problema por via militar, a não ser que arriscasse dezenas de milhar de vítimas.

 

Conheci relativamente bem o senhor Ibraim Rugova, líder moderado dos albaneses, cuja vida viria a ser ceifada por um cancro na altura em que mais necessário era para o seu povo e para os seus vizinhos.

 

Conheci também, por desagradáveis momentos, o chefe das milícias albanesas que as forças de ocupação procuravam transformar em chefe de uma nova polícia civil. Um latagão, metido com a sua temível gente num casarão solene e kitsh, com enormes Mercedes à porta, a testemunhar a riqueza e a segurança do fulano.

Contava-se a seu respeito as mais terríveis histórias. Para além de guerrilheiro nas montanhas, de destruidor de aldeias e culturas, dizia-se que tinha montado um pipe-line de carne branca proveniente da Rússia, Ucrânia, etc., que era canalizada para as arábias e para os bordéis das máfias europeias. Para além destas nobres actividades, constava, no currículo profissional do senhor, um sector dedicado ao contrabando de armas, com clientes sobretudo em Espanha e no Médio Oriente.

 

Pois esta notável personalidade ganhou as eleições no Kosovo independente. O Conselho da Europa considera-o chefe de uma rede responsável contrabando de armas, drogas e órgãos humanos (estes sobretudo obtidos via extracção de rins e outros pertences a prisioneiros sérvios) através da Europa de Leste.

Quer dizer, apesar do caríssimo apoio que a civilização lhe deu, o senhor Thaçi não se emendou. Tem até a vida facilitada pelo exercício do poder “democrático” e pelo euro - para quem não saiba, o euro é a moeda do Kosovo(!) - o que muito contribui para evitar as especulações dos clientes de rins e outros produtos “biológicos”…

 

A Europa resolveu estancar os vários afloramentos de genocídio na pretérita Jugoslávia. “Obrigou” os americanos a ajudá-la. Compreende-se.

Alguma coisa falhou. Rios de milhões correram por aquelas terras, e continuam a correr, sobretudo no Kosovo. A União Europeia empenhou-se, e continua a empenhar-se, literalmente, na protecção de gente que elege dirigentes como o senhor Thaçi. O tribunal da Haia, para os Kosovares, parece não existir. O banco central europeu, tão preocupado com os perniciosos efeitos monetários dos governos da Europa do Sul, esquece-se dos euros que são despejados e circulam por aquelas bandas, no Kosovo, no Montenegro e não sei mais onde.

 

A partir de um não declarado protectorado criou-se mais um Estado, formalmente democrático, realmente rogue.

Não sei, em concreto, que erros foram cometidos, ainda que muitos pudesse arrolar, a benefício de inventário.

Sei que se deu direito de cidade a quem direito de cidade não merecia. Sei que, se algum caminho de “decência” vier por sorte a ser tomado na região, será daqui a muitos anos. Sei que o que estas coisas custam aos bolsos dos europeus, tão aflitos com os seus problemas e tão esquecidos dos problemas que sustentam, sem contabilidade, sem controlo e sem que os pagantes o saibam.

 

Pobre Europa!

 

16.12.10

 

António Borges de Carvalho

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub