Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

ELOGIO DO ANONIMATO

Tenho sido acusado por alguns dos meus leitores de dizer mal de tudo, de ser um verrinoso e impenitente crítico de coisas que, vejam lá, toda a gente elogia.
A fim de contrariar estas bem intencionadas observações, apresento-me hoje numa postura encomiástica. Que diabo, se calhar os meus amigos têm razão: do que há bem a dizer, que se diga, ou seja, que eu o diga.
 
Tenho à minha frente um número do “Jornal de Negócios” que, na secção “Opinião dos Leitores”, insere extractos de dois escritos, um assinado por Zenónico, outro por o presidente. Os textos reproduzidos, que refectem a bestialidade e a ignorância, tanto do Zenónico como do o presidente, não são dignos de referência.
Mas é-o a magnífica postura do jornal em causa, que publica as opiniões em que, eventualmente, a sua ideologia se refecte, tendo o extremoso cuidado de o fazer a coberto de merecido anonimato.
Assistimos, na generalidade da imprensa, a esta prática, tão merecedora de admiração e respeito. Ele é os Blogs com nomes electrónicos que não correspondem a nada, por conseguinte anónimos, ele é os Zenónicos e os o presidente, a dar-nos, por todos os lados, esta reconfortante sensação de liberdade que consiste em poder dizer o que nos vier à cabeça sem que tenhamos que assumir qualquer responsabilidade, sem que seja quem for nos possa chamar a atenção, criticar, condenar ou elogiar por isso. Trata-se, sem sombra de dúvida, do desenvolvimento do nosso livre arbítrio, coisa que nos enriquece e nos faz sentir mais jóvens, mais actuantes, mais interventores, mais integrados na democracia participativa, mais influentes, mais realizados, mais socréfios.
Para orgulho e felicidade de todos nós, lemos por aí que, por mor de uma denúncia anónima, o procurador A ou o polícia B deram início a uma investigação profunda sobre a vida do senhor C. Lemos por aí que o computador do senhor D foi assaltado pela polícia porque um denunciante anónimo disse que havia horríveis crimes no disco duro.
Há que saudar, com a maior alegria, esta evolução das formas de actuação dos poderes públicos, cientes de que estamos agora muito mais bem defendidos contra abusos vários susceptíveis de perturbar o nosso sossego.
 
Ah! Como é reconfortante esta sensação de poder! Se não gostarmos de um tipo qualquer, um chato que nos incomoda, que nos perturba, bastar-nos-á mandar a quem de direito uma cartinha anónima para que o canalha se veja investigado, assaltado pela polícia, metido nos varais! É tão bom, não é? Se o tipo não for tão irritante assim, sempre haverá uma hipótese mais moderada: chateá-los através de um blog, onde assinamos Zenónico, ou coisa do género, ou de mandar um email para o Jornal de Negócios, ou equivalente, a comunicar ao mundo as nossas zenónicas opiniões.
 
É, ou não, de elogiar o novíssimo sistema? Acho que sim. Aqui fica, para que conste, o testemunho da minha mais profunda consideração.
E não venham acusar-me outra vez de dizer mal de tudo e mais alguma coisa.
 
António Borges de Carvalho

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D