Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

A HISTÓRIA DA DESGRAÇA

 

Anda para aí uma discussão, estúpida e manipuladora, destinada a convencer o pessoal da “evidente” “culpa” de todos os governos que, de Cavaco até hoje, se ocuparam das nossas finanças.

 

Convém, mais que não seja a título de inventário, dizer o que se passou, a fim de, numas dúzias de espíritos que seja, esta aldrabice não faça tanta mossa como as tantas e tantas e tantas que por aí florescem.

 

Assim:

 

Quando Cavaco virou as costas ao poder e deixou a batata quente nas mãos de um bem-intencionado ineficaz, a dívida, e o défice, tinham subido mas não estavam fora de controlo, não passavam do que era tido por normal em nações financeiramente saudáveis.

Chegou Guterres. A despesa aumentou, a economia nem por isso, o estado “social” engordou, a situação dos dinheiros públicos entrou em perigosa derrapagem. Guterres deu à sola quando percebeu que tinha feito asneira e que não tinha estaleca para a emendar.

Veio o Barroso. Dona Manuela entrou para as finanças. A primeira coisa que fez foi denunciar a situação e tratar de pôr as contas em ordem. O PS entrou em delírio: que não era preciso tratar das finanças, a economia é que era bom, a dona Manuela não percebia nada do assunto. À cabeça do delírio aparecia Pinto de Sousa na televisão a trocar as voltas a Santana Lopes, que se via à rasca para fazer perceber que a dona Manuela é que tinha razão, que a economia não dava para endireitar as coisas e que era preciso cortar na despesa. O ultra socialista Sampaio ajudava à missa com a célebre história da vida para além do défice. Diga-se que este senhor jamais apresentou desculpas à Nação, apesar do muito que a prejudicou com a sua partidarite esquerdista e desonesta.

Barroso deu de frosques à procura de melhor. Sampaio nomeou Santana Lopes. Santana Lopes pôs nas finanças um homem sério e competente, que se propôs continuar na linha de dona Manuela, ou seja a tentar endireitar a desgraça financeira que o guterrismo tinha causado.

Por inveja e malquerença, o Prof. Cavaco Silva e o Rebelo de Sousa, acompanhados por uma chuva de idiotas e de socialistas, trataram de desacreditar um governo que era, pelas pessoas envolvidas, talvez o mais prometedor de todos os governos constitucionais. Sampaio aproveitou a boleia e zás!, governo abaixo. Um golpe de Estado constitucional, rasca e indecente, mas formalmente “legal”. Apesar do que veio a passar-se, Sampaio continua a não pedir desculpa e a armar-se em patriota.

 

A cama assim feita, veio o Pinto de Sousa. A máquina funcionou com o combustível generosamente oferecido por esse outro inacreditável socialista, Constâncio de seu nome, através de um “orçamento” putativo, que jamais existiu, mas que serviu às mil maravilhas o Pinto de Sousa. Como por encanto, Pinto de Sousa aumenta o défice, e diz que o baixou. O pessoal, empurrado pela máquina de desinformação do governo, acreditou. Depois, baixou o défice que tinha conseguido aumentar, mediante umas voltas contabilísticas, umas  desorçamentações e coisas do género. Isto, enquanto entrava como um histérico em parlapatices tais que as SCUT’s de borla, as PPP’s, o “Magalhães” e sei lá que mais trampolinices demonstrativas de irresponsabilidade, incompetência e trafulhice.

O povo começou a deixar de acreditar e tirou-lhe a maioria absoluta, o que, se o homem não fosse um tiranete, teria levado a uma coligação com o CDS ou, até, com o PSD. Coisa que, contra a vontade dos eleitores e contra os interesses da Nação, foi liminarmente recusada.

 

Assim se chegou onde chegámos. É cero que com uma ajuda da crise externa. Mas, no nosso caso, a crise externa serviu para que se começasse a descobrir o véu da desgraça que a dona Manuela e outras pessoas de bem há muitos anos anunciavam.

 

Por tudo isto, quando se fala de culpas devia falar-se de coisa que é exclusivamente pertença do chefe do PS e daquilo em que ele transformou o partido, o bando do “congresso”: aldrabões, carneiros e yes men, para falar suavemente.

 

É esta gente que está a negociar com os credores! É esta gente que vai fazer o programa do governo seguinte.

Na certeza que, se nos acontecesse a desgraça de continuar a ter esta gente no poder, nem esse programa seria cumprido, como não o foi o orçamento, o PEC 1, o PEC 2, o PEC 3, como não o seria o PEC 4 e tudo o mais que esta gente dissesse ou prometesse.

 

O pior, meus amigos, é que temos que fazer orelhas moucas a palavras loucas.

Sendo certo que as palavras loucas são tão sonoras, tão manipuladoras e tão “tecnológicas” que, para muitos, vai ser difícil escapar à sua perniciosíssima influência.     

  

18.4.11

 

António Borges de Carvalho

9 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub