Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

NAS MALHAS DO ATRASO MENTAL

 

1. UMA BOA NOTÍCIA

 

Um grupo de alarves, feios, porcos e maus, barulhentos, gritões e sem graça, comunistas, ignorantes e parvos, ganhou, a demonstrar a cultura musical e o apurado sentido de humor da nossa gente, o festival da canção organizado pela televisão do governo. Para nosso consolo, poderá dizer-se que foi o PC que deu ordens aos camaradas para votar naquela porcaria e que a demais população, ou não votou, ou votou noutros.

Facto é que os alarves foram fazer as suas vergonhosas rábulas para as ruas não sei donde, por certo pondo os locais a perceber porque estamos (ou somos) atrasados e arruinados.

Resta-nos a consolação da óptima notícia que é saber que tal escumalha foi corrida à primeira volta, ao que parece sem nenhum voto.

Evitou-se assim que o bando continuasse, nas ruas, nos palcos, nas televisões da Europa inteira, a achincalhar-nos, a dar de nós a imagem de um povo de cretinos, analfabetos, e badalhocos.

 

 

2. MAIS HOMENS DA LUTA

 

Os dois pombinhos do nacional-comunismo, camaradas Louçã e Jerónimo, presentearam-nos com uma rara sessão de cumprimentos na televisão, que nos deu a enorme mais-valia de ficar a saber, de viva voz, que são iguaizinhos como duas gotas de água ou, na feliz e comum expressão do camarada Jerónimo, frutos da mesma sementeira. Adeptos ferozes e fiéis das “políticas democráticas” que tão belos resultados tiveram na Europa e continuam a ter na Coreia do Norte, em Cuba, na China, etc., os dois amiguinhos estão apostados em dar cabo da “burguesia”, coisa ingramável que é o maior de todos os problemas nacionais, como o camarada Louçã escreveu na moção, histericamente aplaudida, que apresentou ao seu povo.

Felizmente, parece que, no festival das eleições, vão ter o mesmo destino dos “homens da luta”, isto é, continuarão a fazer na rua as suas rábulas de mau gosto, mas, como os seus menestréis preferidos, não vão a parte nenhuma.

 

 

3. GATO ESCONDIDO

 

O sempre bem-falante senhor Baptista-Bastos (com aristocrático tracinho, note-se) confessou a sua verdade. Assim: de cada vez que o Estado diminui, a democracia decresce.

Pois é. Lá lhe foge a boca para a verdade, ou para as verdades que o seu partido – o PC – costuma mascarar com a defesa dos “interesses” do “povo” e outras patranhas do género.

Tire-se da frase a aristotélica consequência: se, quando o Estado diminui, a democracia decresce, quando o Estado aumenta, cresce a democracia. Quanto mais aumentar, melhor será a democracia. É por isso que, se o Estado for totalitário, isto é, for o maior possível, a democracia atingirá o auge da perfeição.

É claro que, em lógica marxista-leninista, as coisas não se podem pôr desta forma: o estado baptista-bastiano é aquele em que a "classe operária", isto é, a sua “vanguarda”, isto é, o PC, toma conta de tudo, erguendo, das cinzas da “luta de classes”, os “novos amanhãs”. Quando toda a liberdade, todas as liberdades, forem abolidas, aí se encontrará a “democracia real”.

 

O que vale é que esta gente, que vai fazendo os possíveis por nos manter distraídos, de vez em quando tem estes ataques de sinceridade pública, isto é, fora das gloriosas páginas do “Avante!”.

Pode ser que, assim, haja mais gente a perceber o que são as verdadeiras intenções do social-fascismo, como chamavam aos “revisionistas” os adeptos do grande Mao.

 

O trogloditismo político da comunagem é coisa que, praticamente, já deixou de existir no mundo civilizado. Pena é que as suas nacionais inflorescências venham mostrar que somos, de par com a Grécia, os únicos a ainda ter quem vá atrás dele. Não serão muitos, mas são demais.

 

13.5.11

 

António Borges de Carvalho

5 comentários

Comentar post

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub