Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

irritado (blog de António Borges de Carvalho).

O SOCIALISMO É A FILOSOFIA DO FRACASSO, A CRENÇA NA IGNORÂNCIA, A PREGAÇÃO DA INVEJA. SEU DEFEITO INERENTE É A DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DA MISÉRIA. Winston Churchill

INJUSTIÇA E INIQUIDADE

 

Há trinta anos, um casal comprou um terreno que viria a ser integrado no Parque Natural da Arrábida. Nele construiu, sem pedir licença, uma pequena casa, nela passando a viver, ao mesmo tempo que arroteava a quintarola, sua única fonte de rendimento. Nela criou os filhos e está criando os netos.

 

Tudo bem, ou tudo mal.

 

A câmara de Setúbal foi fechando os olhos. Até que, constituído que foi um corpo burocrático destinado a “defender” o “património natural”, apareceram por lá uns fiscais da coisa, que aplicaram uma multa e disseram que o assunto ficava por ali.

O casal, fatal asneira, dirigiu-se à câmara e pediu a legalização da casinha. Papéis e mais papéis, o costume. A câmara estava de acordo em legalizar a construção, tanto mais que integrada e apoiando uma exploração agrícola. Mas, perdido que foi o seu poder em favor dos burocratas da “Natureza”, enviou-lhes o processo.

Passaram anos. Até que, trinta anos depois de ter cometido o seu crime, o casal vai testemunhar essa extraordinária manifestação de poder que é, por obra e graça dos “representantes da Natureza e da biodiversidade”, ver demolida a sua casinha: um T2 bem arranjado, onde moram com a família e que lhes serve de apoio aos 5.000 metros de agricultura a que se dedicam.

Generosamente, os burocratas “autorizam” o casal a continuar as suas actividades agrícolas, desde que vão morar ao relento ou a 20Kms de distância.

 

Vejamos o assunto pelo lado da Natureza.

Se a zona que o casal cultiva é “protegida”, isto é, tem património vegetal intocável e, nesse caso, a cultura de nabos e cebolas ofende os interesses que os burocratas dizem defender, então será, ou seria em devido tempo, legítimo proibi-la. A casa não tem nada a ver com o assunto.

Se os nabos e as cebolas não prejudicam a “Natureza” que os burocratas “protegem”, ainda menos a casa o faz.

 

Do ponto de vista jurídico, haverá que perguntar se, num caso destes, a prescrição não existe, como até nos mais hediondos crimes.

Não é a mesma coisa, dir-se-á. Tecnicamente estará certo. Mas…

Antigamente, um brocardo que, tecnicamente, não é um brocardo, era ensinado às gentes. Rezava ele: Equitas est summa et constans voluntas jus suum quique tribuendi. Ou seja, a equidade era condição para a realização da Justiça, uma superior e constante vontade de dar a cada um segundo o seu direito.

Talvez, hoje em dia, tal postura de princípio seja considerada “fascista”, arcaica, ou coisa que o valha.

Mas não deixa de ser verdade que, segundo a equitas, o casal tem todo o direito a conservar a sua casa, ainda por cima não ofendendo ela os interesses que os burocratas dizem defender, ou com certeza ofendendo-os menos que os nabos e as cebolas.

 

Aqui temos um caso em que a lei é aplicada segundo critérios meramente burocráticos.

As “autoridades”, que andaram a dormir ou a procrastinar durante décadas, eis senão quando acordam, e pumba!, vai disto.

A casa vai ser demolida, os “criminosos” ficam ao relento com filhos e netos e, ainda por cima, têm que arcar com as despesas da demolição.

 

A ditadura encartada em acção.

 

Aqui está uma que, para consolo dos comentadores amigos do senhor Pinto de Sousa, não tem nada a ver com o dito.     

  

14.6.11

 

António Borges de Carvalho

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

O autor

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D